Fomos ao BMW Jazz Festival (tem shows hoje e de graça no domingo!)

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

É sempre uma delícia ir ao BMW Jazz Festival. De verdade. Poucos artistas se apresentando por noite e todos muito, mas muito certeiros na proposta de música incrivelmente de qualidade. Ontem eu fui ao HSBC Brasil -- mesmo com o trânsito absurdo por conta dos protestos contra o aumento da passagem de ônibus -- e o que eu vi foi isso:

Noite de progressão musical

O grande esquema de ir a um show de jazz (ou vários shows de jazz) é saber entrar no embalo da coisa, penetrar mesmo no som de quem está tocando, fazer uma imersão pra entender o tema, pegar os improvisos, subestimar o músico que está se apresentando e estar (bem) preparado pra ser surpreendido com os golpes de notas tortas que ele (ou ela) pode te dar. Estando de bem com essa premissa de entrar justamente pra perder é que dá o gosto da coisa, é a surpresa grata que te joga no meio da catarse.

Ontem ocorreu uma progressão sonora em três consertos que, como a definição já aponta, foram ficando mais e mais poderosas e deliciosas.

James Farm esquenta a noite

james-farm
frontman

Um quarteto de jazz formado em 2009. Novinho de tudo, mas quente que só. Um saxofone, um piano, baixo e bateria, todos na pegada mais tradiça do jazz, mas mandando um som quentíssimo pra começar a noite. Um baterista insano e o , o saxofonista Joshua Redman, ensandecido que, entre um improviso e outro, dava aqueles berros de satisfação do jazzista quando sabe que fez a coisa certa, que esquentou do jeito certo.

Esperanza Spalding é linda

esperanza-spalding

Figurinha querida nos festivais de jazz aqui no Brasil, a baixista americana que fala português e sente um amor enorme (compartilhado com o autor que escreve esse artigo) pelo Milton Nascimento (que estava na plateia) levou ao palco onze músicos que formavam uma parede de 6 metais, 2 vozes, bateria, guitarra e piano.

Foi um show doce e intenso. Ela sabe preencher o palco e fazer seu som se abrir mais, seja com a voz extremamente competente -- no que vai direto ao ponto e quando improvisa acompanhando as notas do baixo) -- ou tocando seu instrumento de forma exemplar. Esperanza improvisava quase sussurrando quando explodem os metais por trás.

Egberto Gismonti faz o que sempre fez: elevou

egberto-gismonti

O apresentador entra com um sorriso de orelha a orelha pra apresentar a última atração da noite:

"[...] e ele, a pessoa que mais sabe se divertir com música, Eguiberto Gismonti!"

O mestre da música brasileira levou ao palco a Orquestra Corações Futuristas, um grupo de 21 jovens que rapidamente transformaram tudo em Brasil. Baixo, piano, sopros, percussão, bateria.

Um sacolejo fino.

Egberto regia a orquestra e a música brasileira tomava conta de verdade, chacoalhava o HSBC Brasil todo. Foi um show de pé na terra, mato an bunda, vento na cara, Brasil na pele rasgada pela síncope única do nosso som. Foi sertão, foi floresta, mundão do jeito que o mundão vier. Egberto comandava tudo, sentou-se ao piano e humilhou toda a plateia nessa minha ideia de subestimar o que ele poderia fazer.

Não se subestima um músico desses.

Ainda tem BMW Jazz Festival!

O festival de jazz tem mais uma noite, hoje, só com essa programação aqui:


  • Brad Mehldau Trio

  • Johnathan Blake Quintet

  • Joe Lovano & Dave Douglas Quintet: Sound Prints

  • Featuring: Lawrence Fields, Linda Oh and Matt Wilson

E de graça no Ibirapuera!


  • Show gratuito no parque do Ibirapuera.

Plateia externa - show ao ar livre

Auditório Ibirapuera

Domingo, 9 de junho, à partir das 17h

Av. Pedro Álvares Cabral, s/n - Portão 2 - Parque Ibirapuera

Só aparecer.


publicado em 08 de Junho de 2013, 09:24
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: