Como o homem vê seu pênis? Um livro com 100 fotos de 100 pintos de 100 homens

Homens conversam e desabafam sobre câncer, tamanho e dúvidas enquanto seus pênis são fotografados para o livro Manhood: The Bare Reality

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Laura Dodsworth é uma fotógrafa especialista em fotografar pessoas, curiosa com suas partes. Ela já havia criado o projeto Bare Reality: 100 Women, Their Breasts, Their Stories, livro em que ela entrevista cem mulheres enquanto fotografa seus seios.

E agora foi a vez dos homens.

Fotos do livro "Manhood: The Bare Reality"

Cem fotografias de cem pênis e cem histórias sobre masculinidades e dramas pessoais que encantam e afligem todo homem. 

"Um mosaico de questões universais, como bem dito na matéria do El País sobre o livro Manhood: The Bare Reality (“Masculinidade: a verdade nua e crua”, em tradução literal). São histórias que abordam sexualidade e questões referentes ao homem e ao pinto: relações de poder, a paternidade, o câncer, o tamanho. Eles també, falam, enquanto despidos e tendo suas partes íntimas fotografadas, de sentimentos e da complicação é não saber falar sobre isso com clareza e ter a alta necessidade de falar sobre isso ao mesmo tempo.

O paradoxo do homem.

Aqui, abaixo, algumas das conversas retiradas do projeto e da entrevista que ela deu ao El País:

O Padre

“Quase desisti enquanto buscava um padre que aceitasse falar e posar nu, mas no fim encontrei”, conta a fotógrafa. O religioso, de 39 anos, confessou a ela: “Tenho dúvidas sobre se é necessário esperar até o casamento para fazer sexo. Há uma mistura de estranhamento, decepção e vergonha quando uma pessoa começa a fazer sexo com seu parceiro depois de respeitar essa norma”.  

A pornografia entre jovens e homens mais velhos

“Os mais jovens cresceram com a pornografia na Internet, mas os mais velhos se dizem felizes por não ter vivido isso na juventude, apesar de agora consumirem esse tipo de material. Um rapaz de 20 anos chegou a me contar que teve que parar de assistir porque tinha perdido a capacidade de atingir o orgasmo quando transava com uma mulher”, comenta.

Homens e a relação com álcool e drogas

“Sou dependente, e misturar álcool e cocaína era a única maneira de me manter excitado. Quando fui para uma clínica de reabilitação pensei que a diversão tinha acabado. Persegui a ideia do que significa ser um homem desde que eu tinha 13 anos. Para mim, significava ter uma bebida, uma droga e uma garota ao meu lado. Era o eterno adolescente”

[Trecho do depoimento de um homem de 49 anos].

Demissexualidade (quando só há desejo se tiver uma conexão emocional com a outra pessoa)

“Algumas vezes, não consigo ter uma ereção. Isso me preocupa? Mais ou menos. Não ocorre tanto quando estou namorando e tenho uma conexão emocional. Meu pênis precisa de uma companhia amigável, aberta e que não julgue”

[Trecho do depoimento de um homem de 33 anos].

Sexo num pedestal

“Se entendêssemos que o sexo não é só gratificação, que também é comunicação, acredito que seríamos mais respeitosos. Acho que precisamos novamente colocar o sexo em seu maldito pedestal”

[Trecho do depoimento de um homem de 49 anos].

Câncer de testículo

“Perder os dois testículos por causa de um câncer pode parecer uma maldição, mas eu vejo isso como uma bênção. Mudou minha maneira de encarar a vida. Pela primeira vez, me preocupo com coisas importantes e me sinto seguro”

[Trecho do depoimento de um homem de 36 anos].

O tamanho do pau

“[Quando decidi realizar minha operação de troca de sexo] pensei: ‘Para que diabos vou passar por nove horas de cirurgia se não for para ter um pênis grande?’ Então fiz uma boa faloplastia. Claro, o tamanho é uma das primeiras coisas pelas quais os homens transexuais perguntam”

[Trecho do depoimento de um homem de 47 anos].

 


publicado em 22 de Junho de 2017, 00:00
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: