Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Estudo sugere que homens de hoje produzem menos da metade dos espermatozóides do que 40 anos atrás

Estudo analisou 43.000 homens e dá a entender que a infertilidade masculina pode se tornar um problema comum no futuro. Será?

Muito ouve-se falar sobre fatores que podem diminuir a qualidade e concentração de espermatozóides.

O fato de homens cuidarem pouco da própria saúde (de acordo com nossa pesquisa, 8 em cada 10 se enquadram nessa situação), modernidades como telefone no bolso, sobrepeso, DST's, idade, álcool e cigarro são apenas algumas das causas já discutidas por pesquisas realizadas em diversos países.

Faltava um levantamento mais amplo, em várias nações, para indicar de forma mais precisa qual é o tamanho do problema. Não falta mais.

Um novo estudo analisou amostras de 43.000 homens em diversos países industrializados ao longo de décadas e descobriu que, de fato, a contagem de espermatozóides caiu por mais da metade em aproximadamente quatro décadas. A análise chegou a uma queda média de 52,4% na concentração de espermatozóides e uma queda de 59,3% na contagem total de espermatozóides no período de 39 anos.

A boa notícia é que, por enquanto, a infertilidade ainda não é um problema generalizado. O nível mais baixo na concentração de espermatozóides deve, no máximo, tornar mais difícil a gravidez para alguns casais. O principal problema, no entanto, é que não há sinal de redução na queda — o que dá a entender que a infertilidade masculina pode sim se tornar um problema comum no futuro.

Tá sozinho, amigo?

"Acho que deveríamos levar isso bem a sério", diz Shanna Swan, epidemiologista reprodutiva na Escola de Medicina Icahn do Monte Sinai, também em Nova Iorque. Ela ajudou a conduzir o estudo que saiu na publicação Human Reproduction Update. Segundo ela, esse é um alerta necessário.

"Uma vez que esse é o melhor estudo já feito, é preocupante que ele sugira uma diminuição tão progressiva e dramática na contagem de espermatozóides ao longo do tempo", diz Peter Schlegel, professor e presidente do conselho de urologia na Weill Cornell Medicine em Nova Iorque. Schlegel é também vice presidente da Sociedade Americana de Medicina Reprodutiva. Ele enfatiza que é preciso mais pesquisa para confirmar as descobertas e determinar possíveis causas. "Como não sabemos o que pode estar causando isso, então é digno de preocupação".

Embora não se saiba exatamente o que pode estar causando tudo isso, há uma variedade de teorias a respeito — como as que elencamos no início desse texto. De acordo com Swan, outro fator a ser observado é a exposição a produtos químicos ainda no útero, o que poderia prejudicar a formação do sistema reprodutivo em homens.

Enquanto a gente espera por um estudo mais conclusivo sobre as causas, não custa ficarmos cada vez mais atentos à nossa saúde e aos males comuns à vida moderna — como o estresse.


publicado em 10 de Agosto de 2017, 00:10
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura