Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 4 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

CIA chega ao twitter da melhor maneira possível

Além de divertido, o tweet deles é um lembrete pedagógico do que evito buscar nas redes sociais: sacadinhas engraçadas.

 

"Não podemos confirmar nem negar que esse é nosso primeiro tweet."

Essas sacadinhas são como pacotes de salgadinhos com zero valor nutritivo. Você as lê, acha engraçado e fica com vontade de consumir mais. Logo está disperso, pouco produtivo e ansioso com tudo que deveria ter feito e não fez, em troca de alguns lols internos. Não que seja ruim dar risada, só não quero persegui-las ativamente e receber ainda mais do que a web me entrega por padrão (já é muito).

Fora isso, acho um tanto macabro pensar na CIA como um local amigável e espirituoso, sensação que brota após mastigar a sacadinha. Me me dá calafrios só de pensar no que querem dizer com a bio "We accomplish what others cannot accomplish and go where others cannot go" – em tradução livre, "fazemos o que outros não podem fazer e vamos até onde outros não podem ir".

Há mais de dois anos cometi facebookcídio e desde então procuro ficar mais atento à minha dieta digital. O Twitter, que já foi dado como morto e decadente, me agrada bastante. Lá sigo perfis de veículos e pessoas muito interessantes para meus percursos pessoais. É ainda um bom ponto de contato para diálogos breves, como quando estou em busca de ok para uma tradução nova a ser publicada no PdH.

Se fosse recomendar de bate pronto dois perfis que beneficiam minha vida, eles seriam:

@AlaindeBotton

@Chögyam Trungpa

E vocês, teriam bons perfis de twitter a recomendar?

* * *

Nota dos editores: esse é um post despretensioso, um formato rápido com o qual pretendemos experimentar para compartilhar com vocês ideias e recomendações que valem sua atenção.


publicado em 06 de Junho de 2014, 16:30
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura