A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Morre Steve Jobs

Há uma hora eu estava na academia me concentrando em pegar pesos pra algum exercício idiota. Recebi uma sms do Fred Fagundes:

Morreu Steve Jobs.

Não acreditei. Pateticamente engoli em seco. Me lembrei de quando o Senna morreu, eu tinha 10 anos e chorei como um bezerro desmamado. Dessa vez não, homens não choram, certo? Enquanto ponderava, o Jornal Nacional me confirmou. A notícia era real. O homem se foi.

Dei por encerrada a academia e vim até o QG escrever algo. Contar a admiração sem tamanho que tenho pelas realizações desse filho da puta. A criação da Apple. Sua demissão. O retorno. A Pixar. A iPod-Phone-Pad-revolução. A paixão pela excelência. Deixou um legado sem tamanho a todo nós. Li e assisti tudo que se fez sobre o cara. Não o via como guru ou qualquer outra merda idealizada. Mas Jobs, em certa medida, era um tutor distante, transmitindo lições aqui e ali para cada um dos malucos criadores ao redor do mundo. Eu gostava da ideia de me sentir parte desse clube.

E se esse clube tivesse uma mensagem a ser deixada, poderia ser:

Link Youtube

E a canção para o dia de hoje seria essa:

Link Youtube

Dêem o play e se deliciem com a FANTÁSTICA entrevista dada por ele há 26 anos para a Playboy - traduzida pelo Pedro Burgos.

É isso. Marcha em frente.

Até breve, Jobs.


publicado em 05 de Outubro de 2011, 19:44
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura