5 opções de backup na nuvem pra você guardar seus próximos 12 anos de trabalho

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Na última terça, em pleno feriado, Laerte percebeu algo estranho quando chegou em casa ao retornar de uma viagem: seus gatos estavam na rua.

Quando entrou, notou que dois botijões de gás haviam sumido e, mais importante, seus dois computadores e HD externo com todo o seu trabalho dos últimos 12 anos também. Ele disse ter alguma coisa salva em CDs, mas a maioria perdida pela deterioração normal do tempo.

Seu acervo de 12 anos de trabalho havia sido roubado.

Laerte

Com tanta tecnologia, nuvem, backup e outros termos modernos em voga, era possível evitar essa inestimável perda ou pelo menos minimizá-la? Sim, era possível.

Serviços de armazenamento de arquivos na internet existem aos montes e são cada vez mais generosos no que tange a espaço. Para que o problema ocorrido com Laerte não se repita com você, o PapodeHomem separou, analisou e compilou uma lista com cinco serviços para guardar seus arquivos na nuvem.

 

1. Dropbox

É o mais popular e dentre os focados em usuários domésticos, um dos mais antigos. Na conta básica o Dropbox oferece 2 GB. Há planos pagos para estender o espaço online (50 GB por US$ 9,99/mês, 100 GB por US$ 19,99/mês), sem falar nos pequenos truques que concedem espaço extra gratuito e realmente funcionam — sem gastar um tostão a minha conta já ultrapassou os 20 GB. O serviço é bem competente e o que oferece a maior gama de apps, logo, se o Linux fizer parte da sua vida, esta é uma das poucas opções com suporte ao sistema do pinguim.

 

2. SkyDrive

Até semana passada, o SkyDrive era um disco virtual na nuvem — competente para guardar seus arquivos, pouco prático pela falta de um app para Windows e Mac. Agora ele tem e, na conta básica dá 7 GB grátis ao usuário (ou 25 GB para os mais antigos que fizerem uma dica simples).

Os planos especiais estão entre os mais baratos, começando com 20 GB adicionais, ou seja, somados ao espaço gratuito que você já tem, por R$ 19/ano, até 100 GB por R$ 93/ano. O único contra é a ausência de um app para Android — em sistemas móveis, só tem para iOS (iPhone) e Windows Phone.

 

3. Google Drive

Eu ainda usava fraldas e tinha meu vocabulário restrito a “gugu dadá” quando os primeiros rumores do Google Drive surgiram. Há poucas semanas, para a (não tão) surpresa de todos, o mítico espacinho na nuvem do Google para meros mortais foi lançado. Ele lembra muito Dropbox, SkyDrive e similares, mas conta com alguns recursos legais como pesquisa por imagens e reconhecimento extensivo de arquivos, incluindo os do Illustrator, Photoshop, AutoCAD, vídeos em alta definição, tudo no navegador, sem precisar instalar nada.

O espaço gratuito é de 5 GB e, tal qual os demais, há planos pagos para aumentar isso aí — a partir de US$ 2,49/mês para 20 GB até incríveis 16 TB (sim, amigo, 16 terabytes).

 

4. SpiderOak

Não é muito conhecido, mas tem um diferencial interessante: criptografia pesada nos servidores. A maioria dos serviços possui licenças bem permissivas para que tarefas de bastidores sejam realizadas. O SpiderOak não só garante que apenas você consegue ler seus arquivos, como faz disso um chamariz. Para quem guarda arquivos sensíveis, um belo chamariz, eu diria. Outro recurso de segurança bacana e pouco usual é a autenticação em dois passos.

A conta básica tem 2 GB e pode ser estendida para 100 GB ao custo de US$ 10/mês. Tem apps para Windows, Mac, Linux, iOS e Android e, a exemplo do Dropbox, permite referenciar amigos para ganhar espaço extra (até 10 GB) de graça.

 

5. SugarSync

Contemporâneo ao Dropbox, o SugarSync não tem toda a badalação do concorrente, mas uma característica incomum e muito apreciada por heavy users: sincronia de quaisquer pastas. Nos outros, o programa gera uma pasta e ela serve de ponte entre PCs/smartphones e a nuvem; no SugarSync, você escolhe qual(is) e quantas pastas serão sincronizadas. Outra peculiaridade é o app para Symbian (!), exclusividade entre os analisados aqui.

O plano básico confere ao usuário 5 GB e, a partir dele, há outros três pagos começando pelo de 30 GB a US$ 4,99/mês até chegar a 100 GB por US$ 14,99/mês.

 

Basta isso para estar seguro?

A menos que você seja muito azarado, sim. Uma coisa é certa: seus arquivos estarão mais seguros em um servidor remoto, controlado por administradores competentes e com toda a infraestrutura das gigantes da tecnologia segurando as pontas, do que em um HD externo pendurado no seu PC.

Mas falhas, por mais improváveis que pareçam ser, acontecem, por isso o ideal é sempre ter um backup redundante, ou seja, em dois ou mais lugares fisicamente separados.

Pessoalmente, uso um HD externo com a ferramenta de backup do Windows 7 e um desses serviços na nuvem para manter os meus dados bem protegidos, um mix entre Dropbox e SkyDrive. As cinco opções mostradas aqui são bem próximas em recursos e possibilidades, logo minha opção por essa dupla é mais por já usá-las há um bom tempo e pela soma do generoso espaço gratuito de que disponho nos dois (~48 GB).

É bom ficar atento às políticas de privacidade também. Todos esses serviços oferecem uma e, embora eu duvide que um Google da vida vá expôr ou se apropriar do trabalho alheio (afinal, confiança é tudo nesse mercado e ninguém quer perdê-la), algumas delas são bem draconianas.

Se você não se sentir confortável em confiar a guarda dos seus arquivos a estranhos, considere um sistema de criptografia antes de mandar tudo para o espaço, digo, para a nuvem. O VeraCrypt é gratuito e possui um algoritmo criptográfico poderoso, um que levaria algumas décadas ou séculos para ser quebrado. O programa é fácil de usar, mas em todo caso aqui tem um rápido tutorial explicando como ele funciona.

E vocês, leitores? Estão preparados pra perder todo seu arquivo ou fazem backup? Como fazem? Vamos continuar a conversa nos comentários.


publicado em 04 de Maio de 2012, 12:06
88c17998ff83279bdcc57c0c2d5a12e6?s=130

Rodrigo Ghedin

Escreve sobre tecnologia, estuda comunicação e vive tentando entender a convergência dessas duas áreas. Está à frente do Manual do Usuário, um blog de tecnologia diferente. Ele não sabe consertar seu computador.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: