A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Dar cu é bom?

Faz mal? Dá pra gozar? É submissão? Passa doenças? E se sair cocô? A gente responde a todas essas dúvidas sobre o uso sexual do ânus e muito mais nesta reportagem.

Há aproximadamente quatro mil anos, Deus olhou para a Terra e flagrou os habitantes de uma cidade entre o Rio Jordão e o Mar Morto entregues aos prazeres da carne – mais especificamente, do ânus. É o que conta a Bíblia sobre Sodoma e como seu povo teria desaparecido, por volta do ano 1.400 a.C, ao provocar a ira do Senhor com tamanha lascívia. Os sodomitas sumiram, mas, hoje, em pleno século 21, o pecado deles permanece vivo entre nós.

Dar o cu só não é mais tabu do que falar do assunto

Não é para menos. A região anal não foi necessariamente “projetada” para o sexo e, em um país com forte influência religiosa, usar uma parte do corpo pura e simplesmente para o prazer é chocante. “Além de não servir à procriação, a prática é comum nas relações sexuais entre homens, e nós somos muito preconceituosos”, resume a psicóloga e educadora sexual Ana Canosa.

O preconceito com o cu, porém, é proporcional ao nosso fascínio pela região. Recentemente, uma performance artística causou enorme polêmica porque os atores exploravam os ânus uns dos outros em cena. “Isso lá é arte?!”, esbravejaram os mais educados críticos da internet sobre o espetáculo “Macaquinhos”, que foi exibido até na Europa.

O cu, marginalizado, virou estrela

Voltando para a seara do sexo, as prostitutas são quem melhor sabem o quanto a exploração anal é demandada. “Vocês nem imaginam quantos caem de boca pra cavucar e esfregar com a língua o furico, muitas vezes sem nenhuma preocupação em perguntar da limpeza antes”, conta a travesti Amara Moira, no livro “E se eu fosse puta” (Hoo Editora), lançado este ano.

Pintura de Banksy

Hipocrisia

Se, na prática, o cu tem seu lugar cativo, no discurso, não é bem assim. Itor Finotelli, presidente da Sociedade Brasileira de Estudos em Sexualidade Humana, comenta o quanto somos hipócritas em relação a sexo. “Veja a pornografia, por exemplo. Nos EUA, há pesquisas mostrando que as pessoas, ao mesmo tempo em que usufruem do pornô, reprovam seu consumo.”

No caso do sexo anal heterossexual, estudos recentes mostram que há mais abertura para a prática, embora não seja possível ter certeza se as pessoas estão fazendo mais ou apenas falando mais sobre o assunto. Segundo o Kinsey, importante instituto de pesquisa do comportamento sexual, entre os anos de 1938 e 1963, menos de 10% dos homens héteros relatavam curtir a experiência. Em 2002, um estudo nacional norte-americano revelou que esse índice havia saltado para 34%.

Entre as brasileiras, uma pesquisa publicada em novembro na Revista de Sexualidade Humana apontou que 85% se declaram abertas ao sexo anal. Trata-se de uma amostra restrita: as 186 entrevistadas tinham boa escolaridade e acesso à internet, mas, ainda assim, o levantamento indica que talvez mais mulheres estejam dispostas a experimentar sensações pelo cu.

“O problema é que, para a maioria de nós, o sexo anal ainda é para ‘dar de presente’, e não visto como uma potencial fonte de prazer”, afirma Nathalia Ziemkiewicz, jornalista pós-graduada em educação sexual e idealizadora do site Pimentaria. Ela acrescenta que muitas acreditam que dar o cu é um hábito de meninas “fáceis” e “vagabundas”.

Comer cu é poder

Instalação “Project for a Door” da artista Anthea Hamilton.

A noção pejorativa da prática tem raízes históricas. Em muitas passagens de guerra, soldados praticavam estupros coletivos dessa forma, fazendo com que a penetração anal se tornasse associada unicamente à dor e à submissão. “Ao ouvir ‘sexo anal’, ninguém pensa em carícias e beijos, muito menos entre duas mulheres. É um abstrato distorcido”, diz Finotelli.

O imaginário masculino também se alimenta dessa noção. Para um homem hétero, é relativamente fácil obter sexo vaginal com a parceira, já o anal é mais difícil (justamente por conta das amarras morais) e, portanto, mais “valoroso”.

“O cu é o novo hímen”, comenta Nathalia.

Para completar a mítica que envolve o ânus, existe ainda a influência de preconceitos de gênero nos discursos sobre o assunto. De acordo com o senso comum brasileiro, se um homem pratica sexo anal com sua parceira, ele é o herói. Já a mulher que decide explorar essa possibilidade é a vagabunda. “Na superfície social, o homem percebe isso de forma compulsória, do tipo ‘se ela quiser praticar, já topei’. O mesmo não acontece na perspectiva feminina: se uma mulher menciona o sexo anal, significa que há algo de errado com ela”, compara Finotelli.

E, infelizmente, isso parece não estar mudando com as novas gerações. Gabriela*, 34 anos, que namorou um rapaz oito anos mais jovem, ficou impressionada com o machismo dos amigos do então parceiro. “Em uma ocasião, eles discutiam sobre como a mulher que dava de primeira não prestava. Meu ex, então, disse que eu não só havia dado de primeira, como havia dado o cu. Foi uma baita exposição, mas, ao mesmo tempo, foi massa, porque quebrou esse argumento sem noção logo de cara”, conta.

Link do Youtube

Questão de saúde

Para completar, existe uma enorme carência de informações sobre todos os aspectos envolvidos na prática. A reportagem ouviu 14 mulheres sobre o tema; dessas, apenas três tinham o costume de trocar ideias sobre sexo anal com amigas. “Uma das minhas melhores amigas sempre ficou impressionada que eu fizesse sexo anal. Ela achava super estranho e ficava incomodada que isso ocorresse de forma natural nas minhas relações”, relata Fernanda*, 42 anos.

Levando o assunto para a área médica, tampouco há esclarecimento. Se as mulheres procuram o ginecologista no início da vida sexual, dificilmente procurarão um proctologista caso queiram experimentar o sexo anal e não saibam como começar. E, de fato, a prática do sexo anal exige cuidados. Na arte abaixo, levantamos os principais deles – e desmascaramos aqueles que são apenas mito também.

“Com princípios básicos necessários para qualquer ato sexual e anuência de ambos os parceiros, os riscos são minimizados”, garante a presidente da Sociedade Brasileira de Coloproctologia, Maria Cristina Sartor.

No caso das mulheres trans, isso pode ser ainda mais delicado. A travesti Luísa Marilac conta que, enquanto trabalhava como prostituta na Europa, fazia uma consulta geral com um profissional que olhava tudo que fosse necessário, considerando que ela era uma profissional do sexo: ânus, pênis, seios e região próxima às axilas eram contemplados. “Ainda não fui atrás disso desde que voltei para o Brasil, mas lá era completo”, elogia.

Mas, e se acontece um “acidente sujo”? 

A possibilidade de sair um pouco de fezes durante o sexo anal é real e, talvez, seja um dos principais fatores que impedem o relaxamento das mulheres. Atualmente, existem uma série de dispositivos vendidos em farmácias e sex shops que ajudam a “limpar” o canal do reto (tecnicamente, isso se chama enema, popularmente, “fazer a xuca”).

O uso desses recursos pode deixar a mulher mais tranquila, mas é impossível – e nem seria recomendado, segundo Maria Cristina – fazer uma limpeza completa (e vamos combinar: quem não sabe brincar não deve descer para o play). Assim, o melhor mesmo é conversar com o parceiro sobre essa possibilidade.

“Já aconteceu comigo e eu fiquei bastante constrangida da primeira vez. Mas eu e meu namorado conversamos e ele me fez entender que isso era natural, que ele não tinha nojo, então, eu também não deveria ter”, conta Lívia*, 23 anos. A questão da confiança no parceiro, aliás, foi mencionada por todas as ouvidas nesta reportagem. “Dar o cu é bem gostoso, mas pode machucar, então, é bom saber que o cara vai parar se você pedir”, comenta Larissa*, 29 anos.

Jogo de sedução

Na hora do vamos ver, só faz sentido se a mulher também tirar proveito da prática, se permitindo explorar novas sensações e usufruir de sua autonomia no sexo. “Há mulheres que se sentem ‘putas’ quando fazem sexo anal, entrando no papel daquela que faz tudo na cama. Isso pode ser interessante, desde que ela sinta prazer nesse jogo”, recomenda a psicóloga Ana Canosa.

Para algumas mulheres, no entanto, o papel de submissa é indissociável do ato. E tudo bem: não quer, não faz. E o parceiro TEM que entender. “Eu não gosto da coisa da dominação, nem como role playing. Uma vez, um parceiro tentou me colocar nessa posição durante o sexo anal e eu brochei na hora”, lembra Sílvia*, 42 anos.

"Assim como são diversas as mulheres, são diversos seus desejos. Então, para obter prazer no sexo anal a palavra-chave é experimentação."

Como começar?

Obviamente, há dicas para quem pretende se iniciar. A primeira delas é não começar, literalmente, com tudo. Pedir para o parceiro explorar a região com a língua, por exemplo, ajuda a descobrir como o corpo reage às sensações.

“Um dia, sexo oral expandido; outro, a ponta de um dedo; no outro, o dedo inteiro e por aí vai”, orienta Nathalia. “Sempre com lubrificante, porque o ânus não tem lubrificação natural e o atrito da penetração (mesmo de um dedo) pode causar microfissuras”, ressalta. E ela acrescenta que cuspe não basta: é ralo e seca logo.

Uma outra dica é conciliar a exploração anal com estímulos do clitóris, com os dedos ou mesmo com um mini vibrador (minivibrador só no clítoris, heim? No ânus pode machucar!). Embora seja possível chegar ao orgasmo apenas dando o cu, as massagens na outra zona erógena ajudam a relaxar e entrar no clima.

Quem consegue usufruir garante: vale a pena. “Dar o cu é uma libertação sexual. A mulher que consegue se liberou de muitas amarras. A gente ainda vê isso como uma coisa de puta, vagabunda, e na verdade não é. É um prazer que você pode ter, se você quiser”, diz Ingrid*, 33 anos.

Sejam felizes, dando (ou não) o cu.

***

Nota do editor: O PdH republica, mensalmente, conteúdo elaborado pela Revista AzMina. Ela é online, gratuita e disponibiliza um jornalismo independente, com foco em redes sociais e interação constante com as leitoras e leitores. 

Os principais propósitos do PapoDeHomem ao trazer esse tipo de conteúdo são aproximar homens e mulheres de assuntos comuns a ambos, furar bolhas e amplificar debates. 

Vem com a gente? ;-)


publicado em 13 de Janeiro de 2017, 00:00
Logo azm redondo

AzMina

A Revista AzMina é uma publicação online e gratuita para mulheres de A a Z. Nela, há jornalismo investigativo acessível, de qualidade e sem rabo preso com anunciantes. Nossa missão é usar o jornalismo e a educação para combater a desigualdade de gênero e a violência contra as mulheres.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura