"O tesão" e "Quase lá": O reflexo das nossas vontades | Do Amor #54

Ficamos com tesão, tentamos alguns avanços. Nossos desejos marcados na carne

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Vivara130x50 jpg
  • Selo dorel jpg

É muito maluco quando sentimos vontades. De trepar, de avançar, quando lembramos do último sexo ou bate, na cabeça, a lembrança de uma noite suja e saborosa. 

Reuni aqui duas pequenas situações que ilustram as nossas vontades.

O tesão

Doeu quando os dentes, perfilados em perfeita harmonia, puxaram a pele solta no canto do lábio. Saiu sangue e, mesmo dolorido, estancou o pequeno rasgo com a língua.

Não sabia ao certo se a ferida fora causada pela raiva contida ou só por desatenção que a foto lhe provocara ao impregnar sua cabeça de memórias desagradáveis, apodrecidas.

Olhando a imagem eternizada em filme, sentiu novamente os cheiros, o gosto que ficara da hora que estava entre as pernas, se arrepiou com a lembrança de como os dedos escorriam pelas costas enquanto se dedicava em prazeres.

Queria mais daquilo. Mas não tinha mais.

E daí se mordeu. Não sabia se de raiva ou de vontade.

Um pouco dos dois, talvez.

A conclusão deu ainda mais tesão.

* * *

Quase lá

Era só questão de aguardar o momento certo. O apagar das luzes, os barulhos vindos dos trailers na tela, a distração coletiva. Tudo pronto para que ele pudesse, enfim, tentar. Quieto no dia a dia, tinha na cabeça que seria uma boa surpresa se mostrasse suas vontades assim, quase em público, evidência de desejos maiores que ele experimentaria se fosse espertinho e fizesse tudo do jeito certo.

Pelo menos foi o que seus amigos de classe lhe disseram.

Respirou fundo e botou a mão na perna dela. Esperou uns segundos e não sentiu um empurrão ou ouviu bronca alguma dela. Virou a cabeça com intuito de encará-la, mas tudo o que conseguiu ver foi os olhinhos dela brilhando com o reflexo da película e um sorriso de quem acertou.

Estava quase lá. Sentiu a musculatura da coxa dela mais solta e percebeu seu movimento. Estava quase lá.

Bastava subir mais um pouco por debaixo do tecido gelado da saia. Quase lá.

Mas não teve coragem.

Obs.: esses dois textos estão nas Meio-Fio #60 e #62.

O livro Do Amor está à venda!

Gente, finalmente o livro Do Amor está pronto e no jeitinho pra ser vendido! Quer um? É só entrar na minha página do PagSeguro e fazer a compra! O livro está com o preço de R$39,90, mais nove reais para o custo de frete por item!

Qualquer coisa, me chama no Instagram (@jaderpires) ou manda e-mail pra jader@jaderpires.com.br pra eu te enviar um exemplar com dedicatória bem bonita e tudo.

Beijo!

Assine a Meio-Fio, a newsletter do Jader Pires

Pessoal, saiu hoje mais uma Meio-Fio, minha newsletter semanal com contos e crônicas, mais um monte de coisa boa, recomendações e links que vou pegar por aí. 

Sempre às sextas, vai chegar quentinho no seu e-mail. Basta se cadastrar com nome e e-mail aqui.


publicado em 31 de Março de 2017, 00:10
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: