A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Como testar o nível de liberdade durante nossas decisões

Miranda July | The Hallway (2008)
Miranda July | The Hallway (2008)

Sugiro um teste bem simples para sabermos se estamos agindo com algum nível de liberdade, sem tantas perturbações cognitivas e emocionais, durante os momentos em que decidimos terminar um namoro, mudar de empresa, seguir na empresa, comprar algo, cancelar um encontro, enfim, qualquer tipo de ação significativa.

1) Verifique se surgem vozes internas, panos de fundo, perfumes, paisagens ou mesmo se você se flagra soltando explicitamente os seguintes pensamentos: "Eu preciso fazer isso", "Não dá mais para esperar", "Não há outra opção".

2) Imagine você seguindo por outro caminho. Sinta se você fica confortável e tranquilo ou se tal possibilidade o aflige só de trazer à mente.

Minha hipótese é simples: decisões motivadas pela sensação de ausência de opção, necessidade e urgência, raramente são por liberdade; enquanto que movimentos que levam o selo "Eu poderia tranquilamente fazer outra coisa" são frequentemente iniciados de modo livre.

miranda_july_hallway_print_6

Não é um teste fácil de se fazer.

Você está lá prestes a pedir sua namorada em casamento e aí tenta imaginar se separando dela, seguindo a vida, bem, tranquilo. E então descobre que não está agindo exatamente por liberdade. Como seria pedir em casamento por liberdade?

Você está lá prestes a sair da empresa estressante e aí detecta todas as sensações juntas: urgência, necessidade e ausência de opção. E então descobre que não está agindo exatamente por liberdade. Como seria sair da empresa por liberdade? Será que faríamos algo antes ou faríamos algo diferente, com menos pressa e aflição? Como seria seguir na empresa por liberdade? Será que mudaríamos algo internamente?

Você está lá, certo de que não dá mais, depois dessa traição é o fim, você precisa logo encontrar com ela para ouvir explicações e entender tudo o que ocorreu, detalhe por detalhe, como isso pode acontecer. E então descobre que não está agindo exatamente por liberdade. Como seria seguir a relação por liberdade? Como seria lidar com a situação por liberdade? Como seria terminar o namoro (não a relação, que sempre segue) por liberdade?

Talvez seja por isso que a ação mais sábia e compassiva aumente as possibilidades, nossas e dos outros, aumente o espaço de liberdade, ou, como definiu Heinz von Foerster em seu imperativo ético: "Aja sempre de modo a aumentar o número de escolhas".

Há outros jeitos mais sofisticados de investigar se estamos livres ou não, mas em geral eles são mais exigentes, raising the bar, com um critério de liberdade mais preciso. Por meio deles eu aposto que vamos descobrir que não temos uma mente; é nossa mente que nos têm. E que, sim, é inacreditável, mas, sim, existem métodos de enfim ter uma mente a nosso serviço, a serviço de ações que sejam saudáveis para nós e para os outros, ampliando nossa liberdade e a dos outros, a cada passo.

Seguimos o papo nos comentários. Abração!

Se têm algum interesse em descobrir coletivamente como podemos viver com mais liberdade, deixe seu email aqui: www.olugar.org

Screen Shot 2013-04-18 at 3.30.57 PM

Quer colocar isso em prática?

Para quem está cansado de apenas ler, entender e compartilhar sabedorias que não sabemos como praticar, criamos o lugar: um espaço online para pessoas dispostas a fazer o trabalho (diário, paciente e às vezes sujo) da transformação.

veja como entrar e participar →


publicado em 18 de Abril de 2013, 12:36
Gustavo gitti julho 2015 200

Gustavo Gitti

Professor de TaKeTiNa, colunista da revista Vida Simples, autor do antigo Não2Não1 e coordenador do lugar. Interessado na transformação pelo ritmo e pelo silêncio. No Twitter, no Instagram e no Facebook. Seu site: www.gustavogitti.com


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura