"Locke": um homem se quebra

Esse filme é uma pequena pérola que condensa vários dramas masculinos em uma potente história, recomendo

Ivan Locke é um homem sólido.

Pai de dois filhos e casado há quinze anos, é um diretor de construção especialista em concreto. Admirado por seus empregados, amado pela família e respeitado por seus chefes.

Começamos a seguir sua história à noite, no momento em que ele deixa uma obra e parece seguir de volta pra casa. No semáforo, ao invés de dobrar à esquerda, subitamente muda de ideia e segue para o lado oposto. Faz uma ligação para alguém desconhecido dizendo apenas:

"Estou a caminho, vou estar aí."

Logo entendemos que há algo grave em curso, algo capaz de colocar em cheque toda a sua vida meticulosamente estruturada.

A segunda ligação é sobre concreto, para o seu assistente de obra.

A terceira para sua família, pra dar uma notícia nada agradável.

Cada uma delas nos apresenta uma nova camada da narrativa e do universo de Locke.

Os oitenta e cinco minutos do filme se passam inteiros dentro do carro. O que seria claustrofóbico se torna uma narrativa inescapável, graças a uma atuação foda de Tom Hardy, acompanhada de um potente roteiro assinado pelo também diretor Steven Knight.

Locke precisa chegar a um lugar específico em menos de duas horas, ao mesmo tempo em que tenta impedir sua família de desmoronar e luta para garantir que a maior entrega de concreto da história da Europa, sob sua responsabilidade, não se torne um desastre na proporção de U$100 milhões. Ah, e está gripado.

Temos um diretor de construção lutando por sua família, sua reputação, sua consciência e por... concreto. Num BMW a 140km/h, munido de uma conexão telefônica e nada além de sua engenhosidade para resolver a situação.

Nunca imaginei que fosse dar a mínima para concreto, mas esse filme nos leva a esse ponto.

Um drama masculino por excelência.

De alguém que parece ter feito tudo certo. Em cuja vida há um festival de tensões. Fica óbvio o conflito latente nas relações entre trabalho e família. Que ele soa como o mais controlado dos homens, enquanto reprime, engole e armazena as piores emoções. Que carrega traumas antigos no banco de trás do carro.

O vemos então numa encruzilhada sem volta: não há decisão possível sem um alto preço a ser pago. Ainda que ele tente dizer a todos com quem conversa pelo telefone que vai "consertar tudo".

Qual homem nunca se pegou afirmando cegamente que vai consertar tudo, seja um cano, uma traição, a família, o trabalho, a vida?

Não importa o quanto escale a situação, e a história consegue levar isso até o limite entre o trágico e o cômico, Locke respira, pondera, planeja, age, segue.

Preso em sinucas sem fim, joga com o que tem à mão.

Calha que a vida não é um edifício com bases de concreto, manejável por fórmulas exatas e procedimentos.

Essa é a metáfora mais brilhante da história. Locke trabalha com um elemento que imaginamos ser sólido e firme, mas que na verdade é sensível e delicado como sangue. Ele constrói e articula cada bloco de sua existência, tal qual um prédio, e se vê em crise quando as coisas começam a ruir. Sua própria postura ao lidar com a situação é enervante, às vezes nos deixa pasmos com sua frieza, para então demonstrar imensa falta de tato.

Como se não houvesse fronteiras entre o diretor de construção e o homem, passa a lidar com tudo como se fosse uma só coisa.

Mas sua relação com a família, sua consciência e seus traumas emocionais não são potes de concreto. 

Seria então um filme sobre resiliência, palavra, honra? Ou obsessão, controle, neurose?

Proponho que é sobre os becos sem saída nos quais homens se colocam seguindo a cartilha da masculinidade 

Talvez nenhum homem seja tão sólido quanto parece.


Homens possíveis é uma coluna quinzenal, sai sempre aos domingos.


publicado em 15 de Fevereiro de 2015, 20:09
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura