Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Molho de tomate fresco sem nem cozinhar. Tire as mãos dessa panela!

Um vídeo prático de um minutos te ensina a fazer um molho bem mais gostoso que o de massa de tomate de mercado

Vá lá no mercado mais legal perto da sua casa ou na feira, se for dia de feira e você puder ir até a feira. Compra uns tomates bem frescos, bonitões mesmo.

Em casa, pegue uma tigela daora e um ralador. Não tem ralador em casa? Volta lá no mercado e compra a porra do ralador. 

Novamente em casa, agora com os tomates bonitões, a tigela daora e o ralador novinho em folha, corte uns dois tomates ao meio e simplesmente rale a parte de dentro da fruta no ralador novinho em folha. Encosta o tomate e esfrega de cima para baixo e de baixo para cima, com aquele cuidado mínimo de precisar força, pressão, intensidade pra não estragar a fruta ou se machucar. Repita o procedimento com as outras metades.

O que vai sobrar disso: a pele do tomate na sua mão, lisinha e fininha, e um caldo com pedaços de tomate na tigela daora. Bingo.

Joga azeite lá dentro, vai de pouco em pouco pra ver consistência e equilíbrio entre molho e óleo. Sal e pimenta do jeitinho que você achar que fica bem gostoso.

Botou em cima do macarrão, misturou tudo com umas folhas de cheiro bom (manjericão é o coringa, claro), e zerou o dia.

Agora, pra entender isso tudo, é só assistir ao vídeo aqui debaixo do Justin Chapple, do Food and Wine. 

Link YouTube

Um minuto de conversa e infinitamente mais gostoso que massa de tomate de mercado.

Eu fiz lá em casa e ficou bem bom. Volta pra dizer como foi fazer aí. 


publicado em 11 de Novembro de 2015, 00:00
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura