Como se transforma a paternidade no Brasil? Faltam apenas 4 dias para o PAI: Os desafios da paternidade atual.
Compre já o seu ingresso!

O primeiro curta do diretor de Moonlight

Feito ainda na faculdade, My Josephine foi filmado por Berry logo após o atentando das torres gêmeas

Moonlight é um filmaço. Não por causa do Oscar. Não por causa do tema. Por causa de tudo. Li uma vez um texto de um diretor que falava que um grande filme não se revela só no que ele mostra, mas sim no que ele omite. Na compreensão que temos da história, dos personagens, do todo, sem precisar receber tudo evidente ou mastigado. O filme que convida a gente, espectadores, para o mistério da vida sem precisar revelá-lo. Moonlight é meio isso pra mim.

Daí fui procurar outras coisas do Berry Jenkins, o diretor, e achei My Josephine. O primeiro curta do cidadão, dos idos de 2003, filmado ainda na faculdade. O filme fala sobre um casal de árabes, que tem uma lavanderia, vivendo no período logo após o 11/09.

Nas palavras do diretor: “Meu primeiro curta-metragem, fotografado pelo James Laxton. Ainda o meu favorito. Escrito pouco depois do 11/09, não foi filmado por mais de um ano depois, por causa de como as coisas agitaram a escola. Inspirado em três coisas: a marquise de uma lavanderia em Tallahasse com o escrito ‘Limpeza grátis nas bandeiras americanas’; uma imagem na minha cabeça de duas pessoas sentadas em cima de mesas dobráveis; e na obsessão, na época, do meu colega de casa, pelo Napoleão.  Nós éramos muito novos quando fizemos esse filme”.

Alguns temas que depois o Moonlight iria tratar já são vistos nesse pequeno grande filme, como algumas questões de minorias, de exclusão, de manter sua cultura e, mais importante, de como procurar a beleza em meio ao caos.

Sem mais delongas, o filme:

Link do Vimeo

Quem quiser fuçar os outros curtas do diretor, aqui o link pro canal dele.

***

Curta PdH é um espaço sobre filmes de curta duração e grande relevância. Filmes que ajudem a entrar em contato com diferentes imagens, narrativas e vivências, que permitam em algum grau que nossa visão de mundo seja ampliada.


publicado em 29 de Março de 2017, 04:00
File

Paulo Leierer

Escreve e dirige (tirou sua carta em 2003). É apaixonado por cinema desde que viu "Esqueceram de Mim" e morre de vergonha de escrever em terceira pessoa.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura