Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

Grand Willy: o favorito a vencer o Rio Open 2017 faz a "jogada de sua vida"

Um ponto maravilhoso e a história por trás de uma das mais famosas e difíceis jogadas do tênis

Dominic Thiem é o oitavo melhor tenista do mundo e grande favorito a levar o caneco do Rio Open 2017 pra casa — já que Nishiroki (quinto do mundo) foi eliminado pelo brasileiro Thomas Belluci na primeira rodada.

Hoje ele venceu o argentino Diego Schwartzman pelas quartas de final do torneio, com direito a winner com um "Grand Willy", segundo ele, a "melhor jogada de sua vida":

Clique na imagem pra assistir o lance

Grand o quê?

Muitos conhecem essa jogada por conta de Roger Federer no US Open 2009, contra Novak Djokovic:

Dê o play em 1:20 pra ir direto no momento do ponto (reparem na empolgação dos narradores)

Mas quem foi registrado a executando pela primeira vez foi o argentino Guillermo Villas (apelidado de Willy), em 1974. Entretanto, o francês Yannick Noah contesta essa versão, afirmando ter sido ele o criador da brincadeira.

Seja como for, pra executar um "Grand Willy" em uma partida profissional há de se ter extrema habilidade e, possivelmente, estar no que psicólogos chamam de estado de fluxo (ou "flow"). O "flow" é um conceito desenvolvido pelo psicólogo húngaro Mihaly Csikszentmihalyi, descrito como um estado de plenitude, onde é possível agir com um desempenho ótimo, sem nem pensar sobre isso. Um sentimento de imersão seguido de êxtase.

É bem capaz que a gente assista a mais atletas em "flow" nas partidas remanescentes do Rio Open. Seguem na disputa os brasileiros Thiago Monteiro (simples) e Bruno Soares (duplas).

Links pra se aprofundar:


publicado em 24 de Fevereiro de 2017, 21:33
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura