O Monte Everest, passo-a-passo

  • Nossos atuais Mecenas:
  • 130x50 jpg
  • Asm selo png

Na última Sexta-feira, 11/1/2008, faleceu o neozelandês Edmund Hillary, aos 88 anos, vítima de um ataque cardíaco. Ora, quem foi este senhor?

Em 1953, no dia 29 de maio, este senhor e mais um alpinista nepalês de nome Tenzing Norgay foram os primeiros cidadãos a colocar os pés no topo do Monte Everest, a 8848m de altitude, o ponto mais alto da superfície terrestre. Hillary então tornou-se herói nacional em sua Nova Zelândia, assim como Tenzing era Nepal, e sua morte causou comoção em todo o país.

hillay-e-norgay
Edmund Hillay e Tenzing Norgay, saco roxo

Recentemente li o livro “No ar rarefeito” (Ed. Cia. das Letras, 2001), de Jon Krakauer, onde este faz um relato de uma expedição ao Everest em 1996 que terminou em tragédia, com a morte de dois guias experientes e mais dez outros alpinistas.

Inspirado pelo relato interessantíssimo da aventura, principalmente pelos percalços e inúmeras dificuldades que os alpinistas enfrentam, trago este artigo, também em tributo a Hillary. Maluquices à parte, o cara que chega ao topo do Everest é um super-herói. Em breve vocês entenderão...

O Monte Everest

Situado na Cordilheira do Himalaia, bem na fronteira entre o Nepal e a China, na verdade a escalada propriamente dita do Everest é de aproximadamente 3000 metros. Isto porque até você chegar à base da montanha, já está numa altitude de mais ou menos 5000 metros.

reflexo-everest
Mocinhas podem pegar a fila da direita e voltar pra casa

Em termos de dificuldade técnica, não é dos mais complexos, assemelhando-se a uma caminhada íngreme, com alguns paredões verticais. O problema todo são as condições inóspitas encontradas. Rajadas de vento, temperaturas baixíssimas, ar rarefeito, avalanches.

O Everest pode ser escalado através de sua crista nordeste (que vem da China) ou da crista sudeste (que vem do Nepal). A crista sudeste é a via mais “fácil” de escalada, e pelas dificuldades criadas pelo fechado governo chinês, por muito tempo foi a única.

Esta crista, após descer do Everest, começa a subir de novo, comunicando este com o Lhotse (outro pico do Himalaia). Entre o Everest e o Lhotse, existe uma espécie de vale. É neste vale que a aventura começa.

A Expedição

O governo do Nepal cobrava uma taxa de aproximadamente 15.000 dólares em 1996 para permitir a subida de alpinistas ao Everest. Muitos alpinistas renomados, após conseguirem diversos feitos, não tinham mais como manter patrocínio, pois não havia mais desafios.

expedicao
Essa mochila pesa mais do que sua mala de carnaval, bem mais

Então começaram a abrir empresas guiar alpinistas amadores às grandes escaladas. Uma delas, a Adventure Consultants, cobrava 65.000 dólares para a aventura. O preço não incluía passagens e equipamentos.

Chegando em Katmandu, capital do Nepal, pega-se um helicóptero que leva os aventureiros até a região de Khumbu, de onde se parte para o Everest. A partir daí, tudo é feito a pé.

O centro comercial da região do Khumbu é um vilarejo chamado Namche Bazaar, a 3444 metros de altitude. Aqui vão entrar em cena personagens importantíssimos na escalada.

Os Sherpas

São os habitantes nativos do Khumbu. Por viverem numa região de altitude elevada, seu sangue é mais rico em hemácias, ou seja, têm uma adaptação melhor à condições de pouco oxigênio. Como conhecedores da área, também servem como guias.

E principalmente, são tradicionalmente alpinistas. Assim como nós almejamos ser ricos e famosos, o sonho de qualquer sherpa é trabalhar como alpinista.

Numa expedição destas, têm como funções carregar a maioria da carga (isso para os alpinistas guardarem energia para chegar ao topo). Eles vão na frente colocando cordas para a escalada e espalhando garrafas de oxigênio pelo caminho, por exemplo. Tenzing Norgay era sherpa.

Continuando a Caminhada...

Após um dia de aclimatação em Namche, a caminhada segue até o vilarejo de Pheriche, a 4.267 metros de altitude, onde se passam duas noites. Ali existe uma clínica médica tocada por voluntários, que ajudou muito a reduzir a mortalidade de alpinistas e trekkers acometidos pelo “mal da montanha” (mais adiante falo sobre isso).

lobuje
Cuidado com o montinho marrom no chão...

Mais algumas horas de caminhada, chega-se a Lobuje (4900m).As descrições deste lugar são assustadoras. Lobuje é um lugar soturno, repleto de alpinistas, sherpas e barracas, e de uma imundície espetacular. Os banheiros transbordavam de fezes e tinham aspecto tão abominável que a maioria preferia fazer as necessidades a céu aberto.

Pilhas de fezes humanas espalhadas por toda a parte tornava impossível não pisar nelas. Um rio de neve derretida no meio da aldeia era na verdade um esgoto a céu aberto. Pulgas e piolhos infestavam os colchões do alojamento. Para aquecer, queimava-se esterco seco de iaque. Dadas as condições de higiente, diarréias impiedosas são comuns.

iaques
Uma mistura de bois com touros em um lugar congelante, apresento-lhes os Iaques

Lobuje situa-se à beira do glaciar do Khumbu. Glaciar é uma espécie de rio permanentemente congelado, e este é a entrada do vale situado entre o Everest e o Lhotse, começo da escalada.

Porém, não é tão simples de ser atravessado. A latitude desta região é tropical, então a temperatura varia muito entre o dia e a noite. Essa variação faz com que os blocos de gelo do glaciar tornem-se relativamente móveis. É preciso extremo cuidado ao caminhar...

everest
Rumo ao acampamento base. Você vai ler mais sobre ele na segunda parte.

... Logo mais, a segunda parte desse artigo com a continuação do que significa a odisséia de se escalar o Monte Everest. Será que alguém aqui já se animou ao ler esse início?


publicado em 14 de Janeiro de 2008, 10:31
7375567d0f2c379b7588ce618306ff6c?s=130

Mauricio Garcia

Flamenguista ortodoxo, toca bateria e ama cerveja e mulher (nessa ordem). Nas horas vagas, é médico e o nosso grande Dr. Health.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: