A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Como roubar no jogo e fazer estrogonofe com ketchup e mostarda

Porque é preciso aprender a dar uma variada no arroz e feijão do dia-a-dia sem passar sufoco na cozinha

Se você já sabe fazer arroz, feijão e bife, tá na hora de aprender a próxima receita oficial de cardápios de casamento: o estrogonofe.

O lagarto ao molho madeira ainda é level hard pras suas capacidades e a couve-flor gratinada está como próxima na sua lista do youtube. O estrogonofe é aquele prato intermediário, bom pra dar uma variada ou cozinhar pra sua mãe quando ela vai dar uma checada no seu recém-alugado apartamento mobiliado com fogão de aço inox (tenho fetiche) e na sua capacidade de sobreviver sozinho.

A real é: aos vinte a gente descobre como roubar no jogo da cozinha e fazer pratos chiquetosos com ingredientes ultraprocessados. E é o que vou fazer aqui. E tudo bem. Porque a gente incentiva, sim, uma vida saudável, mas não é como se o estrogonofe original não fosse cheio de farinha de trigo, né? E eu sei que você não usa creme de leite light.

Tendo ficado estabelecido que esse prato não é dos mais saudáveis e, portanto, fica pra de vez em quando, já posso te contar que você vai roubar no jogo e encher seu estrogonofe de ketchup e mostarda. E vamos lá.

Pra uma porção pra duas pessoas você vai precisar de:

  • 300g de peito de frango ou filet mignon em cubos (se você quiser economizar, contra-filé também dá conta do negócio e se quiser gastar, investe no camarão)
  • 1/2 xícara de chá de champignon fatiado
  • 1 colher de sopa de manteiga com sal
  • ½ cebola média picada
  • 2 alhos espremidos
  • Sal a gosto
  • 4 colheres de sopa de ketchup
  • 2 colheres de sopa de mostarda
  • 1 xícara de chá de água fervente
  • ⅓ de xícara de chá de creme de leite

A preparação não é tão difícil – bastam audição e olfatos apurados.

Escolha uma panela média que não esteja soltando teflon na sua comida e te causando câncer. Ligue o fogo médio pra derreter a manteiga e coloque junto o alho e a cebola. Depois de refogá-los por cerca de um minuto – cuidado pra não deixar queimar! – ponha os cubos de frango ou carne, adicione um pouco de sal e também refogue-os, mas em fogo baixo.

O ponto da carne é quando ela já está toda esbranquiçadinha e não mais fibrosa como quando crua, e tudo bem se acumular um caldinho. Aí você sabe que chegou a hora de colocar as colheradas dos alimentos ultraprocessados.

Comece devagar e pelo ketchup. Uma colher de cada vez, misturando tudo nos intermédios. Quando as seis colheres de ketchup e mostarda estiverem postas, coloque água fervente, mas cuidado: não ponha demais, a ponto do seu estrogonofe ficar aguado, sem cremosidade, nem de menos, a ponto de ficar sem caldinho pra misturar no arroz. Uma xícara de chá é suficiente na maioria das vezes, mas isso vai depender da intensidade da chama do seu fogão. Fique de olho.

Pode adicionar o champignon à mistura, que vai ferver de dez a quinze minutos em fogo baixo. Certifique-se de experimentar o molho de duas a três vezes pra avaliar se vai precisar de mais sal ou qualquer tempero que você queira adicionar.

Quando o molho atingir a cremosidade que você quer – eu não gosto aguado de espalhar pelo prato todo, mas também não gosto quando tem que chacoalhar a colher pra ele cair –, desligue o fogo e coloque o creme de leite. Aí é só misturar e ser feliz (espero que você tenha lembrado de fazer o arroz).


publicado em 29 de Janeiro de 2016, 00:05
10710799 10152759290008996 1807417555040828999 n

Marcela Campos

Tão encantada com as possibilidades da vida que tem um pézinho aqui e outro acolá – estuda Jornalismo na Universidade de São Paulo, mas também cursa Saúde Reprodutiva Holística no Justisse College. Compõe a equipe de conteúdo do PapodeHomem, modera uma comunidade de quase dez mil mulheres e não tem preguiça de bater um papo bom.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura