A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Hélio Gracie - uma vida dedicada ao Jiu-jitsu

No último dia 29/1, aos 95 anos, nos deixou o grande mestre Helio Gracie, ícone mundial do jiu-jitsu e criador do estilo Brazilian Jiu-jitsu (ou Gracie Jiu-jitsu). A PdH aqui conta um pouco da história deste que foi um dos primeiros heróis do esporte brasileiro, e de sua importância na difusão do hoje mais do que consagrado do Jiu-Jitsu pelo Brasil e pelo mundo.

Breve história do jiu-jitsu

A arte advém da época de Buda, na Índia. Os monges budistas viajavam muito e eram constantemente saqueados, e então criaram uma forma de defesa. Nascia assim o jiu-jitsu, que significa “arte suave”, e possui três princípios básicos: técnica, alavanca e base. Da Índia, migrou para a China e de lá para o Japão, onde obteve um grande salto e ficou conhecido.

Chegada ao Brasil e a família Gracie

Em 1914, o lutador japonês Mitsuo Maeda veio para o Brasil, mais precisamente Belém, onde conhece Gastão Gracie, que o ajuda a se estabelecer na cidade. Maeda era lutador de judô e discípulo de Jigoro Kano, o criador da luta. As diferenças entre jiu-jitsu, judô e jujutsu (da qual o judô se derivou) à época eram nebulosas, e acredita-se que o jiu-jitsu é derivado do jujutsu. No final das contas, as filosofias eram bem parecidas, e este foi o ponto de separação.

Um dos filhos de Gastão, Carlos Gracie, ao assistir uma demonstração de Maeda, resolveu aprender a luta, e foi “adotado” pelo mestre. Em 1925, a família se muda para o Rio de Janeiro, e Carlos abre uma academia para ensinar a arte. Seu irmão mais novo, o frágil e franzino Hélio, sofria de vertigens e problemas nas articulações, e foi proibido de praticar a arte. Mesmo assim, assistia avidamente a todas as aulas, tornando-se um bom professor teórico em curto período.

Um belo dia, em 1928, Carlos se atrasa para dar uma aula, e Helio se ofereceu para fazê-lo. Quando Carlos finalmente chegou, pediu desculpas aos alunos, estes asseguraram que não havia problema, e solicitaram que o aprendizado com Helio continuasse. Assim, Carlos aceitou e Helio tornava-se instrutor.

Adaptação e as origens do brazilian jiu-jitsu

Não foi fácil o começo de Helio Gracie como instrutor. Ele logo percebeu que os movimentos eram muito mais difíceis de executar do que ele pensava. Além disso, deu-se conta que seu tamanho diminuto e sua compleição física frágil não permitiam a aplicação da força bruta que muitos dos movimentos da luta exigiam.

Então começou a adaptar os movimentos de acordo com seu porte físico, e por tentativa e erro, aprendeu a maximizar a eficiência dos movimentos, através do mínimo de força possível. Usando esses movimentos, lutadores menores e mais fracos ganhariam capacidade de se defender e até derrotar oponentes muitos mais fortes.

Nascia assim o Gracie Jiu-Jitsu.

Quem falou que só se luta jiu-jitsu de kimono?
Quem falou que só se luta jiu-jitsu de kimono?

Carreira de lutador e divulgação do jiu-jitsu

Helio iniciou sua carreira numa luta contra o boxeador Antonio Portugal, em 1932. A luta terminou por submissão, aos 30 segundos, vitória de Helio. No mesmo ano, ele lutou contra o americano Fred Ebert por 14 rounds de 10 minutos, e a luta teve que ser interrompida pela polícia, pois o barulho incomodava os moradores locais. Helio, que estava em desvantagem, foi submetido a uma cirurgia de urgência no dia seguinte.

Isto tudo foi fruto da política agressiva de divulgação da família Gracie, sempre desafiando a todos para mostrar a eficiência da luta.

Ainda em 1932, o lutador Manoel Rufino dos Santos (luta-livre) dizia que mostraria ao mundo que os Gracies não eram de nada. Num encontro no Tijuca Tênis Clube, Helio disse que viera responder ao chamado. Manoel deu-lhe um soco, e Helio levou-no ao chão, com dois ossos do crânio e a clavícula fraturadas, e o sangue espirrando. Foi processado e condenado a dois anos e meio de prisão, e sua apelação foi rejeitada. Porém, horas depois, o presidente Getúlio Vargas mandou solta-lo, provavelmente por intermédio de um amigo pessoal que era aluno de Helio. Getúlio e Helio iriam se encontrar futuramente por diversas vezes, e o filho de Getúlio, Maneco, viria a ser aluno de Helio.

O ano de 1932 também marca a primeira vitória de um ocidental contra um lutador japonês, no caso, de Helio Gracie contra Taro Miyake. Desafiou vários judocas japoneses com regras de submissão, tendo lutado inclusive no estádio do Maracanã e no Ibirapuera.

Derrotas "de fato"

Após inúmeras vitórias e uma reputação consolidada, em 1951, lutou contra Masahiko Kimura, de 38 anos de idade. O japonês venceu, e a melhor descrição do evento foi feita por ele mesmo:

“20000 pessoas foram ver a luta, incluindo o presidente do Brasil. Quando entrei no estádio, vi um caixão. Perguntei o que era, e me disseram que Helio trouxe para mim. Gargalhei. Chegando no ringue, atiravam ovos podres em mim. Quando a luta começou, Helio me agarrou pelo kimono e deu dois golpes, sem efeito algum. Minha vez, Atirei-no ao ar com diversos golpes. Tentei lhe causar uma concussão, mas o piso era muito macio. Continuei atirando-no e pensando num método para finalizar. Estrangulei. Ele tentava respirar, não tinha mais forças, e tentou se soltar estendendo o braço. Ali, apliquei uma chave de braço e tinha certeza que ele desistiria. Não o fez. Então não tive escolha senão continuar torcendo o braço. Ele não desistia. O estádio silenciava, e então o som de osso quebrado ecoou. Mesmo assim, Helio não desistiu. Pelas regras, eu não tinha escolha a não ser continuar torcendo o braço, que estava inútil. Outro osso se quebrou. E ele não desistia. Então jogaram uma toalha e venci por nocaute técnico”.

A tal chave de braço seria batizada de “Kimura”, e atualmente é um golpe do jiu-jitsu.

Outra derrota foi para o seu ex-aluno Valdemar Santana, no final da década de 40. Por muitos conhecido como o combate mais longo da história, lutaram por 3 horas e 45 minutos, quando Helio desmaiou. Ele mesmo dizia: “Não perdi, desmaiei. Como um cara 35kg mais pesado demora tanto tempo para acabar com um galinha morta como eu?”.

Fim de carreira e a Dinastia Gracie

Parou de lutar profissionalmente em 1952, e então dedicou-se a sua academia, na Avenida Rio Branco, até 1981, e após 1985, no Humaitá, onde fica até hoje. Além disso, praticamente todos os seus filhos e descendentes possuem algum elo com o jiu-jitsu e sua divulgação pelo mundo.

Seus filhos Rickson e Royce tornaram-se campeões mundiais de vale tudo, e lendas do esporte, espalhando o jiu-jitsu pelo mundo em caráter definitivo. Os Gracie montaram academias fora do Brasil, com destaque para a de Los Angeles, tocada pelos filhos Rorion, Rolker e Robyn. Isto sem contar os inúmeros sobrinhos, netos, bisnetos... O sobrenome Gracie definitivamente se atrelava ao jiu-jitsu.

Você não precisa de super-poderes pra começar a lutar jiu-jitsu
Você não precisa de super-poderes pra começar a lutar jiu-jitsu

Durante anos, afirmou que a filosofia do jiu-jitsu estava distorcida, que era o anti-jiu-jistu. Talvez por isso a luta tenha ganho a fama de coisa de pitboy. Só aceitava dar aulas para quem considerava fisicamente fraco e que poderia usar a luta como fonte de auto-confiança.

Palavra do mestre

“O Jiu-Jitsu que criei foi para dar chance aos mais fracos enfrentarem os mais pesados e fortes. E fez tanto sucesso, que resolveram fazer um Jiu-Jitsu de competição. Gostaria de deixar claro que sou a favor da prática esportiva e da preparação técnica de qualquer atleta, seja qual for sua especialidade. Além de boa alimentação, controle sexual e da abstenção de hábitos prejudiciais à saude. O problema consiste na criação de um Jiu-Jitsu competitivo com regras, tempo inadequado e que privilegia os mais treinados, fortes e pesados. O objetivo do Jiu-Jitsu é, principalmente, benificiar os mais fracos, que não tendo dotes físicos são inferiorizados. O meu Jiu-Jitsu é uma arte de autodefesa que não aceita certos regulamentos e tempo determinado. Essas são as razões pelas quais não posso, com minha presença, apoiar espetáculos, cujo efeito retrata um anti Jiu-Jitsu.”

Com toda essa riquíssima história iniciada por Carlos e Helio Gracie, não surpreende que o jiu-jitsu hoje é o esporte individual que mais cresce no país: possui cerca de 350 mil praticantes com 1.500 estabelecimentos de ensino somente nas grandes capitais. Os lutadores brasileiros têm grande reputação e o Brazilian jiu-jitsu tornou-se a arte marcial que mais cresce no mundo atualmente.


publicado em 02 de Fevereiro de 2009, 22:01
7375567d0f2c379b7588ce618306ff6c?s=130

Mauricio Garcia

Flamenguista ortodoxo, toca bateria e ama cerveja e mulher (nessa ordem). Nas horas vagas, é médico e o nosso grande Dr. Health.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura