"Conto pra ela que eu tenho uma camisinha no bolso ou não conto? | Do Amor #93

Das grandes bobeiras pequenas que encucam o nosso pensamento

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Não conseguiu tirar a mão de dentro do bolso ao pegar a carteira. Em vez disso, afundou as pontas das sobrancelhas entre os olhos num formato pensativo enquanto, de costas para ela, buscava estrutur linearmente os pensamentos.

Já estavam juntos tinha uns anos, tempo o suficiente para criar hábitos. Quando ela estava querendo, pedia para transar se utilizando de um procedimento não verbal de aproximação: o deslizar das mãos pelo peito dele e o nariz metido entre ombro e pescoço. Quase ronronava até ser puxada para ter o que estava procurando. Era assim que eles se organizaram, silenciosamente, para o doce ritual do sexo.

Naquela noite, chegou mais tarde que de costume, pois havia pegado trânsito ao sair de um treinamento da empresa em que trabalhava, um daqueles dias em que se perde o dia todo escutando palestras que pouco agrega aos reais dilemas do dia a dia da profissão. Pelo menos pôde dar boas risadas de tarde, pois na volta do almoço, ele e os amigos do escritório passaram por uma "blitz" de conscientização do sexo seguro na avenida. Ganharam, cada um deles, uma camisinha ao final da explicação e seguiram para o restante do evento aos gracejos, momento em que homens, para aliviar a vergonha de falar sobre seus próprios pintos e a maneira com que utilizam essas suas ferramentas, fazem piadinhas para desviar a atenção do que de fato importa.

Saíram contando vantagens, atacando um ao outro, rindo e debochando todo mundo de todo mundo.

Ao chegar em casa, finalmente, recebeu a costumeira bitoca de boas-vindas de sua mulher que já havia chegado e estava na cozinha tirando os últimos itens de compras das sacolas plásticas. Ajudou-a a desempacotar e organizar as coisas, cada uma em seu devido lugar. Produtos de limpeza debaixo da pia, secos na dispensa e molhados na geladeira. Nesse enfiar de coisas, foram se esbarrando e se tocando e o calor foi subindo. Entre os beijos, de maneira sussurrada, ela perguntou no ouvido dele se por um acaso ele tinha alguma camisinha pra eles usarem, já que ela havia parado de tomar o remédio conforme conversa que os dois tiveram uns meses antes.

Automaticamente sua memória o lembrou do evento de mais cedo e sua mão se enfiou em um dos bolsos da calça sentindo o volume da embalagem de um preservativo. Se recordou das garotas de uniforme roxo falando sobre os perigos das doenças sexualmente transmissíveis, dos amigos contando groselhas, das risadas e das mãos deles enfiando coisas na sua calça.

Sim. Ele devia ter mais de uma camisinha com ele. Só que a coincidência do fato o intrigou. “Será que ela tá perguntando isso porque sentiu o pacotinho no meu bolso? Faz anos que não usamos camisinha, porque eu haveria de ter uma comigo?”.

Daí seu corpo travou no impasse de afirmar que tinha ou mentir e dizer que, claro, estava sem nada e teria que ir atrás caso quisessem ir para os finalmente. Mas ela poderia já estar sabendo da existência da camisinha e, por mais que a explicação fosse verdadeira, poderia acabar com o clima que estava rolando. Mas a mágica de tirar o preservativo do bolso também acarretaria em questionamentos que, por mais simples de serem respondidos, teriam esse efeito de cortar o clima, fazer começar uma indagação que levaria a uma discussão. Conjecturou as opções, ponderou cada desenrolar, se perdeu em outros pensamentos com as duas mãos apoiadas no encosto da cadeira .

Ela o abraçou por trás, ainda sedenta pela brincadeira, mas não encontrou o que procurava ao abrir o zíper dele. Nada aceso. “Bom, amor, eu acho que vou tomar um banho rapidinho e daí a gente volta de onde paramos. Que acha?”. Ele sentiu parceria na voz dela e concordou. “Claro, amor. Vou estar aqui. Eu prometo”.

Ela foi para o chuveiro e ele se sentou na mesa da cozinha. Meteu de novo as mãos nos bolsos da calça jeans e não achou camisinha alguma. Foi pego pelo susto. E sorriu por ter sido “salvo” pela brochada.

Quem diria.

O Jader tá dando aulas de escrita!

Gente, oi! Jader Pires falando aqui.

Faz uns meses veio um cara me dizer que adorava ler o Do Amor, que achava o jeito que escrevo bem bom, aquela coisa gostosa de se ler de quem te acompanha.

Agradeci, fiquei contente com o afago, e ele me perguntou uma coisa ou duas sobre escrita, sobre maneira de ver as coisas para poder escrever sobre elas. E ele não foi o primeiro a fazer isso. Toda semana pessoas se aproximam pra fazer questionamentos sobre escrita, sobre o jeito que escrevo, como monto meus pensamentos e a estrutura dos textos que escrevo. 

E só sei que, disso, saímos com dez encontro via vídeos marcados. E já estamos no oitavo, terminando esse “curso” particular de escrita e visão para ter ideias de contos e de crônicas. E tá sendo foda!

Conversas profundas, análises, correções, avanços reais. Esta sendo tão legal que resolvi abrir pra mais pessoas!

Quer fazer aulas comigo?

Fechei melhor aqui e estou com um pacote de dez aulas particulares (50 minutos), via vídeo, sobre literatura, escrita, contos e crônicas, Do Amor, teorias é muita prática. Serão cinco aulas de correção, debate e análise dos textos feitos por quem se interessar. A ideia é avançar de fato, sair dessas dez aulas com a noção plena de que tá tudo aí para ser escrito. 

Chega de não ter ideias. Chega de não saber o que fazer com as ideias.

Quer aprender a escrever? Vem falar comigo. Serão dez encontros por R$1.200,00 (mil e duzentos reais), com envio de links, correção de textos, conversas e trocas.

Algumas das coisas que quero passar:

- como apurar o olhar sobre o cotidiano e a vida;
- o que está por trás do texto que estou escrevendo?;
- intenção vale muito;
- visão crítica de textos e de mundo;
- interpretação do próprio texto;
- estrutura de texto: esqueleto, como ter antes o começo, meio e fim, a micro história e a macro história dentro do seu texto;
- a importância visual quando escrevemos;
- como editar o próprio texto.

Interessou? Me chama. Dúvidas? Me chama.

Só me mandar e-mail no jader@jaderpires.com.br, ou me achar nas redes sociais (tem os link tudo aqui na minha assinatura do PapodeHomem).

Beijo!


publicado em 02 de Novembro de 2018, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: