Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

Dá pra comprar roupas estilosas num brechó?

Em tempos de crise, seis peças que valem ser compradas de segunda mão

Existem muitas boas razões para comprar roupa de segunda mão:

  • É mais barato;

  • Evita desperdício;

  • Dá pra encontrar peças vintage mais autênticas do que as suas versões contemporâneas;

  • As chances de algum conhecido possuir a mesma peça são reduzidas.

Com tantos benefícios, a cultura de brechós tem crescido bastante no Brasil. Mas quem já teve a oportunidade de dar uma volta em cidades cosmopolitas de outros países, como Nova Iorque, Londres ou Berlim, sabe que aqui ela ainda está só engatinhando. Isso porque a quantidade de lojas legais disponíveis é limitada, principalmente, pela resistência da demanda brasileira, que tem preconceito com roupas usadas.

Ainda associamos o brechó a uma loja de produtos velhos, puídos, mofados, fora de moda. Estou aqui para dizer que nem sempre isso é verdade e que quem pensa dessa forma pode estar perdendo ótimos negócios.

Nos bons mercados de segunda mão, as peças são cuidadosamente selecionadas e normalmente provêm de um presente que não agradou e não foi trocado, de uma mudança de manequim – ganhando ou perdendo muito peso –, do fato de a pessoa ter cansado de um estilo ou estampa, da necessidade de liberar espaço no armário, da intenção de esquecer uma persona non grata – presentes de ex –, da oportunidade de fazer uma graninha extra ou de um simples ato de desapego. Enfim, motivo não falta para nos desfazermos de peças em bom estado de vez em quando e não há nada de errado em ganhar um dinheiro com isso.

"Então vou comprar tudo em brechó, bro!"

Mas calma aí, fera.

Nem tudo dá pra comprar de segunda mão. Como já disse antes, nem todos os lugares tem uma seleção rigorosa e também não é uma boa ideia sair por aí comprando roupas íntimas usadas, concorda? Por isso, dependendo das suas necessidades, a compra em brechó pode se tornar uma arte.

Complicou? Então, pra facilitar o seu lado, seguem 6 dicas para uma experiência de compra saudável para o seu bolso, seu planeta e seu estilo.

1. Camisetas

"Sério mesmo?"

Os especialistas neste tipo de mercado dizem que as melhores coisas para se comprar em brechós são as mais básicas. Aqueles itens que usamos por décadas e que não saem de moda. Em nossas vidas estamos (ou deveríamos estar) sempre comprando camisetas básicas, já que eventualmente elas mancham, esgarçam ou rasgam e precisamos substituí-las por outras novas. Ou seminovas.  

Os brechós oferecem uma grande variedade de marcas, cores, cortes e tecidos. Se você sabe o seu tamanho em determinada marca, maravilha! Pode até comprar no conforto do lar em lojas online. E mesmo quando estiver na dúvida do tamanho ou do caimento, vale a pena arriscar, pois se algum produto não agradar, a loja é obrigada por lei a arcar com a devolução do produto e devolver o seu dinheiro integralmente. A segurança e o conforto também estão ao seu favor.

2. Calça jeans

O clássico nunca morre

Comprar calça jeans de segunda mão também é um ótimo negócio. Ela nunca saiu de moda desde quando foi inventada e é um dos produtos mais duráveis da indústria da moda. Também possui modelagem e tamanho bem definidos, facilitando o seu garimpo.

E o melhor de tudo: jeans usados já passaram pelo processo de ceder e assentar, então, uma vez que uma calça te serve, não deverá sofrer alterações futuras.

Além disso, um bom jeans pode chegar a preços exorbitantes: de R$ 150 por uma calça comum até mais de R$ 1000 por jeans especiais importados. Experimente procurar calças jeans de segunda mão. Achar aquele que te serve, do jeito que você gosta, é como tirar a sorte grande sem precisar de tanta sorte assim.

3. Jaquetas

"É? Fala mais, fala"

Assim como as calças jeans, as vestimentas mais pesadas do guarda-roupa, como jaquetas e casacos de inverno, também são sempre boas opções para se comprar em brechós por serem feitas de material mais resistente. Especialistas afirmam que tudo se resume à durabilidade, para que haja menos chances do produto estar danificado. E nesse meio, a qualidade não está necessariamente atrelada ao preço.

Se você procura um casaco de inverno, procure em um brechó primeiro. Em muitos casos, vale a pena fazer pequenos ajustes, como uma bainha na manga. Mas também vale considerar ajustes maiores: os homens podem encurtar sobretudos e as mulheres podem adaptar peças infantis em jaquetas cropped ou coletes.

4. Cintos

Só vejo vantagens

Esta é a categoria mais rica e, ainda assim, mais menosprezada dos brechós. Percebendo isso, você nunca mais precisará pagar o preço de um cinto novo. Normalmente há caixas com dezenas de cintos onde você pode encontrar couro de alta qualidade em diferentes tamanhos e modelos.

Ao contrário de sapatos ou bolsas femininas, este é um item menos específico e que acaba não sendo escolhido a dedo. Mas isso não o torna menos especial. Você tem à mão diversas opções de estilos diferentes que podem ser facilmente incorporados na sua rotina diária como um inesperado toque especial.

5. Bolsas

A menina dos olhos dos brechós

As bolsas de designers famosos que custam em média um fígado e um olho da cara, fazem algumas pessoas economizarem com o intuito de adquirir uma e nunca mais precisar de uma bolsa nova. Mas é provável que se enjoe da bolsa 2 anos depois. Aí que entra a revenda.

Diferentemente das roupas, cuja durabilidade é relativamente menor, bolsas tem o valor de revenda maior, por isso sempre há peças disponíveis. A aquisição de uma bolsa de segunda mão continuará sendo um investimento, mas ela se torna mais acessível a quem está mais comprometido com estilo. Esta é uma seção tão interessante que já existem brechós especializados em bolsas e outros artigos de luxo.

6. Roupas de festa

Detalhe pro botãozinho

Vestidos de festa e ternos especiais são comprados normalmente para serem usados pouquíssimas vezes pela maioria das pessoas. Se você calcular o “preço por uso” desses artigos, acaba desistindo da compra e partindo para o aluguel. Contudo, com o preço do aluguel, pode ser que você consiga adquirir o traje em um brechó. Com isso, a venda de roupas de festa em brechós tem aumentado consideravelmente, inclusive de vestidos de noiva. Isso mesmo. A maior loja de roupas usadas dos EUA começou vendendo vestidos de noiva usados online e hoje vale mais de 100 milhões de dólares.

Além disso, sapatos mais sofisticados também são ótimas opções de compra em brechós. Aquele sapato comprado por amor à primeira vista por alguém, mas que depois se mostrou desconfortável demais para seus pés, pode ser o sapato perfeito para você. Com o benefício de já ter cedido e, claro, com um preço muito melhor.

Doe e venda suas coisas

Se passou um ano sem usar, desapega

Doar suas roupas é o ideal, mas é difícil nos desfazer de certas peças quando ainda percebemos nelas um valor alto. Nestes casos, a opção da venda é perfeita. Desta forma, você consegue recuperar uma parte do valor, tornando o desapego mais leve.

Para vender, além dos brechós físicos que compram ou recebem peças em consignação, existem diversas opções de venda online. Você pode escolher entre o estilo faça você mesmo ou, se não tiver a manha ou a paciência de fotografar, publicar, vender bem e enviar seus produtos, também há lojas que fazem esse trabalho por você em troca de uma comissão pela venda. Ou seja, não tem mais desculpas para manter as peças que você não usa mais.


publicado em 11 de Outubro de 2015, 00:00
Index

Rodrigo Cavassoni

Entusiasta de práticas sustentáveis e dono de um brechó online, a Arara.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura