Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Cinco dicas essenciais para entender e tirar o máximo do seu carro esportivo

Fomos até o autódromo de Interlagos aprender com pilotos profissionais

Um carro esportivo é um monstro, concebido com base em tecnologias aperfeiçoadas ao longo de décadas em campeonatos como a Fórmula 1 e o Mundial de Endurance.

Esses carros fazem parte das grandes paixões dos brasileiros. Mas, afinal, como conseguir o melhor desempenho? E mais: o que difere essas máquinas de um carro comum?

Começando pela primeira pergunta, gravamos o vídeo acima no Autódromo Velo Città no interior de SP, durante o Suzuki Trackday. Agradecemos aos pilotos Leandro de Almeida e Sergio Barata pelas valiosas lições!

Agora vamos entender o que exatamente torna seu carro esportivo diferente de um carro comum

Pra começar, eles costumarm ter um design único, daqueles de encher os olhos. A aerodinâmica desenvolvida na F-1, o desenho inspirado em um avião ao contrário, aumenta a fluidez do ar e evita que ele voe, literalmente.

Embreagem, câmbio, pedais, tudo diferente. Geralmente têm pouca distância do solo e precisam de controle aerodinâmico que pressione o carro para baixo, por isso o recurso dos aerofólios está presente nos modelos mais rápidos. Além de pneus largos e a baixa altura em relação ao solo, que proporciona uma aderência incrível tanto na reta quanto nas curvas.

O carro gruda mesmo no chão.

Há também um refino nas suspensões como molas e amortecedores esportivos. Neste caso, as molas são mais duras, o que deixa o carro com mais firmeza e estabilidade. E os amortecedores são mais pressurizados para evitar um grande movimento das molas.

Rodas de aros bem maiores e, claro, a água que bebe é especial: um equipamento desses quase sempre necessita de gasolina de alta octanagem. Assim, sobra potência, mas a contrapartida é pouco espaço interno.

O que nos leva à relação peso/potência, algo crucial a se compreender. A conta é simples e o resultado ajuda muito a entender melhor seu carro.

Para obter a RPP pegue o peso do veículo em quilogramas (Kg) e faça a divisão pela potência do motor em cavalos-vapor (cv) – ambos os dados estão na ficha técnica do carro, que você pode encontrar em sites e revistas especializadas.

Alguns exemplos:   

  • BMW M5 V8 Biturbo – relação peso/potêcia é 3,52   
  • Uno Mille – relação peso/potência 12,58

Esse dado significa que cada cavalo de potência da BMW carregará 3,52 quilos e que cada cavalo de potência do Mille carrega 12,58 quilos.

Como esse didático artigo nos explica, “a relação peso/potência ajuda você a conhecer melhor seu carro. É claro que este dado por si só não é suficiente para coroar ou crucificar um automóvel. Fatores como torque do motor, câmbios bem escalonados, modernidade do projeto e boa aerodinâmica são outros elementos importantes que podem ajudar um carro não tão leve a parecer melhor e vice-versa.”

Em um carro de rua, a embreagem é mole e o torque lento e curto. Na versão esportiva, a alavanca é mais dura, assim como os pedais.

Outra diferença do esportivo está o interior, com bancos tipo concha, similares aos de competição, com o objetivo de deixar o condutor na posição ideal e mantê-lo o mais seguro possível. Em contrapartida, conforto não é o forte dessas supermáquinas.

Porém, não é raro vermos pelas ruas carros comuns com kits de esportivos.

Tecnicamente, quase todas as partes de um carro comum podem ser substituídas por suas versões denominadas esportivas, do motor ao escapamento, passando por apêndices aerodinâmicos como as asas e saias.

Mas não é aconselhável fazer alterações ao bel prazer, pois isso pode comprometer seu veículo, além de não fazê-lo funcionar como um esportivo de verdade. Afinal, para fabricar um esportivo são necessários anos e anos de estudos e testes, elaborados por engenheiros especializados e pilotos.

Assim, cortar dois centímetros de mola para deixar um carro comum mais baixo, inserir o famoso “nitro” e rodas do mais alto aro não deixarão seu carro mais veloz, pelo contrário, você poderá passar mais tempo na oficina do que na rua.

Mas vamos lá, ainda há mais a saber. Os esportivos são preparados para andar em solo liso, já que atingem grandes velocidades. Logo, foram feitos para andar em autódromos ou em estradas no estilo das lendárias autobahns alemãs.

Isso restringe o seu uso, mas quando se consegue andar nesses locais específicos, você percebe rapidamente a diferença em relação aos outros carros.

Infográfico por Jader Pires, Ismael dos Santos e Felipe Franco

E então, qual a experiência de vocês com os esportivos?

Por fim, gostaria de escutar vocês. Esse artigo é só o começo de uma conversa mais longa a seguirmos. Quais experiências têm sido com seus carros esportivos? Já conheciam as dicas que falamos no vídeo? Têm outras a compartilhar?

Conversamos mais nos comentários!

Mecenas: Swift Sport da Suzuki

Para quem pensava que Suzuki era só off road, o Swift Sport chegou para quebrar esse mito.

Conferimos de perto o Swift Sport em ação, no Suzuki Track Day: com 142cv de potência para os poucos 1.065 kg de massa, entrega uma excelente relação peso/potência para quem busca esportividade em compactos.

Basta encher o motor 1.6 aspirado dele para sentir do que esse pequeno japonês é capaz.

Conheça mais sobre o Swift Sport aqui e aprenda como tirar o máximo do seu no vídeo que gravamos com os pilotos e experts da marca, no começo desse artigo.


publicado em 12 de Dezembro de 2014, 12:51
File

Bruno Vicaria

Apaixonado por corrida de carros. Faz de tudo um pouco: jornalismo em internet, jornal, revista, comentários na TV e na rádio. Falta só um livro (e um teste de Fórmula 1) para poder morrer feliz.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura