A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Eles bebem, cheiram, fumam e gravam tudo para o YouTube

E ainda são bancados pelo governo.

Pegue um assunto polêmico, junte com a maior rede de compartilhamento de vídeos da internet, amarre essas duas coisas a um financiamento governamental e pronto, está criada a DrugsLab! 

Bancado pela BNN, uma emissora pública Holandesa, o canal está no ar desde o ano passado e já ultrapassa os 9 milhões de visualizações. A proposta é que três jovens, Rens Polman, Nellie Benner e Bastiaan Rosman, experimentem drogas de acordo com a indicação do público. As reações são gravadas para mostrar todos os efeitos que as substâncias possam causar, e eles descrevem o canal como um espaço de educação, no qual a experimentação estaria sendo feita em nome da ciência.

Link do YouTube 

Nessa vídeo, testando ecstasy, eles expõem vários aspectos a respeito de como Rens Polman reage, mostram a temperatura corporal, batimentos cardíacos, além de explicarem os efeitos de alguns hormônios ativados.

É claro que algumas coisas precisam ser levadas em conta antes de construir avaliações sobre o canal, sejam elas positivas ou negativas, como o fato de que o consumo de drogas consideradas "leves" é permitido em locais especializados da Holanda. Esse ponto, por si só, já afeta a maneira de se interpretar as realidades e entender o assunto, já que estamos em um país que pouco avançou nesse aspecto. 

Todo mundo já ouviu aquele discurso de "A droga XYZ é a porta de entrada para drogas mais pesadas", né?! Esse é justamente um dos pontos mais comentados em torno do tal DrugsLab. Por um lado eles se propõem a construir um ambiente de experimentação e educação, e são defendidos por quem concorda com esse discurso. Por outro, a bandeira de que esse modelo de conscientização incentiva o consumo das substâncias é largamente levantada por parte das pessoas. 

Saindo da dualidade de pensamentos, o que talvez seja consenso é justamente o fator positivo dessa falta de alinhamento nas opiniões. Por que esse tipo de embate gera insumos argumentativos que fazem avançar o debate e, por consequência (pelo menos é o que se espera), as medidas práticas em relação à política de drogas

Aliás, aqui tem uns links de vídeos e textos (inclusive do próprio PdH) que podem ajudar se você ainda não tem uma opinião bem formada sobre assunto (e bate aqui!).

- As drogas devem ser legalizadas?, Professor Dr. Henrique Carneiro

- "Tenho um amigo viciado em drogas" | ID 

- Um pequeno case sobre o comércio legal da maconha

- Guerra contra as drogas nas Filipinas avança a um ritmo de mil mortos por mês

***

Se sentir uma bolha (em relação à esse assunto eu confesso que me sinto em uma), fique à vontade para indicar mais fontes, compartilhar sua opinião sobre o canal DrugsLab ou me contar sobre a sua experiência. Vem!


publicado em 01 de Fevereiro de 2017, 00:00
Foto jpg

Carol Rocha

Leonina não praticante. Produziu a série Nossa História Invisível , é uma das idealizadoras do Papo de Mulher, coleciona memes no Facebook e horas perdidas no Instagram. Faz parte da equipe de conteúdo do Papo de Homem, odeia azeitona e adora lugares com sinuca (mesmo sem saber jogar).


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura