A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Meu conselho para empreendedores de primeira viagem

As três dicas que Gary Vaynerchuk tem para o empreendedor que quer começar agora

Já disse muitas vezes: empreender é difícil e não é para todo mundo. Caso aconteça de você, após uma avaliação pessoal realista de quem você é e o que estar fazendo, estar pronto para dar os próximos passos e começar um negócio, gostaria de tecer algumas palavras sobre os conselhos que sempre dou para empreendedores de primeira viagem.

1. Pense o dinheiro de forma prática

A primeira coisa, e a mais importante, que digo para empreendedores é a importância de ser prático quanto ao dinheiro.

Fico de cara com “empreendedores” que começam negócios e, na inauguração da empresa, não reconhecem a importância de gerar dinheiro e de como gerenciar os lucros.

Em vez de se focar nas necessidades financeiras atuais e efetivamente estabelecer uma empresa, eles gastam seu tempo pensando no dinheiro que supostamente vão fazer daí uns anos. É uma falta completa de pensamento prático.

Grana é oxigênio. Quanto dinheiro você tem para seguir em frente, e por quanto tempo? Você tem um ano de aluguel e despesas? Empreendedores de primeira viagem sempre cometem esse erro, e essa é minha maior preocupação. Você precisa garantir que suas atividades deem conta da sangria de dinheiro que ocorre antes de ver primeiros lucros.

Muitas vezes me deparo com dois erros de empreendedores de primeira viagem:

(1) Não têm um negócio já em funcionamento para sustentar o novo projeto, ou não angariaram financiamento. Por causa disso, têm só uns seis meses de grana para atingir seus objetivos. Enquanto sonham o cenário perfeito que os levará ao negócio dos sonhos, após seu terceiro dia de “empreendedorismo” já se dão conta que nada segue bem de acordo com os planos, e assim o dinheiro logo acaba.

(2) Têm tanto financiamento que acabam não desenvolvendo os músculos necessários para gerar ganhos. Como têm a empresa financiada, caem no hábito de achar normal uma perda mensal de 150 mil dólares. Gastam a maior parte de atenção e trabalho levantando fundos para “a próxima rodada”, em vez de estabelecer um negócio verdadeiro e rentável.

Não importa a especificidade do caso, começar um novo negócio, particularmente do tipo que exige um investimento de entrada – e não apenas seu tempo – consome recursos. Você precisa entender financeiramente o que é necessário para pagar o básico: aluguel, almoxarifado, estoque (sem nem incluir aí suas despesas pessoais). O sucesso demanda um nível muito alto de pensamento prático.

 

2. Reconheça que estabelecer um negócio é um compromisso enorme em termos de tempo

A segunda coisa que assinalo para empreendedores de primeira viagem é que, quando se está começando um negócio, é preciso tomar a decisão de, no seu primeiro ano, não admitir nenhum tempo livre para qualquer coisa além de construir o negócio.

Nada de assistir uma temporada inteira Game of Thrones numa sentada. Nem vai dar para assistir o show do #AskGaryVee (bom, quem sabe…). Nada de festas até tarde da noite com os amigos. É numa situação emergencial em que cada minuto (digamos, 18 horas de trabalho por dia, se você quer o sucesso) precisa ser dedicado ao negócio. Isto também exclui passar tempo com a família. É um sacrifício substancial, e é necessário reconhecer o grau de compromisso exigido.

Além disso, eu fui muito delicado ao dizer “no primeiro ano”, porque sei que vivemos num mundo politicamente correto, no qual o tempo livre, seja “para si mesmo” quanto para a família, são coisas muito importantes para tanta gente. Porém, se você tem essa ambição de estabelecer um negócio, é necessário fazer esse compromisso mental. E então qualquer tempo que sobre para família, ou tempo livre de todo tipo, é um bônus extra.

Você deve se perguntar que tamanho de negócio quer erguer. Quanto maior ele for, mais anos você precisará passar como esse “primeiro ano”.

3. Mantenha sua palavra para consigo mesmo

Um dos melhores conselhos de negócios que já recebi (e que tento sempre repassar para todos os que ingressam no mundo dos negócios) é que sua palavra é compromisso. Meu pai me disse isso muito cedo, e foi assim que conduzi meus negócios desde então. Ele me disse uma vez que se eu tivesse me comprometido a comprar 100 caixas de vinho para a loja, e mudasse de ideia uma semana antes delas chegarem, que eu devia beber todas, já que havia feito um compromisso.

Se você fez um compromisso, não importa o que ocorra, é preciso cumprir. Não só a marca do seu negócio está em jogo, mas também sua reputação e marca pessoal. Decisões de negócios ruins podem colocar seu status de empreendedor em risco.

Muitas vezes, ainda que cada fonte diga uma coisa, se diz que a maioria dos negócios fracassa nos primeiros 18 meses. A principal razão que vejo para tantos negócios fracassarem rapidamente é que eles não reconhecem como é difícil, quão comprometido se precisa estar, e quanto talento é necessário para ser um empreendedor de sucesso. Não estou aqui prometendo que, apenas por seguir esse conselho, a sobrevivência de seu negócio estará garantida pelo primeiro ano; mas o fato é que, sem levar isso em consideração, você não está se colocando no caminho do sucesso.

PS: Podem parecer apenas palavras numa tela para você, mas imploro que leia com cuidado. Leia e faça boa digestão disso tudo. Sem dúvida estamos vivendo a maior geração de empreendedorismo de meia-tigela que já vimos em eras. Infelizmente, muitas pessoas serão machucadas, tanto financeiramente quanto emocionalmente devido a esse período. Imploro que você tome essas palavras com seriedade.

* * *

Nota: Esse texto foi originalmente publicado no Medium do autor e traduzido sob autorização. 


publicado em 22 de Maio de 2016, 18:38
Maxresdefault

Gary Vaynerchuk

Empreendedor, CEO da @vaynermedia. Apresentador do programa #AskGaryVee. Um cara que adora o @winelibrary e os @NYJets.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura