Futurama e a ciência da comédia

Para entender um pouco mais do valor dessa série que faz muita falta

Todo mundo conhece Matt Groening pelo seu trabalho com os Simpsons. E não é por menos, afinal, não é qualquer um que consegue emplacar uma série continuamente renovada por quase 30 anos, quebrando o recorde de tempo de exibição de ícones culturais como os Flintstones por uma larga margem. 

Porém, um pouco menos conhecida, existe uma outra criação de Matt Groening, em parceria com David X. Cohen, que é tida como a sua verdadeira obra prima, apesar de todo o sucesso e longevidade de sua série mais conhecida.

Futurama, ainda que tenha tido uma exibição inconsistente, com alguns cancelamentos e retornos pela Cartoon Network americana, reside no coração de muitos fãs, não só como um desenho animado espirituoso como os Simpsons, mas como uma obra de comédia e ficção científica bastante profunda, uma sátira e ao mesmo tempo um retrato futurista do nosso tempo e das nossas neuroses.

Como diz o autor no vídeo aqui embaixo, ele pega tudo o que fez com os Simpsons e aplica em um conceito de ficção científica que consegue ser sagaz, cômico e, ao mesmo tempo, prestar uma bela homenagem ao gênero.

Kaptain Kristian é o canal que fez esse vídeo com uma análise bastante rica, explicando detalhes sobre as abordagens filosóficas e teológicas usadas na estrutura narrativa e nas piadas do seriado.

É só ativar a legenda em português e dar o play.

Link Youtube

O que mais gosto em ficção científica é que, os bons exemplos do gênero não acertam suas previsões, mas sim usam o olhar para o futuro para nos ajudar a ver melhor o presente.


publicado em 14 de Fevereiro de 2017, 00:09
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura