Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 5 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

Música para expulsar visitas: Wim Mertens

Minha amiga Mariana era casada com um fã de Wim Mertens. Algumas vezes, era muito útil:

Ih, o Pedro é muito prático. Sempre que quero me livrar das visitas, basta falar: "amor, por que você não bota um pouco de Wim Mertens pra gente?" Em cinco minutos, todo mundo se lembrou de compromissos inadiáveis na manhã do dia seguinte.

Minha amiga Mariana é muito injusta. E nossos convidados não tinham nenhum bom-gosto. Ah, e Pedro sou eu.

Letreiro na porta do cemitério: "Nós que aqui estamos por vós esperamos"
Letreiro na porta do cemitério: "Nós que aqui estamos por vós esperamos"

Nós que aqui estamos por vós esperamos

O belga Wim Mertens não é muito conhecido no Brasil.

Talvez a coisa mais memorável que tenha feito por aqui seja a trilha sonora de Nós que aqui estamos por vós esperamos (1998), lindíssimo filme (não documentário, por favor) de Marcelo Massagão.

De fato, enquanto a maioria dos espectadores saiu do filme elocubrando sobre os fatos históricos (é tudo inventado, gente), eu estava viajando naquelas músicas.

Dizem que a maior parte do minúsculo orçamento do filme (R$140 mil) foi para pagar o direito autoral das músicas e, olha, valeu a pena. Não dá pra imaginar o filme sem a música de Mertens.

Abaixo, o filme completo, "Nós que aqui estamos por vós esperamos".

Link YouTube | "Nós que aqui estamos por vós esperamos" (1998), de Marcelo Masagão. Filme completo.

Três do Mertens

Uma seleção das minhas favoritas:

Link YouTube | "Struggle for Pleasure", de Wim Mertens

Link YouTube | "4 Mains", de Wim Mertens

Link YouTube | "Iris", de Wim Mertens


publicado em 27 de Setembro de 2012, 06:38
File

Alex Castro

alex castro é. por enquanto. em breve, nem isso. // esse é um texto de ficção. // veja minha vídeo-biografia, me siga no facebook, assine minha newsletter.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura