A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Coaching e MasterMind para sucesso financeiro

Já teve gente que cismou com a minha assinatura, onde digo que "gosto de ajudar as pessoas e fazer amigos. E ainda ganho dinheiro pra isso".

Se me permitir, tento explicar um pouco.

Aviso que este shot não é patrocinado, por ser publicado em uma parceria especial entre o PapodeHomem e a Arata Academy. E espero que nesse texto eu possa ajudar em algo, fazer amigos e ganhar um dinheiro.

Diga-me com quem andas e te direi quem és

"Eram cinco horas da manhã e o cortiço acordava, abrindo, não os olhos, mas a sua infinidade de portas e janelas alinhadas..."

Lembro até hoje da minha professora de literatura tentando duramente explicar para nossa turma, um bando de adolescentes babões, que o personagem principal de O Cortiço não era o português João Romão, mas sim o próprio cortiço.

Quem já passou pelo vestibular sabe como é dureza ter que ler um livro por obrigação. Eu tentei ler esse clássico do Aluísio Azevedo, achei chato pra burro e me contentei com o Resumão Fuvest.

Basicamente, o cortiço é um lugar do mal, uma entidade que corrompe as pessoas. Quem não fica ligeiro toma facada nas costas e furada nos olhos. A ganância e a sujeira movem a sociedade... que, nessa época (1890), era muito influenciada pelos homens da ciência. Darwin era o Justin Bieber da época.

Uma das teorias evolutivas em voga via o homem como fruto do meio: coloque um sujeito de bem no meio de um monte de marginais e aguarde um pouco para ter um delinquente instantâneo. É mais ou menos isso o que acontece com o honesto e trabalhador português Jerônimo ao se envolver com a piriguete Rita Baiana; acaba se corrompendo.

Tá, mas e daí?

E daí que não tem nada de novo nessa ideia. Mesmo depois do naturalismo deixar de ser modinha, continua a ideia de que nós somos uma média ponderada das pessoas com as quais convivemos a maior parte do tempo.

Foi nessas que o escritor Napoleon Hill acabou desenvolvendo uma idéia sensacional: criar um MasterMind. Explico.

Napoleon Hill.

Napoleon Hill foi um cara muito sortudo que teve apoio do multibilionário Andrew Carnegie. Ambos, inclusive, merecem em breve um post em nossa série "Homens que você deveria conhecer".

Andrew Carnegie.

A missão que Napoleon Hill teve foi entrevistar os homens mais poderosos do mundo e escrever um relatório com as descobertas, identificando quais elementos colaboram para o sucesso de uma pessoa.

Entre vários pontos que ele lista em Think and Grow Rich, existe a criação de um MasterMind, um grupo pequeno no qual todo mundo ajuda todo mundo.

Não existe uma fórmula específica para um MasterMind. Tem gente que cria com no máximo sete pessoas e encontros semanais por telefone, com uma hora de duração. Nesses papos, uma única pessoa é escolhida para compartilhar a situação atual de negócios e todos os demais contribuem com sugestões, contatos e outros recursos para alavancar o projeto. Na próxima reunião acontece uma rotação, de modo que todos recebem essa ajuda.

Qualquer pessoa pode organizar um MasterMind, seja de empreendedores, concurseiros ou qualquer propósito comum que tenha um significado maior do que nosso próprio umbigo.

O MasterMind da Arata Academy

No começo do texto eu disse que:


  • ofereceria uma ajuda,

  • no processo gostaria de fazer amizades

  • e ainda por cima receber dinheiro para isso.

É o que aconteceu com um sucesso fenomenal na primeira edição do programa A Classe Alta. Foram mais de 150 interessados em criar um MasterMind que juntou gente de todo o Brasil (de Manaus a Porto Alegre) e também da Alemanha, Espanha, Emirados Árabes, Canada, Nova Zelândia e mais.

Todos nós realizamos discussões sobre:


  • coaching,

  • enriquecimento financeiro,

  • empreendedorismo,

  • concursos públicos

  • e também carreiras corporativas.

Valorizamos a diversidade e acreditamos que existe a possibilidade de oferecer valor para nossos amigos de forma que o bolo cresça para todos.

No entanto, tenho que confessar que antes de conhecer o trabalho do Napoleon Hill eu já tinha notado um outro cara que tinha a religiosa prática de juntar uma galera foda e fazer algo sensacional acontecer: o Guilherme Valadares, fundador dessa porra toda. Foi dentro de outra comunidade online criada pelo GNV que aprendi muita coisa e me conectei com gente sensacional que me ajudou demais. Mas essa seria uma história pra outra hora...

Juntar pessoas boas é algo que dá certo

Funcionou na primeira turma criada para o A Classe Alta em dezembro do ano passado e está funcionando nesta segunda edição muito bem: em uma semana, já preenchemos 132 das 150 vagas para o programa.

Ele pode até ser anti-social, mas estudou num dos mais incríveis MasterMinds de todos os tempos: Harvard.

Os números só não são maiores pois ainda faço quase todos os processos de plataforma de usuário manualmente, tudo tem um clima intimista. Não é um fórum bagunçado como existem milhares pela Internet. Tem uma metodologia de e-learning sólida que utilizo faz anos em diferentes comunidades online.

Um dos princípios dessa metodologia é, curiosamente, ligada ao próprio conceito central do MasterMind. Juntar as pessoas certas que promoverão a influência mais adequada para alcançar os objetivos idealizados. Por isso, esse shot foi bastante comprido, de propósito, alienando muita gente que não tem interesse nesses assuntos de psicologia de riqueza, lifehacking, coaching.

Para quem leu até aqui, convido agora a assistir um vídeo de produção caseira no qual detalho um pouco mais sobre como sair da Matrix da classe média.

Se esse texto fez sentido pra você, comece por aqui.

Os dois links acima são parte de uma parceria com o PapodeHomem, oferecendo um desconto de 50% para quem quiser se juntar a esse grupo bacana.

Nos vemos por lá.


publicado em 10 de Fevereiro de 2011, 10:12
File

Seiiti Arata

Gosta de ajudar pessoas e fazer amigos. E ainda recebe dinheiro pra isso. Fundador da Arata Academy.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura