Este cara vem sendo considerado o melhor chefe do mundo, só porque fez o certo

Ao obter sucesso e remuneração por isso, ele resolveu compartilhar com todos os funcionários

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

Em meados de maio de 2015, o turco Nedim Nahmias estava uma pilha de nervos. De acordo com rumores do mercado, a companhia em que trabalhava, Yemeksepeti — de delivery online — seria vendida para um grande grupo alemão. E Nahmias tinha motivos para se preocupar, pois já acumulava dez anos de empresa — começara como atendente de call center e chegou a um cargo executivo.

A transação acabou se confirmando. Mas Nahmias e os outros 113 colaboradores da Yemeksepeti nem chegaram perto de prever o que aconteceria a seguir: cada um recebeu em média um bônus de US$ 237 mil (R$ 740 mil) após a venda. Ao todo, foram distribuídos US$ 27 milhões entre a equipe, e Nahmias foi da insegurança à emoção sincera: “Este bônus transformou a vida de muitos de nós”, afirmou à CNN Money.

E ele sabia do que falava. O bônus foi cerca de 150 vezes o salário médio pago aos profissionais.

O melhor chefe do mundo?

Nevzat Aydin, o CEO da Wemeksepeti

A iniciativa veio de Nevzat Aydin, o CEO da Wemeksepeti. Aliás, uma iniciativa movida pela livre e espontânea vontade de reconhecer o esforço dos funcionários na construção da empresa. De acordo com Aydin, a companhia não tinha nenhuma obrigação contratual que impusesse a recompensa após a aquisição por parte da gigante alemã Delivery Hero. O valor da operação foi de US$ 590 milhões.

Quando questionado sobre os motivos da decisão, Aydin foi enfático: “Se houve sucesso, nós o conquistamos juntos”. E vai além: “A história de sucesso da Yemeksepeti não aconteceu da noite para o dia e muita gente participou dessa jornada com seu trabalho duro e seu talento”, complementa no mesmo artigo da CNN Money.

De fato, a história foi construída aos poucos. Desde 2000, quando Aydin montou a startup com apenas 50 mil euros ao lado de três colegas, levando-a ao posto de maior provedora de serviços de entrega online do país. E o gesto foi reconhecido como inédito, o primeiro entre as empresas turcas.

Gritos, lágrimas e cartas

O próprio Aydin relata a reação de seus colaboradores, invariavelmente comovida: “Alguns funcionários gritaram, outros escreveram cartas de agradecimento”, conta. “Houve emoções fortes, porque você mexe com a vida das pessoas. Elas podem comprar carros, até casas”, completa o CEO, que permaneceu na gestão da Yemeksepeti após a aquisição pelos alemães.

O pagamento de dividendos em empresas fora do mercado financeiro não é inédito, sem dúvida. Mas dar a colaboradores de salários relativamente modestos quantias que superam a média de Wall Street é extremamente raro. Aliás, Aydin já está até preparado para a fúria dos líderes de outras empresas por ter dado um “mau exemplo”: “Certamente vão nos odiar”, conta, bem-humorado.

Mas Aydin sabe que, com a iniciativa, quebrou paradigmas. Tudo porque sabe, também, que ninguém é bem-sucedido sozinho. “O sucesso de empresas como Delivery Hero e Yemeksepeti é baseado em culturas organizacionais maravilhosas, em que pessoas sensacionais sempre estão dispostas a ir além pelo negócio”.

***

Nota da Edição: Este texto é fruto da parceria de conteúdo entre o PapodeHomem e a Endeavor Brasil. Desde julho, estamos republicando quinzenalmente às terças-feiras artigos sobre trabalho e negócios que interessem ao nosso público com a assinatura do portal com mais autoridades no assunto no país. O artigo de hoje é pode ser lido originalmente aqui.


publicado em 03 de Outubro de 2017, 00:05
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: