Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Em busca da breja perfeita

Quem já não deixou a namorada em casa, juntou a rapaziada de fé e se lançou numa viagem só pra curtir o lugar, beber e rachar de rir? Esses caras fizeram isso. O destino da viagem? Europa.

O fato ocorreu em 2004. O grupo percorreu 11 países do Velho Mundo durante 30 dias com uma única meta: encontrar a cerveja perfeita. Afinal, no longínquo ano de 2004, o Ronaldinho Gaúcho ainda era ídolo em Barcelona, a preocupação do Brasil estava em "quem matou Lineu"? na novela Celebridadese  não existia a enxurrada de cervejas importadas e artesanais brasileiras que hoje – graças ao bom Deus – invade as gôndolas de supermercados e empórios.

O grupo, assim que chegou, começou a experimentar as mais diferentes cervejas. E, literalmente, babaram pela qualidade dos produtos. As brejas eram muito mais saborosas, diga-se, do que as brazucas do boteco. Foi ali também que os caras sentiram a imensa diversidade de estilos existentes. A velha Pilsen do bar da esquina é apenas um tipo entre cerca de 120 estilos de cerveja, um mais diferente que o outro.

Só os fortes sobrevivem a busca ao cálice sagrado

Logo no início da trip, um dos amigos resolveu anotar os rótulos consumidos. Foram mais de uma centena no total. As notas eram divididas entre zero a cinco a cada um deles. Já no Braisl, a rapaziada decidiu criar uma planilha com as informações das brejas. Outros amigos logo quiseram ter acesso ao documento. Foi quando a trupe resolveu criar um site simples para disponibilizá-la para download. Por acaso, sem nenhuma pretensão, nascia ali o site Brejas, no início com duas páginas somente: o botão de download da famigerada planilha e um blog com degustações e notícias cervejeiras.

Mais gente ficou sabendo da lista e os acessos ao site se multiplicaram. Só havia duas alternativas: investir no brejas ou deixá-lo ter seu minuto de fama. A primeira alternativa foi a escolhida, mas encampada por apenas dois dos sete fundadores “brejeiros”: O publicitário Ricardo Sangion e o advogado Mauricio Beltramelli, até hoje sócios do empreendimento.

A grande virada do brejas aconteceu só em 2008. A dupla conseguiu fazer funcionar um ranking de cervejas no qual todo mundo poderia se cadastrar e dar notas e comentários sobre o que estava bebendo. Tudo acontecia na época certa, já que as cervejas importadas e artesanais nacionais começaram a aparecer com toda força no mercado, gerando cada vez mais interesse.

O site cresceu em funcionalidades. Há dicas de melhores cervejas, quiz, guias cervejeiros, troca de mensagens entre aficionados e muito mais. Em 2010 o Brejas quase dobrou de tamanho, com quase 1 milhão de visitantes, um prodígio de audiência para um site direcionado.

Brejas: praticamente uma Delta-Larousse da cerveja

Os  “confrades” administradores ainda aprofundaram-se no assunto cervejeiro. Mauricio Beltramelli, por exemplo, é hoje uma referência quando se fala em cerveja. O cara é formado Sommelier de Cervejas na Alemanha e Mestre em Estilos de Cerveja nos Estados Unidos e corre o país conferindo concorridas palestras sobre o tema.

Se eles já encontraram a “cerveja perfeita” que buscavam naquela viagem europeia de 2004? “Nem queremos achá-la, porque ela não existe. E o mais importante é o caminho, não a chegada” diz, enigmático, Ricardo Sangion.


publicado em 16 de Junho de 2011, 08:49
Bd716d002487225c7e614d908880c1c7?s=130

Ricardo Sangion

Confrade, pontepretano, sócio do site Brejas e homem sem pressa para encontrar a cerveja perfeita.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura