Hoje o carro ficou na garagem

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

O automóvel é o totem da sociedade moderna. Desde o século passado, nos organizamos em torno das quatro rodas que podem significar diversas coisas, desde potência sexual até opção de moradia.

A importância do carro é tão marcante que seus métodos de produção tornaram-se casos acadêmicos, como o Fordismo e Toyotismo. A cada novo modelo lançado, o carro vai se institucionalizando e conformando a vida das pessoas em outros sentidos além do mero deslocamento e transporte.

Ouvi dezenas de mulheres que escolhem um pretendente a partir da propriedade ou não de um veículo. Quanto mais invocado o carro, maior o interesse da moça. Da mesma forma, alguns rapazes mensuram a masculinidade um do outro por meio da gravidade do ronco do seu motor.

Thiago Kiwi fazendo sua parte lá na Inglaterra.

No Brasil, o consórcio de Juscelino Kubitschek e as auto montadoras rendeu o financiamento da construção de Brasília. O então presidente deu como garantia o privilégio do transporte sobre rodas sobre outros métodos, como ferrovia e hidrovia. O Brasil iria se integrar pelo asfalto.

Pois bem, esse compromisso hoje cobra seu preço. O frete rodoviário no Brasil encarece ainda mais o produto final para os consumidores distantes dos grandes centros produtores. A omissão estatal nas rodovias federais, além de complicar as trocas internas, também é responsável pela ceifação de vidas. Não bastando, não se tem outra alternativa de transporte: ou é rodoviário ou é rodoviário.

E o caos nas cidades?

E os rachas da molecada?

E a poluição gerada pelo número cada vez maior de veículos circulando?

Danilo Scorzoni aproveitando o combustível que seria gasto de todo jeito.

Reflexões como essas, além da preocupação ambiental, levaram a criação do Dia Mundial Sem Carro. A data é uma iniciativa global da World Carfree Network (www.worldcarfree.net), que tem como objetivo fazer com que as pessoas reflitam sobre outras maneiras de se deslocar e se relacionar como um todo. A fundação também possui propostas para reaproveitamento de espaços urbanos degradados.

No entanto, a figura do carro é só a cereja do bolo, a ponta do iceberg. Será que somos humanos piores por causa de nosso transporte? Ou a nossa natureza humana corrompeu também a nossa forma de se deslocar?

O dia 22 de Setembro é uma boa data para se pensar nisso. E também para agir, cada um ao seu modo, como fizeram o Danilo e o Thiago, os caras aí das fotos.

Para finalizar, sugiro duas ótimas leituras:


publicado em 22 de Setembro de 2010, 18:53
378a6d83dad728530ba98c300a775df3?s=130

Flaco Marques

Rapaz do interior de SP que vive suas desventuras na cidade grande. Poliglota valente, busca equilibrar o jeito cosmopolita de ser com a simplicidade caipira de viver.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: