Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 4 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

Cliente x Criação

Lá está ela, inocente (ok, às vezes ela é meio suja e de duplo sentido, mas tá valendo) pequena e precisando de cuidados para se desenvolver: a idéia para o anúncio.

Sua filha, seu produto de queima de neurônios.

Idéia do caramba. Responde ao briefing, é original, mas o bendito do cliente (sim, ele é ótimo porque paga nosso salário) despeja o clássico: "não gostei, use verde-limão nesta tarja" ou ainda "aumente a logomarca".

Seu sangue sobe? Percebe que sua mãe estava certa ao dizer que deveria ter escolhido uma carreira mais estável?

Bem-vindo ao clube.

Engraçado como ninguém palpita sobre como o médico deve operar, o mecânico consertar ou o dentista fazer um sádico e caprichado canal. Mas na área de comunicação, onde certos critérios são subjetivos, todo mundo dá pitaco.

Já o cliente que, em muitas vezes, não entende bulhufas de comunicação, decide montar seu próprio Frankenstein com o aval da agência. Todos perdem com essa ingerência. A criação por enterrar o anúncio e jamais publicá-lo em seu portifólio, a agência por produzir uma campanha de gosto duvidoso e o próprio cliente por não atingir seus objetivos de mercado.

target

Adoramos publicidade; informar, entreter, emocionar, alertar, flertar com o naqueles sagrados 30 segundos. Enfim, trazer um sorriso àquele cidadão comum no fim da noite. O mundo seria um lugar mais triste sem a publicidade e suas cores. Alías, não acredito que a nossa vida na sociedade moderna atual seja possível sem ela.

Por isso, nossa mensagem ao Sr. cliente é: confie em nós, sabemos o que fazemos. Quando o Sr. decide, mesmo sob protestos do Atendimento, pela pérola máxima do cliche: "no aniversário das nossas lojas, quem ganha o presente é você".

Dá até vergonha de assinar.

O momento exato de opinar construtivamente é produzindo um briefing robusto, completo e que guie a criação na direção correta. Nele também devem conter referências, não peças a serem copiadas. Daí pra frente é com os publicitários.

Como diz Paulo Castro da Staff/RJ: "Certos dias você não está bem, não tem prazo, ou definitivamente não é seu dia". E ponto final.

Isso vale pro cliente tambem. Sempre existe uma razão.

Se quem paga manda você usar bold, use bold, caramba! Mas sempre com bom-senso.

Nem todo dia é dia de obra de arte. Job bom é job morto.

Ps. Tirinhas do Rodrigo.


publicado em 25 de Agosto de 2008, 21:07
72d89ae1c693f6872cde6665ede0ef80?s=130

Fábio Fernandes

Fábio Fernandes tem 29 anos, é formado em Publicidade e Propaganda e edita o blog "Cosméticos Masculinos: cuidado sem frescura", onde testa e divulga produtos voltados ao publico masculino. No Twitter, @cosmeticosmascu.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura