[Mapeamento nacional] Quem trabalha com paternidade? Cadastre seu grupo de homens, página de conteúdo, roda de estudos, podcast e outras iniciativas que falam sobre paternidade.

Não suporto mais o meu trabalho. Como desenhar um plano B, sem voltar a estaca zero? | Mentoria PdH #70

"Definitivamente, não quero mais estar aqui. Se pudesse ou se enxergasse outra opção, saia correndo imediatamente."

"Olá meu nome é Z., tenho 33 anos, casado, tenho uma filha de 6 meses e penso 24h em pedir demissão!  Hoje, apesar de ganhar um salário de 2 dígitos, ocupo um cargo que me cobra um preço muito alto.

Faço coisas que não me identifico, convivo com pessoas que não gostaria, estou constantemente nervoso e/ou envolvido em conflitos, durmo mal, como compulsivamente (quase uma forma de mutilação), vivo estressado e com a sensação constante de cansaço e baixa energia.

Definitivamente, não quero mais estar aqui. Se pudesse ou se enxergasse outra opção, saia correndo imediatamente.

Estou disposto a diminuir meu padrão de vida e consumo, mas não dá pra voltar à estaca zero. Tenho contas pra pagar, minha esposa não tem tanta estabilidade no trabalho e uma filha crescendo. Além do mais, tenho medo de mais duas coisas:

1. Desgastar o casamento e sobrecarregar minha esposa. Muito mais do que eu, minha esposa sofre para conciliar a maternidade e as atividades profissionais. Abrir mão do meu emprego, seria aumentar a pressão sobre ela. Além de correr o risco de entrarmos numa crise financeira.  

2. Me sentir perdido e afundar.

Não tenho a mínima noção de como construir um plano B. Não sou formado, tive apenas dois empregos na vida. Estou aqui há 10 anos e morro de medo de não conseguir me recolocar.E aí? O que fazer? 

Z."

Como responder e ajudar no Mentoria PdH

(leia para evitar ter seu comentário apagado):

  • comentem sempre em primeira pessoa, contando da sua experiência direta com o tema — e não só dizendo o que a pessoa tem que fazer, como um professor distante da situação
  • não ridicularizem, humilhem ou façam piada com o outro
  • sejam específicos ao contar do que funcionou ou não para vocês
  • estamos cultivando relações de parceria de acordo com a perspectiva proposta aqui, que vai além das amizades usuais (vale a leitura desse link)
  • comentários grosseiros, rudes, agressivos ou que fujam do foco, serão deletados

Como enviar minha pergunta?

Você pode mandar sua pergunta para posts@papodehomem.com.br .

O assunto do email deve ter o seguinte formato: "PERGUNTA | Mentoria PdH" — assim conseguimos filtrar e encontrar as mensagens com facilidade.

Posso fazer perguntas simples e práticas, na linha "Como planejo minha mudança de cidade sem quebrar? Como organizar melhor o tempo pra cuidar de meu filho? Como lidar com o diagnóstico de uma doença grave?" ?

Queremos tratar também de dificuldades práticas enfrentadas por nós no dia-a-dia.

Então, quem tiver questões nessa linha, envie pra nós. Assim vamos construindo um mosaico mais amplo de assuntos com a Mentoria.

Essa Mentoria é incrível. Onde encontro as perguntas anteriores?

Basta entrar na coleção Mentoria PdH.

I, um presente pra você:

Vamos te enviar por email o ebook "As 25 maiores crises dos homens — e como superá-las", produzido pelo PdH.

Se deseja adquirir ou presentear alguém que possa se beneficiar, compre a sua edição aqui.

 
 

Para conhecer mais sobre o conteúdo do livro e tudo que vai encontrar lá dentro, leia esse texto.

Ao comprar o livro, você também ajuda a manter o PapodeHomem vivo.

Nosso rendimento com anúncios caiu drasticamente nos últimos dois anos, assim como aconteceu com toda a indústria jornalística, no Brasil e no mundo (a verba agora se concentra no Facebook e no Google). Como o que fazemos é para vocês e não para gerar o maior número de clicks com textos vazios, essa ajuda é essencial para nossa sustentabilidade.


publicado em 09 de Março de 2020, 16:18
Logo pdh png

Redação PdH

Mantemos nosso radar ligado para trazer a você notícias, conversas e ponderações que valham o seu tempo. Para mergulhar na toca do coelho e conhecer a visão editorial do PdH, venha por aqui.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura