Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Em "Uhuuu!", Cidadão Instigado traz mais estranheza ao pop

Eu até me atrevo a dizer que Cidadão Instigado não é só o nome da banda, mas também característica inerente de quem escuta a sonoridade e divagações simpáticas do grupo chefiado pelo guitarrista cearense Fernando Catatau. A última provocação havia sido com o elogiado Método-Túfo de Experiências (de 2005) e, depois de quatro anos, o instigado volta a instigar.

Resolvi então afirmar que o ouvinte desse novo álbum também recebe a alcunha da banda pelo fato de que Uhuuu! (terceiro e novo disco do grupo) é um trabalho que se assemelha bastante ao Método-Túfo..., mas é completamente diferente (mesmo a obra já despertando curiosidade por si só).

As inquietações estão lá, assim como a objetividade no dizer dos pensamentos.

Fernando Catatau devaneia e conversa consigo mesmo o tempo todo. As viagens do Cidadão Instigado são um tanto quanto solitárias, mas sempre tratando de sentimentos universais como o amor, o tédio, o medo, a fé – o que torna todos os pensamentos palpáveis e compartilhados.

cidadao-instigado

Os arranjos áticos também estão presentes, mas com leveza e perceptível luminosidade, identificadas logo na interjeição que dá nome ao álbum. Trata-se de um arrematado de onze faixas que dão a mesma cara ao Cidadão, mas agora com uma feição mais animosa.

Canções mais soltas e dançantes como em “Contando Estrelas”, “Escolher Pra Quê” e “Como as Luzes” (ouça logo abaixo) vão esparramando batidas que lembram a disco music, sintetizadores que parecem sair de fundo naquele "radinho" de pilha da empregada e sopros garridos (na fofura “Ovelhinhas” e na eloquente “Deus é uma Viagem”) que se encaixam curiosamente bem na forma não-convencional de cantar de Catatau.

"Como as Luzes"

"Escolher pra quê"

Sua voz tem um timbre discordante que se acentua com o jeito quase falado de cantar, porém, funciona muito bem em conjunto com a instrumentação (veja como exemplo a melodia vocal em “O Nada”) que consegue fazer encontrar o brega setentista brasileiro com a psicodelia do rock dos anos 60.

Melodias diretas com guitarras amalucadas e a junção da estranheza com o pop formam a originalidade notável de um cidadão instigado em busca do mais que a atual pasteurização formulada de algumas grandes bandas.


publicado em 19 de Setembro de 2009, 08:36
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura