Leva 5 minutos. Participe de nossa pesquisa nacional sobre as questões e desafios dos homens brasileiros — os dados serão 100% públicos. Já tivemos mais de 10.000 respostas, mas precisamos de mais pessoas do Norte, Centro-Oeste e Nordeste do país, nos ajudam a chegar nelas?

Existe isso de descobrir um propósito de vida? | Mentoria PdH #41

"Gosto de algumas dessas atividades e, às vezes, volto a fazê-las. Mas nada dura, eu sempre perco a empolgação e paro."

"Olá a todos!

Queria a ajuda de vocês para descobrir um caminho a seguir. Ou, pelo menos, um caminho melhor.

Meu nome é Rodrigo, tenho 32 anos, sou casado e professor da área de computação.

Sinto que preciso definir um propósito para minha vida, às vezes me sinto como se só deixasse as coisas acontecerem, o tempo passar, sem maiores direções ou sentidos.

Às vezes tenho dificuldades para sair da cama porque não tenho muita vontade ou motivação para fazer nada.

Já tive um período também onde comecei muita coisas (musculação, natação, boxe, andar de bicicleta, estudar novas coisas, ler, etc), mas nunca levei nada por muito tempo - aquela história de muita iniciativa e pouca 'terminativa'.

Gosto de algumas dessas atividades e, às vezes, volto a fazê-las. Mas nada dura, eu sempre perco a empolgação e paro.

Queria saber com vocês: é possível chegar a um propósito de vida? Existe mesmo isso? Como definir esse caminho que muitos falam?

—Rodrigo"

Complemento sobre o assunto:

1. Vídeo do Frederico Mattos: Vazio existencial e propósito de vida

Link Youtube

2. Artigo do Alberto Brandão: Vencer na vida não existe

Como responder e ajudar no Mentoria PdH (leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

Rodrigo, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

 

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 22 de Abril de 2019, 17:48
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura