Abrimos as inscrições para a edição 2019 do PAI, nosso evento anual de paternidade! Vem encontrar a gente e outros pais da comunidade em um dia cheio de conversas e palestras. Reserve o seu ingresso antes que esgote! Clique aqui!

Como lidar com a expectativa masculina em relação à liberdade sexual feminina? | Mentoria PdH #49

"A partir do momento que vou para a cama com um homem não tenho frescura, 'faço  tudo', sem restrições, com muita entrega e prazer. Por que os homens mudam depois que transamos?"

"Sou leitora do PdH há alguns anos e a abordagem das questões masculinas (e femininas) por aqui sempre se mostraram muito interessantes, agregadoras e construtivas devido à profundidade com que os temas são tratados. Em suma, aprecio a cabeça e o modus operandis dos homens que comentam no site.

Dito isso, estou próxima dos 40 anos, solteira, já fui sido casada, iniciei minha vida sexual aos 20 anos, por repressão de uma família muito religiosa, mas sempre gostei muito de sexo. Lidei com minha sexualidade aflorada, intensa e natural de maneira muito tranquila.

Hoje me sinto muito confortável na pele da mulher que realiza todos os seus desejos e não tem restrições sexuais. De maneira mais clara, a partir do momento que vou para a cama com um homem não tenho frescura, "faço  tudo", sem restrições, com muita entrega e prazer.

Embora não tenha uma vida sexual muito regular, e apesar do meu tesão ser bastante seletivo, quando ele bate, é forte. E já tive algumas experiências de conhecer um homem há pouco tempo e ter transas fantásticas, bem como topar realizar fantasias, fetiches, transar com outra menina junto... sendo isso muito natural para mim. O meu prazer. O prazer do outro.

Mas nesse processo vi muitos homens se afastarem de mim, e além, mudarem o conceito sobre mim.

Sou intelectualizada, tenho senso crítico, falo alguns idiomas, sou uma profissional bem sucedida e reconhecida como uma mulher inteligente. Isso faz, com que, nos primeiros contatos com um homem eu receba uma certa deferência de apreciação, admiração e cuidado que muitas vezes caiu por terra quando fomos para o quarto.

Não é incomum eu ver o homem surpreso por eu o estar cavalgando, ou fazendo um oral caprichado, ou ainda, levando o sexo para práticas que supostamente outras mulheres não gostam. No final, ele gosta muito, mas depois, vejo que ele mudou a maneira de me tratar. Não é raro também eu ouvir: "Você, toda quietinha, comportada, usa óculos, quem diria que age com uma profissional."

Conscientemente ou não, o cara dá uma sumida, esfria, se torna apenas polido, enfim, muda completamente. Parece que a deferência que ele nutria pela minha persona mansa, que fala baixo, de papo agradável, a mulher discreta, de aparência de professora universitária "que dá orgulho de apresentar" cai por terra quando ele me vê nua, transformada em um ser extremamente sexualizado (que eu não sei ser diferente).

Talvez, eles tenham a impressão de eu ser promíscua. De que eu faço isso com todos os caras e de não haver nenhuma especialidade "nele" para que eu faça isso com ele, apenas com ele. Ou ainda, instintivamente exista algo muito enraizado na mente masculina (e feminina) de que existe um comportamento que faça a divisão do que é a mulher para ser admirada e levada a sério daquela que é só para sexo - e que não merece nenhuma deferência especial, nem sequer um "bom dia, como está sua vida"?

Gostaria de uma opinião de vocês, homens. Vocês têm experiências parecidas, sendo vocês os caras que se depararam com uma mulher muito sexualmente ativa? Isso de alguma forma foi surpresa?

Devo eu, antes de estabelecer intimidade sexual, marinar a convivência e deixar o cara conhecer a minha personalidade, minha mente, o que eu sou como pessoa e daí decidir se ele gosta de mim por essas características, e depois me revelar como sou na cama?

Um adendo, não costumo ir para cama com todos os homens que conheço, mas se conheço um cara que me atrai a esse ponto eu transo sim, de maneia rápida e fácil, pois a vontade é poderosa. Rever isso é o caminho?

F."

Leituras complementares:

Sexo, botões e bluetooth: pra onde nossas relações estão indo?, de Gabriella Feola

Feminismo para homens: um curso rápido, por Alex Castro

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

F, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 17 de Junho de 2019, 17:58
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura