Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Livre do açoite da senzala, preso na miséria da favela

Salve Zumbi dos Palmares, Dandara, André Rebouças, Castro Alves e Chiquinha Gonzaga

“Será que já raiou a liberdade

Ou se foi tudo ilusão

Será, que a lei Áurea tão sonhada

Há tanto tempo assinada

Não foi o fim da escravidão

Hoje dentro da realidade,

onde está a liberdade

Onde está que ninguém viu

Moço não se esqueça que o negro

Também construiu,

as riquezas do nosso Brasil”

O samba enredo de 1988 da Mangueira, escrito por Hélio Turco, Jurandir e Alvinho, “comemorava” os 100 anos da assinatura da Lei Áurea pela Princesa Isabel Cristina, datada de 13 de maio de 1888.

Após as Leis Eusébio de Queirós (que proibiu o tráfico de escravos), do Ventre Livre (que dava liberdade às crianças nascidas de mulheres escravizadas) e do Sexagenário (que dava liberdade aos escravizados que tivessem mais de 60 anos), a Lei Áurea formalizou o fim da escravatura no Brasil.

Ao contrário do que sempre nos foi ensinado, esta “liberdade” não se deu de forma tão simples, muito menos por boa vontade da Princesa e da oligarquia cafeeira (tanto que pouco mais de um ano depois, eles se juntaram para dar um golpe de estado e fundar a República).

Foi, antes de tudo, “conquistada” pela luta de pessoas como Zumbi dos Palmares, Dandara, André Rebouças, Castro Alves e Chiquinha Gonzaga.

Chamar Isabel de “Redentora” (como ela ficou conhecida), ou dar à oficialização legal do fim da escravidão um status comemorativo é, no mínimo, provocativo. A monarquia luso-brasileira nunca se importou com a condição escravista do povo negro. A necessidade de criar no Brasil o assalariamento dos trabalhadores foi o real interesse para o fim da escravidão. Mas não é esse o ponto.

Como descreve muito bem a música, o povo negro, após ser “liberto”, foi enxotado para as periferias. Com o fim da escravidão, a grande massa de trabalhadores negros foi substituída pela massa imigrante que, além de teoricamente mais especializada, servia ao propósito de embranquecimento da população.

Após séculos de exploração, o negro , apesar de livre, não teve garantia de emprego, moradia ou alimentação. De um dia para o outro foi largado à beira da sarjeta com sua liberdade. Junto a isso, há o fato dos negros não serem bem aceitos nas cidades, o que gerou a migração para as periferias das cidades, ou para quilombos, para favelas.

Quando se cobra sobre dívida histórica com o povo negro, a raiz é exatamente esta. Após centenas de anos sob escravidão, o povo negro foi relegado à marginalidade (no sentido de exclusão, não de criminalidade).

Não houve indenização.

Hoje a população negra representa cerca de 60% das favelas no Brasil, tendo uma renda per capita pequena. Quase 80% das pessoas mais pobres são negras, 67% da população carcerária é negra, um jovem negro é morto a cada 23 minutos, menos de 15% dos negros chegam ao ensino superior, entre tantas outras mazelas sociais decorrentes do abandono social.

Hoje, 13 de maio de 2017, completam-se 129 anos da assinatura da Lei Áurea. Mas não há motivos para comemoração.

A liberdade nunca chegou.


publicado em 13 de Maio de 2017, 00:05
Whatsapp image 2016 09 29 at 18 44 17

Felipe Santos

Felipe Santos é um músico amador, leitor ávido de HQ's, estudante de economia, amante de batatas e pagode anos 90 nas horas vagas.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura