Hospedagem: um playbook para você fazer a escolha certa!

Um guia de como encontrar a hospedagem perfeita para as suas necessidades.

Eu amo viajar! Não é à toa que eu resolvi tirar um tempo para rodar o Brasil e descobrir lugares novos, além de buscar experiências inéditas na minha vida. Mas isso é um outro assunto, hoje vamos falar sobre hospedagem.

A verdade é que em mais de um ano de estrada, aprendi um pouquinho sobre esse item que é muito importante: encontrar a melhor hospedagem possível onde se queira ir. Aliás, isso não é brincadeira, já ouvi relatos de viagens de férias que foram arruinadas por causa de uma péssima experiência com esse item.

Parece até estranho soar que esse detalhe pode influenciar tanto assim, mas conheci muita gente que amou lugares que não tem nada demais e odiou lugares fantásticos, justamente porque a experiência com a hospedagem foi boa em um e péssima em outro.

Obviamente que isso não é uma regra, mas temos que concordar que é algo a se ter um cuidado especial, não é mesmo?

O meu estilo de viagem tende a ser um pouco mais mochileiro, mais independente e livre, me virando e descobrindo as coisas com quase nenhuma expectativa, então para me conquistar nessa questão não é muito difícil. Mas no meio do caminho eu conheci muita gente com estilos de viajar bem diferentes do meu e aprendi muito com eles.

Desde famílias aventureiras que viajam carregando uma criança no colo, passando por grupos de amigos que querem aproveitar as férias. Tem também aqueles que preferem viajar sozinhos por aí para conhecer lugares e gente nova, dentre muitos outros.

Enfim, em muitos momentos eu mesmo tive que flexibilizar o meu estilo para poder me adaptar ao local, que nem sempre contava com hospedagens da minha preferência. Por exemplo, eu tenho preferência por ficar em hostel, mas cheguei a passar por locais que só possuem pousadinhas ou campings. E aí? Como fazer nessas situações?

A minha grande motivação para falar sobre hospedagem e criar esse guia é que acredito que todos (desde viajantes solitários até famílias enormes) possam buscar a melhor hospedagem para a sua viagem de forma independente, basta um pouco de dedicação e cuidado.

Se você está interessado em entender como fazer isso, dá uma olhada nesse passo-a-passo que criei para lhe ajudar:

1. Entenda qual será o seu estilo de viagem

A ideia aqui não é criar rótulos. Porém, é preciso entender o seu estilo de viagem primeiro para poder direcionar quais serão as suas preferências de hospedagem.

Afinal, não adianta querer fazer algo mais rústico se gosta de conforto. Do mesmo jeito, não adianta querer economizar com comida se você gosta de comer bem, provar comidas típicas, visitar restaurantes e por aí vai…

Para ajudar, descrevi abaixo 3 tipos perfis diferentes de viajantes que creio que se aplicam no momento de escolher uma hospedagem. A ideia é que você consiga se identificar com algum deles, ou então possa misturar para entender como direcionar a escolha do melhor local para ficar nessa experiência, conforme as suas necessidades e os seus propósitos quando estiver viajando.

Viajante econômico

Esse é o perfil que eu mais conheci durante o tempo de estrada, até porque na maioria do tempo, tive que colocar em prática hábitos econômicos e isso começa logo pela hospedagem. Estou falando da galera que é mais mochileira, que pretende fazer uma viagem com um custo mais baixo, seja para durar mais ou porque a grana está curta.

Muitos aventureiros também acabam se encaixando nesse perfil, quando seu estilo de viagem não exige muitos gastos, que depende muito do lugar que pretendem explorar. Mas não se engane, esse perfil pode ser mais amplo do que imagina, muitas famílias também optam por fazer viagens econômicas para poder aproveitar bem as suas férias.

Para esse tipo de viajante, a preferência por hospedagens sempre será a mais barata, sem se importar muito com privacidade e conforto em excesso. Ter algumas facilidades a seu alcance também é importante, tal como cozinha, lavanderia, além de mercados e restaurantes mais baratos na região.

Na maioria dos casos, a ideia é utilizar a hospedagem somente para dormir, cozinhar e lavar roupa, já que o que importa é sair, conhecer o local, bater perna por aí e se meter nos passeios e experiências que o destino oferece.

Então, para esse viajante praticamente qualquer tipo de hospedagem serve, camping, hostel, airbnb, pousadas e até algumas noites fazendo couchsurfing já está de bom tamanho. O importante é o custo-benefício.

Conforto em primeiro lugar

Conforto é muito bom e para quem gosta nunca será demais. Pois bem, muitos prezam por ter um conforto em primeiro lugar na sua viagem. São os viajantes que buscam relaxar, aproveitar o lugar de forma diferente da sua rotina do dia a dia.

Assim como no primeiro perfil, é possível encontrar aqui também desde pessoas que viajam sozinhas, entre amigos e até com a família.  O público é bem variado, temos pessoas que também podem gostar de aventuras, até aquelas mais baladeiras.

O que importa para esse tipo de viajante é que quando chegar o momento de descanso, ele saberá que poderá contar com todo o conforto e facilidade que a hospedagem pode oferecer, desde ter mais privacidade, mais recursos de atendimento, tal como um ar condicionado, um café da manhã variado e outros serviços que, provavelmente, pousadas e hotéis podem oferecer (ou até mesmo um airbnb).

Não necessariamente é preciso ter muito dinheiro para viajar dessa maneira, mas boa parte do seu orçamento de viagem está dedicado para esse item.

Dinheiro não é problema

Também há os viajantes em que dinheiro não é problema. Para eles, a tendência é a busca do melhor tipo de hospedagem conforme a sua vontade, visto que gastar demais não vai comprometer os custos da viagem como um todo.

Independente se é uma viagem de férias, a trabalho ou a longo prazo, ele pode ficar sempre no que preferir para aquele momento, desde um hostel para interagir mais facilmente com outros viajantes, até os hotéis mais luxuosos para contar com um serviço de qualidade.

Obviamente que você pode assumir um estilo para cada viagem ou misturar mais de um deles. Eu mesmo, apesar de sempre prezar pela economia, em alguns momentos tive que buscar mais conforto, seja por peculiaridades do local ou por estar em um momento que exigia isso.

O importante é que você consiga definir as suas prioridades em relação a sua viagem para escolher a melhor opção mais para frente, nos próximos passos.

2. Defina o quanto poderá gastar

Agora que você já refletiu sobre o estilo de viagem que quer fazer, ficará muito mais fácil  entender como ele pode se encaixar no seu orçamento.

A partir desse momento, você começará entender o quanto poderá gastar com esse item, colocando um limite e, assim, analisar quais serão as opções disponíveis dentro desse valor estabelecido.

Por exemplo, se você definiu que gastará R$500 com hospedagem para uma viagem de 5 dias, saberá que tem no máximo R$100 por dia. Pode até parecer besteira, mas isso ajudará muito a direcionar melhor a sua pesquisa, tendo em vista os tipos de hospedagens que podem lhe agradar mais. Vou falar melhor sobre eles nos próximos passos.

É importante que você seja coerente nesse momento, se você definiu o seu perfil mais próximo do viajante econômico, não poderá comprometer mais do que 30% do seu dinheiro com a hospedagem, por exemplo.

Também é importante lembrar que uma viagem não é feita só de hospedagem e refletir o quanto você quer abrir mão de outros componentes em prol dela, principalmente se o seu destino é um lugar em que há muitas opções de entretenimento e passeios.

A ideia aqui é que você comece a pensar e tente chegar em um ponto de equilíbrio para estabelecer esse valor, ajudando a sua viagem se tornar completa.

3. Faça uma análise da localização

O hotel é lindo, só a localização que é meio longe da cidade ;)

Antes de começar a procurar por qualquer tipo de hospedagem, a minha sugestão é fazer uma pesquisa completa sobre as melhores localizações e as alternativas para as cidades que pretende visitar.

Muitas vezes, as hospedagens com os preços mais baratos podem estar longe dos pontos turísticos, do centro, das praias, etc. Ou seja, é bem provável que você tenha gastos com deslocamento caso decida se hospedar por lá.

Então, coloque na ponta do lápis também se aqueles reais a mais que podem ser gastos com uma hospedagem um pouco mais cara não vão fazer você economizar em outros itens.

Por exemplo, uma pousadinha pode ser R$ 10 mais cara que outra, mas está perto dos locais que você quer conhecer, bem como restaurantes e mercados, fazendo com que não precise gastar nem um real a mais com um ônibus, Uber ou um táxi.

Há também os casos em que a cidade em si se tornou cara, por ser um lugar muito visado e badalado. Porém, pode ser que por perto você tenha a disposição outras cidades com opçôes de hospedagem por um preço mais em conta, sendo que o deslocamento entre elas é algo barato e muito fácil. Então, nesse caso vale a pena ficar um pouco mais afastado.

Lembrando que analisar localização também é válido para a questão da segurança. Infelizmente, há existem lugares mais inseguros que outros e, geralmente, as opções são mais baratas. Tome cuidado, pois as chances de acontecer algo pior são grandes e, nesses casos, o barato pode sair bem caro!

4. Conheça os tipos de hospedagem

Pois bem, agora que você já definiu orçamento, entendeu melhor sobre a localização e também sabe um pouco mais sobre o estilo de viagem que quer fazer, chegou a hora de entender quais os tipos de hospedagens que pode escolher.

Vou fazer uma breve lista aqui das que eu conheci, sendo que tive a oportunidade de me hospedar na maioria delas:

Couchsurfing

Não é bem disso que a gente tá falando

Uma das redes sociais mais interessantes que existem no mundo é o Couchsurfing. A proposta dela é simples: Conectar anfitriões e viajantes para a troca de experiências. Na prática é uma hospedagem solidária, ou seja, eu estou viajando para um lugar, solicito um cantinho na casa de um anfitrião e se ele me aceitar vou para lá e fico no seu sofá, rede, quarto de hóspedes, na acomodação que ele pode me oferecer

Sim, eu já conheci muita gente que utiliza esse recurso para se hospedar nas suas viagens de férias, tanto no Brasil, quanto na Europa, onde a prática é bem mais comum. É uma ótima maneira de economizar uma grana e ter uma experiência diferente no sentido de conhecer o lugar e as  pessoas.

Esse tipo de hospedagem se encaixa melhor com quem tem o perfil mais econômico e preze por trocar experiências.

É importante saber que a pessoa vai estar abrindo o seu lar para você, então tenha em mente que isso não é nenhum hotel 5 estrelas, então procure não abusar da sua boa vontade e procure ajudá-la sempre que possível com os afazeres da casa.

Eu tive a oportunidade de experimentar algumas noites fazendo couchsurfing na minha viagem e a experiência foi incrível!

Camping

Sem dúvida alguma, essa é uma das melhores alternativas para quem é aventureiro ou está com o orçamento baixo. O famoso camping, local onde você pode armar a sua barraca e utilizar como base para dormir.

Em muitos lugares é muito comum encontrar espaços intitulados assim, que pode ser desde um quintalzinho na casa de um morador, até um espaço gigantesco com uma boa estrutura para muitas pessoas se hospedarem e passar o dia por lá, atendendo todas as suas necessidades básicas de viagens, tal como contar com um banheiro, chuveiro e cozinha.

Eu já fiquei alojado em alguns campings que tinham estruturas ótimas. Alguns até oferecem chuveiro com aquecimento a gás e a possibilidade de alugar a barraca, por exemplo.

Redário

Uma das opções que eu conheci viajando pelo nordeste, especialmente em Fortaleza, Piauí e Maranhão é o redário.

A ideia  é a mesma que a do camping, só que ao invés de dormir em uma barraca, você vai dormir na rede, que pode ser levada por você ou ser oferecida pelo próprio redário. Alguns deles até oferecem um lençol para o viajante se cobrir a noite.

Eu particularmente  gostei muito de dormir em redes, teve uma época que até estava acostumado e era a minha preferência! O preço do redário está entre o camping e o hostel,  é considerado como uma hospedagem de baixo custo.

Hostel

O hostel é uma das hospedagens que vem se tornando cada vez mais popular no Brasil. Ele atende principalmente os viajantes econômicos ou então aqueles que implesmente querem conhecer gente nova.

Basicamente o que faz o modelo do hostel ser mais barato que as hospedagens convencionais é o compartilhamento dos espaços. Ou seja, em um deles, você vai dormir em quartos com 4, 6, 8 e até mais do que 10 camas. Os banheiro e as cozinhas também são compartilhados, o bom é que é possível economizar com alimentação também preparando as suas próprias refeições.

O mais legal do hostel é a possibilidade de conhecer gente nova do Brasil e mundo todo. É a opção mais recomendada para quem pretende viajar sozinho.

Airbnb

Uma das opções mais recentes e mais incríveis de hospedagem é o Airbnb, que é uma plataforma focada em facilitar o contato entre quem busca e quem oferece acomodações. O grande atrativo é poder alugar por dias ou semanas casas inteiras ou quartos na casa das pessoas que moram nos locais a serem visitados.

Ou seja, se eu tenho uma casa de veraneio na praia mas não uso ela frequentemente, posso colocá-la para alugar e qualquer viajante pode alugá-la por 1 ou mais dias, pagando o valor estabelecido pela diária da casa. Isso também vale para quem mora em uma cidade e quer alugar um quarto vago para ajudar a pagar no aluguel, por exemplo.

O fato é que um Airbnb pode ser bem mais em conta que outras hospedagens e com um conforto maior, muitas vezes sai até mais barato que um hostel. Apesar de ter uma proposta diferente, a plataforma conta com um sistema de avaliação entre ambas as partes: O hóspede e o proprietário.

Pousadas e Hotéis

As pousadas e os hotéis são os mais conhecidos e geralmente oferecem um serviço completo de hospedagem com café da manhã, serviço de quarto, translado, assistência com passeios, dentre outras regalias.

Muitas delas possui uma grande área de lazer para a família e as crianças brincarem. São as opções mais indicadas para quem está viajando em família ou em casal, por questões de privacidade e também por ser possível aproveitar as férias com uma boa estrutura de acomodação.

Se compararmos com os outros tipos que apresentamos acima, o preço dessas acomodações costumam ser mais elevados..

E então? Conseguiu definir qual opção escolher? O importante aqui é conseguir casar o estilo de viagem junto com o orçamento disponível para a hospedagem. Não existe certo nem errado, é uma questão de reflexão e decisão, sendo que você pode escolher mais de uma possibilidade.

5. Entenda o custo-benefício de cada opção

Pois bem, se você leu as 4 dicas anteriores já tem insumos suficientes para entender qual opção pode lhe oferecer um custo-benefício melhor para a sua viagem.

Vou compartilhar uma situação que aconteceu comigo: Eu já cheguei a optar por um Airbnb porque estava mais barato que um hostel, por exemplo. Além disso, o momento da viagem era de me reservar um pouco mais. Foi uma ótima experiência e ainda consegui economizar.

Pode ser também que dependendo do lugar somente os hostels trabalhem com a faixa de preço que você está disposto a pagar, pois a localização conta somente com pousadas bem mais caras. Então, dependendo do caso, vale a pena abrir mão da privacidade e ficar em um hostel, por exemplo.

Outro fator a ser analisado também são os diferenciais do serviço oferecido. Se uma pousada custa apenas R$5 a mais por dia que outra, mas oferece um café da manhã mais completo, você pode refletir se não vale a pena desembolsar esse valor a mais para ter uma refeição melhor.

A infraestrutura oferecida pelo local também é algo a se atentar, verificando se ela atende as necessidades da sua viagem. Se um viajante gosta de usufruir de uma piscina, então mesmo que pague um pouco mais caro, as opções que oferecem esse recursos podem lhe deixar mais feliz. Entendeu?

Mais uma vez a questão da localização também pode entrar nessa avaliação. Veja o quão fácil será se hospedar em um lugar com mais opções de lazer, mesmo pagando um pouco mais caro e vice-versa.

6. Faça a reserva

Pois bem, ao escolher o local para se hospedar, finalmente chegou o momento de fazer a reserva, é mais simples do que você imagina.

O mais comum é optar por um site de reservas, tal como o Booking. Neles, a reserva é feita pelo próprio site, basta escolher as datas de hospedagem, número de pessoas e acomodação escolhida. Verifique a disponibilidade e é só seguir as orientações do site.

Lembre-se que se você está viajando com crianças, é preciso indicar isso na reserva também, visto que alguns locais não aceitam menores de 18 anos por questões de não oferecer uma infraestrutura e um ambiente que atendam as suas necessidades. Para não errar nessa questão, no momento de solicitar a reserva selecione corretamente o número de adultos e o de crianças.

Depois disso, basta verificar o seu e-mail com as instruções para confirmar a reserva. Muitos locais pedem um sinal de 50% para questões de confirmação. Fique atento também com a Política de cancelamento de reservas da acomodação que reservou.

Há outras maneiras de fazer a reserva também. Uma delas é encontrando o estabelecimento nas redes sociais, onde você poderá fazer a reserva falando diretamente com eles, o que gera um atendimento mais personalizado. Eu mesmo já fiz algumas reservas pelo Facebook ou pelo Whatsapp.

Mas preste atenção, reservando a acomodação dessa maneira não oferece garantias que os sites de hospedagens oferecem. Enfim, eu nunca tive problema com isso, mas pode acontecer e é bom estar ciente disso.

Por fim, saiba que é possível também chegar diretamente na porta do local e solicitar a acomodação no ato. Isso não é bem reservar, mas é uma opção que você pode fazer também. Afinal, muitas vezes o estabelecimento pode guardar algumas vagas para pessoas que chegam dessa maneira.

Fazer isso combina mais com os viajantes econômicos e que procuram um local barato para ficar. Se optar por agir assim, apenas verifique se a data escolhida não está próxima de um feriado ou alta temporada, caso positivo as chances de não terem vagas é enorme, então a melhor opção é reservar com antecedência mesmo.

7. Chore aquele descontinho

Um dos grandes segredos sobre conseguir uma boa hospedagem é que sempre será possível chorar um descontinho. Afinal, você não está perdendo nada, o pior que pode acontecer é não ter sucesso nessa questão.

Há várias possibilidades nesse sentido, principalmente se o valor a ser pago é considerável, seja por reservar um grande número de dias, ou então por estar com uma quantidade grande de pessoas.

Combinar a estadia diretamente com o estabelecimento também pode ser uma boa, pois não há a intermediação de nenhum site de reservas, que cobram uma taxa pelo serviço. Eu sempre preferi combinar diretamente com o estabelecimento, seja no Whatsapp ou chegando na porta, porque sabia dessa possibilidade.

Saiba também que vários sites de reserva e o próprio Airbnb oferecem alguns cupons de desconto que podem ser utilizados com essa finalidade também. Além disso, pagar com dinheiro ou depósito em conta também dá margem para pedir um desconto, visto que os cartões de crédito também cobram taxa.

8. Cuidado com as ciladas

É sempre bom ter cuidado com as ciladas. Apesar de raramente eu cair em uma delas ou conhecer alguém que caiu, saiba que elas podem acontecer. Mas não precisa ter medo. Saiba que existem algumas maneiras de reduzir esse risco, vou comentar um pouco mais sobre isso agora.

Uma das coisas mais comuns que podem acontecer é reservar uma acomodação e por algum motivo, principalmente relacionado a desorganização, o local não estar ciente da sua reserva. Nesse cenário, é possível que ocorra um overbooking ou simplesmente não ter ninguém para lhe receber.

Então, procure sempre confirmar essa questão. Saiba que se você recebeu alguma instrução por email para depositar X% do valor para garantir a reserva é um bom sinal, isso mostra que o local está ciente que você fez a reserva, mas para garantir mesmo, procure o telefone do local e não custa nada ligar ou mandar uma mensagem no whatsapp perguntando se tudo está OK.

Certa vez estava eu na região de Paraty com uma amiga e fomos surpreendidos ao chegar em um hostel que não estava esperando por nós, mesmo fazendo a reserva pelo booking. Por sorte conseguimos achar outro na cidade e deu tudo certo no fim das contas. Agora, imagina o estresse que passamos...

Outra cilada que pode acontecer é você ser induzido a se hospedar em uma região ruim. Por isso, é importante fazer uma pesquisa bem específica sobre qualquer dúvida que tenha sobre os locais da cidade, basicamente o que foi dito no passo 3 deste guia.

Me lembro de um colega que conheci durante a viagem que reservou uma pousada em uma cidade do lado da praia que ele queria visitar, no caso, a dona da pousada falou que era perto dessa praia e que ele poderia ir caminhando…

Foi um típico jogo sujo para não perder o cliente, pois na verdade a localização era bem distante dessa praia. Ele precisou caminhar muito tempo em uma região quase que desértica, com muito sol, a sorte é que no meio do caminho ele conseguiu pegar uma carona. É bem provável que se não fosse por isso, ele teria que voltar para trás ou poderia ter pego uma insolação bem feia.

Então, fique atento! Procure sempre garantir a confirmação da reserva da sua hospedagem e esteja bem informado o suficiente para não se enganar em relação a localização.

9. Procure saber o que estão falando sobre…

Outra coisa simples, mas importante, que eu sempre fiz e que me ajudou muito a escolher os locais para me hospedar é consultar o que estão falando sobre eles na internet. Estou falando de verificar as suas avaliações nos sites que possuem esse recurso: Facebook, Tripadvisor, nos sites de reservas, dentre outros.

Saiba que elas são públicas e são ótimas para entender se a escolha feita é um ótimo lugar para se hospedar ou se há algum problema ou reclamação recorrente. Porém, entenda que para que essa análise seja bem feita, o indicado é tomar como base um número relevante de avaliações, tanto as positivas, quanto as negativas.

Feito isso, será possível entender se há um bom atendimento ou alguma falha que pode influenciar sua estadia e sua viagem.

10. Aproveite a sua estadia e seja feliz!

Por fim, se você seguiu todas as dicas anteriores, não tem motivos para a sua hospedagem dar errado. Então, aproveite esse momento para relaxar e curtir as suas férias, o seu mochilão, a sua viagem de negócios, o que quer que seja.

Independente de qualquer falha que possa acontecer, procure relaxar e não deixe que isso prejudique o seu momento de lazer, seja feliz e busque aproveitar ao máximo a sua viagem, faça a sua parte para que ela seja inesquecível!


publicado em 05 de Maio de 2018, 12:00
W1siziisijiwmtgvmduvmdqvmjivndgvmzuvzjmyotm2zmqtmzvlmy00odg1lwflzdetodzjzmm3nwflngnhl21hdghldxmtanbnil0swyjwiiwidgh1bwiilciymdb4mjawiyjdxq

Matheus Boscariol

Nômade, andarilho, descobriu que viajar é uma de suas maiores paixões. Com alma de mochileiro principiante, gosta de conhecer lugares, pessoas e culturas novas, relata suas aventuras e aprendizados no Fazer Aquela Sua Viagem, além das fotos no Instagram. É redator freelancer nas horas vagas.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura