Histórias, novela, corno e bunda | Os textos mais lidos de fevereiro

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

O mês do carnaval sem carnaval. É sempre estranho ver fevereiro -- a época morta do ano--, o período com menos dias e com um dos maiores feriados. Mas não teve carnaval esse ano. O mês não foi nada morto.

Temos os dez textos mais acessados do mês e ainda mais coisas gostosas lá pra baixo:

1. Todo mundo tem uma história pra contar, por Luciano Ribeiro (91,539)

Se a gente parasse pra ouvir ao invés de ficar tão preocupado com nosso próprio ponto de vista, ia ver que, realmente, todo mundo tem uma história pra contar.
Se a gente parasse pra ouvir ao invés de ficar tão preocupado com nosso próprio ponto de vista, ia ver que, realmente, todo mundo tem uma história pra contar.

2. Por que você não deve assistir à nova novela, por Walmar Andrade (44,096)

Você sabe que a Helena vai comer o pão que o diabo amassou por alguns meses, vai ficar um tempo com um, um tempo com outro, e no final se arrumará com aquele com o qual o público mais simpatizar. Ao outro galã restará alguma outra mulher que ganhará importância durante a história.
Você sabe que a Helena vai comer o pão que o diabo amassou por alguns meses, vai ficar um tempo com um, um tempo com outro, e no final se arrumará com aquele com o qual o público mais simpatizar. Ao outro galã restará alguma outra mulher que ganhará importância durante a história.

3. [+18] Paolo Eleuteri Serpieri e porque gostamos tanto de bunda | Mulheres e Nanquim, por Victor Lisboa (35,681)

Este era para ser um texto sobre o desenhista Paolo Eleuteri Serpieri, mas não vai dar. Não vai dar porque, entre o tema e a realidade, entre o mote e a inspiração, nesse caso, está algo mais. Algo, digamos assim, intrometido. O que seria?
Este era para ser um texto sobre o desenhista Paolo Eleuteri Serpieri, mas não vai dar. Não vai dar porque, entre o tema e a realidade, entre o mote e a inspiração, nesse caso, está algo mais. Algo, digamos assim, intrometido. O que seria?

4. Sobre Scarlett Johansson e mulheres perfeitas, por Jader Pires (34,207)

Mas a pequena Scarlett é essa aqui. Testa lavada, bolsa nos olhos, maçãs do rosto como as suas — como as minhas — e dentes que não se alinham perfeitamente aos contornos dos lábios. Moleton cinza, aquele apagado, os cabelos sem o esvoaçar da recém saída do cabeleireiro. E ela é linda.
Mas a pequena Scarlett é essa aqui. Testa lavada, bolsa nos olhos, maçãs do rosto como as suas — como as minhas — e dentes que não se alinham perfeitamente aos contornos dos lábios. Moleton cinza, aquele apagado, os cabelos sem o esvoaçar da recém saída do cabeleireiro. E ela é linda.

5. Corno manso | ID #22, por Frederico Mattos (26,785)

O "Ricardão"
O "Ricardão"

6. Em nome do amor, por Miya Tokumitsu (23,519)

“Faça o que você ama” é o mantra do trabalhador atual. Por que devemos reivindicar nossos interesses de classe se, de acordo com elites do FOQVA como Steve Jobs, não existe algo como trabalho?
“Faça o que você ama” é o mantra do trabalhador atual. Por que devemos reivindicar nossos interesses de classe se, de acordo com elites do FOQVA como Steve Jobs, não existe algo como trabalho?

7. Como aproveitar um dia de folga, por Pedro Turambar (14,723)

Eu sei como gostaria de gastar esse dia. Adoraria fazer coisas que nunca fiz antes e acharia fantástico se você fizesse o mesmo. Uma coisa que te dê medo, qualquer coisa que nunca pensou em fazer antes. Algo que, lá no fundo, você sabe que seria marcante na sua própria história.
Eu sei como gostaria de gastar esse dia. Adoraria fazer coisas que nunca fiz antes e acharia fantástico se você fizesse o mesmo. Uma coisa que te dê medo, qualquer coisa que nunca pensou em fazer antes. Algo que, lá no fundo, você sabe que seria marcante na sua própria história.

8. A rotina diária de 13 grandes escritores e o que eles fazem para continuar escrevendo, por Junior Silva (14,703)

Hemingway é responsável por um dos relatos mais interessantes e, com certeza, o mais apaixonado pela literatura:
Hemingway é responsável por um dos relatos mais interessantes e, com certeza, o mais apaixonado pela literatura:

 9. Não gosto de ninguém (ou prepotência “espiritual” niilista) | ID #21, por Frederico Mattos (14,363)

Ao invés de ficar sentado num trono supremo, enviando os infiéis para as fogueiras do seu inferno emocional, poderia simplesmente aprender a arte de gerar companheirismo, ajuda mútua, sabedoria, quebras de preconceitos e exercício de gentilezas.
Ao invés de ficar sentado num trono supremo, enviando os infiéis para as fogueiras do seu inferno emocional, poderia simplesmente aprender a arte de gerar companheirismo, ajuda mútua, sabedoria, quebras de preconceitos e exercício de gentilezas.

10. “E se eu pudesse mudar algo?”, por Filipe Trabbold (11,728)

A intenção do filme é fazer as pessoas questionarem a própria vida, gerar uma reflexão, ainda que breve, sobre o que cada um anda deixando de lado, sobre o real valor daquilo que seguem priorizando.
A intenção do filme é fazer as pessoas questionarem a própria vida, gerar uma reflexão, ainda que breve, sobre o que cada um anda deixando de lado, sobre o real valor daquilo que seguem priorizando.

A escolha do editor | Como fazer feijão sem panela de pressão

O legal é que para comer um bom feijão, você não vai à um lugar chique ou famoso. Lugares assim nem servem arroz e feijão e, mesmo que servissem, acredito que não chegariam aos pés do feijão que se come num bom PF de boteco ou daquele que se come em casa.
O legal é que para comer um bom feijão, você não vai à um lugar chique ou famoso. Lugares assim nem servem arroz e feijão e, mesmo que servissem, acredito que não chegariam aos pés do feijão que se come num bom PF de boteco ou daquele que se come em casa.

E como foi fevereiro para você?

Podem dizer de peito aberto. O que fizemos de bom e/ou interessante em fevereiro? Onde erramos feio? Queremos saber as delícias e dores de nos ler.

Queremos ler sua opinião. Coloque qual foi o texto mais legal e o menos interessante, com as devidas considerações.

Nos vemos lá embaixo.


publicado em 04 de Março de 2014, 07:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: