Mulher também dirige, porra!

O presidente da BMW Brasil, Henning Dornbusch, confessou que em casa não há discussão sobre quem vai dirigir: tanto ele quanto a mulher dividem o volante.

Já o piloto Ingo Hoffmann deu uma risadinha sarcástica e disse:

"Querida, vou te dar uma chance pra você descobrir quem dirige lá em casa."

Ok, Ingo. Entendi.

Era nesse segundo grupo que eu me encaixava. Já tive grandes brigas em relacionamentos anteriores sobre quem devia dirigir e como dirigir. Se eu fosse como a esposa do Ingo, que não liga muito, tudo bem. Mas não sou. Eu gosto de fazer o carro correr, deslizar pela estrada e sentir a potência do motor. Reparo nos carros diferentes que cruzam meu caminho e, admito, na faculdade de moda fiz um coleção com o tema tuning. E não foi tão ruim quanto parece.

BMW 325i de portas abertas e me aguardando: like a boss

Logo, não é surpresa que eu dei pulos de alegria quando recebi o convite da BMW para fazer o curso de direção defensiva. Finalmente eu teria argumentos para ganhar nas discussões e tomar o controle do volante.

No meu dia de princesa – da velocidade – aprendi, entre outras coisas, a posicionar o banco corretamente. Aprendi também a potência de um freio ABS, a desviar sem frear e principalmente o curto tempo de reação x velocidade para agirmos em situações de perigo.

O Ingo disse que fui uma excelente aluna. O Fred Fagundes gritou como uma moça no banco de trás e a Isadora Carvalho, minha dupla no carro, seguiu fielmente os conselhos dos meus gritos que diziam: “Pisa mais, porra!”.

Link YouTube | "Vruuuuum"

Toma essa. Quero ver alguém tirar o volante da minha mão agora.

Nota do editor: Foram urros de motivação. 


publicado em 17 de Agosto de 2011, 09:03
File

Verônica Gunther

Sofre de Wanderlust agudo, e faz de tudo nessa vida pra continuar assim. Já trabalhou com moda, marketing, social media e agora acha que é redatora de UX (oi?). Viciada em psicologia da felicidade, fundou a Usina da Forma com uma galera e tem como propósito a felicidade em rede. Stalkeie por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura