Do orgasmo

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

A cada nova alvorada eu fico mais certo de que não é fácil ser homem.

Sempre aproveito muito bem as conversas que tenho com amigas; dessa forma, tento aprender um pouquinho sobre as quase indecifráveis mulheres. Dia desses, uma delas revelou uma lembrança: ela conhecera, quando mais jovem, um sujeito que parecia o Moraes Moreira e cantava em uma banda. E ela se sentia atraída por ele. Sim, ela se sentia atraída por um cara parecido com o Moraes Moreira.

Moraes Moreira, astro da música brasileira
Ron Jeremy, astro da indústria trash pornô norte-americana. Muito parecido com o Moraes Moreira.

(Pausa de um minuto para você processar a última frase. Para ajudar, lembre-se da atração que muitas mulheres sentem por caras que tocam em bandas.)

Em uma de suas apresentações, o bonitão se jogou sobre cacos de vidro, fazendo com que minha amiga quase tivesse um orgasmo ali mesmo.

É aí que entra minha incapacidade de entender as mulheres: como elas podem quase ter um orgasmo com um cara que é parecido com o Moraes Moreira e, pequeno agravante, está todo cortado? Os homens normais (ou seja, os que não se parecem com o festivo trovador baiano nem têm atração por objetos lancinantes) precisam se esforçar horrores, ler revista feminina em consultório médico, arrancar segredos de amigas e muito mais para aprender a levar uma mulher ao orgasmo. É um trabalho e tanto - que vale a pena, óbvio -, e é difícil acreditar que existem atalhos tão mais fáceis.

Mas devo dizer que eu acharia muito estranho (e brochante) uma mulher pedir que eu me atirasse sobre estilhaços de vidro.

Carlos E. Bonini nos surpreendeu ao enviar esse texto sugerindo publicação na Papo de Homem. Como gostamos muito, tá aí pra vocês lerem também. E aproveitem para visitar o blog dele, "Da Misoginia",sobre a dor e delícia de ser homem.


publicado em 06 de Maio de 2007, 08:05
0cb6f1dd72f0be14bc4084808ed992a7?s=130

Carlos E. Bonini

Carlos E. Bonini ainda não nos disse nada sobre ele. Sim, também estamos curiosos.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: