Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

E se eu estiver errada?

Minhas certezas não estão automaticamente certas.

Nenhuma pessoa pode estar certa o tempo todo. Racionalmente, portanto, sei que estou errada em muitos das minhas certezas.

Se penso no meu eu-de-dez-anos-atrás, posso facilmente listar várias certezas equivocadas dessa pessoa que agora me parece tão distante.

Por outro lado, hoje, vivo imersa na segurança das minhas certezas, tão lógicas, tão abalizadas, tão autoevidentes! (Afinal, se não achasse que minhas opiniões estão certas, elas automaticamente deixariam de ser minhas opiniões.)

Entretanto, apesar dessa minha imensa segurança nas minhas certezas, a não ser que eu queira sinceramente me colocar na insustentável posição de única pessoa do mundo que jamais está errada, eu tenho que presumir que muitas das minhas certezas atuais são equivocadas.

Daqui a dez anos, se eu ainda estiver viva, quais serão as falsas certezas que verei no eu-de-hoje?

* * *

Vivo cercada de pessoas que (acho que) estão autodestruindo suas vidas diante dos meus olhos: amigas apaixonadas por namorados canalhas, amigos sem talento sonhando ser artistas, parentes insistindo no negócio fracassado.

Essas opiniões sobre as vidas alheias surgem dentro de mim com extraordinária clareza, quase verdades divinamente reveladas:

"Como pode ela não enxergar que esse namorado é abusivo?! Como pode ele não ver que esse negócio está comendo suas economias e vai falir de qualquer jeito? É tão claro, tão óbvio, tão autoevidente!"

Então, decido interferir. Afinal, essas pessoas — ofuscadas por seu amor romântico, por seus sonhos de estrelato, por seus desejos de liberdade — não sabem o que estão fazendo. Ainda bem que eu sei: eu vejo a verdadeira verdade que elas não veem. E vou falar!

Mas... e se eu estiver errada?

E se minha amiga entender mais do seu relacionamento, dos seus sentimentos, de suas necessidades... do que eu? Ese meu amigo entender mais dos seus sonhos e de suas expectativas em relação à arte... do que eu? E se meu parente entender mais de seu mercado, de seu negócio, de quanto pode investir... do que eu?

Afinal, se observo a vida dessas pessoas e considero que estão fazendo tudo errado... quantas pessoas não observam a minha vida e consideram que eu estou fazendo tudo errado?

Se não dou a elas o direito de interferir na minha vida, por que eu teria o direito de interferir na vida dessas outras pessoas?

* * *

Quando decidi ficar no Brasil, ao invés de estudar nos Estados Unidos, a consultora vocacional da minha escola disse que eu estava jogando a minha vida fora.

Décadas depois, quando decidi largar o meu doutorado nos Estados Unidos e voltar para o Brasil, minha orientadora disse que nunca soube de ninguém que fez isso e não se arrependeu amargamente.

A consultora vocacional era uma norte-americana, morando no Brasil há um ano, dedicada a colocar as pessoas alunas da minha escola no máximo possível de universidades nos Estados Unidos: era compreensível que enxergasse nosso país como um deserto educacional e que ficasse mortificada que uma aluna que considerava promissora escolhesse estudar em uma universidade de terceiro mundo que ela nunca tinha ouvido falar, ao invés de em uma universidade norte-americana famosa em todo o mundo.

Minha orientadora no doutorado era uma pessoa que dedicara toda a sua vida e todos os seus esforços ao meio acadêmico, para formar-se doutora e para formar novos doutores: era natural que considerasse que uma carreira bem-sucedida no meio acadêmico fosse superior a uma carreira bem-sucedida em outras áreas. Além disso, conheço muita gente para quem abandonar o doutorado foi a melhor decisão que tomaram, mas, por uma falácia de amostragem, suponho que as ex-doutorandas que ainda mantém contato com suas ex-orientadoras sejam desproporcionalmente as arrependidas, em oposição à ex-doutorandas cujas vidas foram em outras direções, que estão se realizando em outras áreas e, assim, perderam o contato com as pessoas de suas encarnações acadêmicas.

Eram ambas pessoas boas, que desejavam o melhor para mim, me dando conselhos cheios de boas intenções — e cheios também, como não poderia deixar de ser, de suas próprias expectativas, sonhos, preconceitos.

* * *

Eu me pergunto "e se eu estiver errada?" não como uma justificativa para a inação e para a apatia (afinal, se não posso ter certeza de nada, para que me envolver, para que lutar, para que interferir?) mas como um contrapeso ao narcisismo das minhas ó-tão-firmes certezas.

Por mais firmes que sejam minhas certezas, por mais óbvias que sejam as maneiras pelas quais as outras pessoas estão destruindo suas próprias vidas, ainda assim minhas certezas não estão automaticamente certas.

Sim, pode ser que minha amiga seja uma vítima e que esteja sendo abusada por seu namorado, como me parece tão óbvio, tão simples, tão autoevidente.

Mas... pode ser que ela esteja vivendo o relacionamento que deseja e que precisa; pode ser que aquilo que eu vejo como problemas para ela não sejam; pode ser que sejam problemas que ela considera toleráveis em troca de vantagens que não vejo e não tenho como julgar.

Também pode ser que eu esteja projetando no namoro dela a relação abusiva que eu vivi e da qual demorei anos para me livrar; pode ser que eu esteja sendo influenciada pela memória de todas as minhas amigas que viveram relações de fato abusivas; pode ser que eu esteja querendo redimir minha culpa por não ter interferido em outras relações abusivas que acompanhei e não fiz nada.

Afinal, apesar da irresistível força das minhas autoevidentes certezas, se minha amiga e eu temos opiniões diferentes sobre a vida dela, por que a minha opinião estaria automaticamente certa?

* * *

Não estou afirmando que as pessoas sempre sabem melhor de suas próprias vidas do que as outras. De fato, o oposto provavelmente é verdadeiro.

Somos péssimas juízas de nós mesmas: além de autoindulgentes, levamos excessivamente em conta nossas intenções. Já as outras pessoas têm a enorme vantagem de nos analisar somente por nossas ações.

No meu dia-a-dia, nas interações cotidianas com as pessoas, me vêm à mente dezenas de respostas ácidas, comentários grosseiros, patadas engraçadinhas, e eu, pessoa autocontrolada e bem educada que sou, censuro quasetodas antes de serem ditas. Então, antes de dormir, olhando para trás e pensando em todas as grosserias que, ao custo de muito esforço, não verbalizei, eu penso, satisfeita comigo mesma:

"Hoje, consegui não ser uma pessoa rude."

Mas a palavra-chave é quase.

Uma ex-namorada, que andou comigo para cima e para baixo por anos e me conhecia muito bem, se dizia às vezes envergonhada pela minha rudeza. De início, esse comentário me horrorizava, eu me sentia uma pobre injustiçada:

"Rude, eu?! Depois de tanto trabalho que tive o dia todo?! Depois de não xingar o cara que me cortou no trânsito?! Depois de não brigar com a garçonete que me sujou de café?!"

Mas minha ex-namorada, ao contrário de mim, não tinha acesso às dez grosserias filtradas pela minha autocensura naquele dia, mas somente às duas patadas que eu não tinha conseguido segurar. Para ela, portanto, eu não era a pessoa autocontrolada e bem-educada que se abstivera de verbalizar dez grosserias. (Toma um biscoito, você merece!) Pelo contrário, eu era a pessoa rude que, em um único dia, dera duas patadas grosseiras em gente que não merecia.

Não importa se passei décadas e décadas todos os dias nunca matando ninguém: basta passar alguns poucos segundo matando alguém e sou uma assassina.

O que importa é o que a gente faz.

* * *

Será que a outra pessoa está destruindo mesmo sua vida ou não? Se estiver destruindo sua vida, até que ponto ela tem esse direito e tenho que respeitar, e até que ponto tenho o direito e obrigação de interferir? Onde termina a omissão e começa a invasão?

Essas são questões que encaramos todos os dias, tanto em nossas relações humanas, quanto em nossas relações diplomáticas. Cada vez que estoura uma guerra civil ou acontece um massacre genocida, a comunidade internacional enfrenta o mesmo dilema moral que qualquer pessoa diante do relacionamento abusivo de uma amiga.

A resposta nunca é fácil, nunca é simples. Quem acha que é, provavelmente está se enganando.

Ou vai ver estou errada.

* * *

Para evitar o narcisismo autocongratulatório das certezas indulgentes que tenho sobre mim mesma ("não sou uma pessoa rude") e para evitar a interferência invasiva das certezas que tenho sobre outras pessoas ("ela está destruindo sua vida, tenho que fazer alguma coisa"), a melhor solução que encontrei foi sempre me perguntar:

"E se eu estiver errada?"

* * *

Exercer a não-opinião e cultivar o não-conhecimento são dois dos mais importantes exercícios de empatia.

prisão verdade desenvolve mais a fundo alguns dos temas tratados nesse texto.

Para chamar atenção para o sexismo da nossa língua, esse texto usa o feminino como gênero neutro. A explicação completa está aqui.

Os próximos encontros "as prisões" serão realizados na cidade de São Paulo (25 de setembro) e em Curitiba (2 de outubro). No encontro, são realizadas, entre outras atividades, a Caminhada do Privilégio. Para mais detalhes, veja aqui

caminhada do privilégio, um vídeo.

* * *

assine a newsletter do alex castro

assine a newsletter do alex castro

 


publicado em 29 de Agosto de 2016, 19:01
File

Alex Castro

alex castro é. por enquanto. em breve, nem isso. // esse é um texto de ficção. // veja minha vídeo-biografia, me siga no facebook, assine minha newsletter.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura