De quando a gente passa usar uma camisa nova

Uma crônica sobre a observação do mundo ao seu redor quando estas a usar uma roupa novinha em folha

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Voltei a usar camisas. Depois de um período de fadiga após anos de banco, vi com bons olhos a retomada do colarinho e dos botões, agora fazendo valer as minhas ambições de elegância, e não mais os protocolos de compostura e recato de um funcionário da casa de dinheiros.

Fui até a loja e comprei uma que nem de longe recordaria quaisquer das funções corporativas, mas o oposto, uma engomada bonita e florida, vinho com motivos douradinhos, estilosa, provocante, vistosa. Experimentei, mandei ajustar, fui buscá-la depois de uns dias e estava no jeitinho para ser vestida e usada. Rumei com minha nova camisa para o trabalho e recebi elogios. Bonita, ficou bem em mim, eu devia usar mais dessas. Tudo muito bom e tudo muito bem.

No dia seguinte eu era de novo um comum. Camiseta e bermuda, o escritorzinho que todos estão acostumados a conviver. Nenhuma congratulação, zero expectativa para tal e outro dia se passou, como todos aqueles que já perdemos. Feliz de não fazer parte da realeza que vive de congratulações e hosanas. Outros dias viriam com a mesma normalidade, eu gostando bastante das minhas combinações vestuárias, mas sem nenhum apetrecho novo que causasse a quebra do que é tranquilo, do comum. Até que, na semana seguinte, lá estava eu, de novo com a mesma camisa.

Novas análises, mais qualidades positivas associadas à peça que, consequentemente, respingavam em mim. Bonitão, chique, refinado. “O Jader só vem com essa camiseta pra deixar a gente com inveja”, ouvi. E aí me chamou a atenção, não a graçola, mas o fato de tanta atenção chamar o mesmo adereço, a mesma danada camisa. Ela não é, acreditem, fora do comum, tão aconchegada no meu corpo a ponto de merecer estudos e nem tem gola ou estampa assinadas, diferenciadas. Não sou eu que fico garboso quando me enfio na lindeza dela, nada disso. A questão está na exclusividade que ela tem no meu guarda-roupas.

Se eu aparecer com outra camisa no dia seguinte, no mês próximo, provavelmente ganharei mais gracejos e bons comentários. Alternando as duas, já começa a dar resultado, ambas perdendo, gradativamente, o caráter especial. Com três na gaveta, cinco, uma em cada dia da semana, rapidinho e acaba a festa, termina o pagode.

É tipo o amor, mas podendo escolher o tecido.

Obs.: este artigo foi originalmente publicado no Medium do autor.

O livro Do Amor está à venda!

Gente, finalmente o livro Do Amor está pronto e no jeitinho pra ser vendido! Quer um? Me chama no Instagram (@jaderpires) ou manda e-mail pra jader@jaderpires.com.br pra eu te enviar um exemplar com dedicatória bem bonita e tudo.

Beijo!

Assine a Meio-Fio, a newsletter do Jader Pires

Pessoal, saiu hoje mais uma Meio-Fio, minha newsletter semanal com contos e crônicas, mais um monte de coisa boa, recomendações e links que vou pegar por aí. 

Sempre às sextas, vai chegar quentinho no seu e-mail. Basta se cadastrar com nome e e-mail aqui.


publicado em 22 de Setembro de 2017, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: