Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

O último dia “comível” de uma mulher

Assistam ao vídeo incrível com a participação das atrizes Julia Louis-Dreyfus, Tina Fey e Patricia Arquette

Amy Schumer é uma atriz e comediante americana que tem um programa no Comedy Central desde 2013. O Inside Amy Schumer é um programa de esquetes que se divide em pequenos quadros com vários formatos diferentes. O programa sempre conta com convidados, mas no último dia 21 de abril foi inacreditável. As convidadas, no caso, eram nada mais, nada menos que Julia Louis-Dreyfus, Tina Fey e Patricia Arquette

Uma é a Elaine de Seinfeld, talvez a maior série de comédia de todos os tempos. E sim, ela tem culpa nisso. Tina Fey, uma das escritoras-produtoras-atrizes de comédia mais respeitada e aclamada do mundo. E Patricia Arquette, que basicamente todos conhecem pelo Oscar recebido pelo trabalho em Boyhood, esse ano, por Stigmata ou pela série Medium. Arquette, além de ter ganho o prêmio de melhor atriz, ficou conhecida por encabeçar um movimento no tapete vermelho, da cerimônia de entrega do careca dourado,  para salários iguais para homens e mulheres. Além, é claro, do discurso feminista quando subiu no palco.

Enfim, essas quatro mulheres sensacionais foram reunidas num esquete para discutir algo que nós inconscientemente recebemos e aceitamos da noite pro dia. O fato de que, de uma hora para outra, uma mulher, midiaticamente falando, deixa de ser “comível”. 

Veja o quadro (direto, se você entende inglês), ou a transcrição logo depois. 

— Oi, você está perdida? (Tina)

— Humm, me desculpe, eu... amo todas vocês, eu... eu não acredito que vocês estão aqui! Vocês são, literalmente, minhas heroínas! (Amy)

— Deus, você me parece muito familiar. Você é aquela garota da televisão que fala sobre sua boceta o tempo todo? (Julia)

— SIM! Aquela, é.. SIM! (Amy)

— Que ótimo. Vem, senta com a gente. (Patricia)

— Venha. Venha falar sobre sua boceta aqui. (Julia)

— É o… é o aniversário de alguém ou… (Amy)

— Meio que o contrário, estamos aqui celebrando o "Último Dia Comível da Julia". (Patricia)

— É, saúde! (Julia)

— Woo hoo! 

— Hum, me desculpe, você disse último dia comível da Julia? (Amy)

— Hum-hun. (Patricia)

— O que é isso? (Amy)

— Na vida de toda atriz, a mídia decide quando você, finalmente, atinge o ponto em que ninguém mais acredita que você possa ser desejada sexualmente. (Julia)

— Mas… digo, como você sabe? Quem te fala isso? (Amy)

— Bem, ninguém… ninguém na verdade te fala isso. Mas há sinais. (Tina)

— Certo. (Julia)

— Tipo… você sabe como Sally Field foi o interesse amoroso de Tom Hanks em “Palco de Ilusões” e aí, tipo, em 20 minutos ela se tornou a mãe dele em “Forrest Gump”? (Tina)

— Ou você recebe uma oferta para fazer uma comédia romântica com Jack Nicholson, onde você disputa com outra mulher para trepar com ele. (Patricia)

— Eu acabei de fazer uma audição para Mamãe Noel. (Patricia)

— Você fez? Eu fiz uma para esse papel também. (Julia)

— Eu também. (Tina)

— Jura? Quem pegou o papel? (Patricia)

— J.Lo. (Tina)

— Ah, ela vai ser boa. (Julia)

— Ela vai ser realmente boa. (Tina)

 Ou quando você está num set de filmagem e vai até o guarda-roupas e a única coisa que eles tem para te vestir são longos suéteres, tipo, cobrem você da cabeça aos pés. Esse tipo de coisa. (Julia)

— Ou quando o pôster é tipo uma foto de cozinha. (Tina)

— Sim. Com títulos motivacionais e vagos, como, “O Que Custar”, “Ela Quis o Bem.” Esse tipo de coisa, certo? (Julia)

— Outro sinal é quando eles começam a fazer remakes dos seus melhores filmes, com atrizes mais jovens e comíveis. Eu acho que eles vão fazer um remake de Boyhood com Selena Gomez no meu papel. (Patricia)

— Isso vai fazer muito dinheiro. (Tina)

— Eu não entendo. Todas vocês são totalmente comíveis. (Amy)

— Acredite em mim, ninguém ficou mais surpresa que eu deles terem me deixado ser comível durante os meus 40, e o fato de deixarem continuar pelos 50. Isso foi tipo, obrigado, mas eu pensei que US Weekly tinha feito algum tipo de erro primordial ou algo do tipo. (Julia)

— Nem me fale. Se você filmar uma cena de sexo na noite anterior ao seu aniversário, todo mundo fica tipo — ‘rápido, rápido, rápido, a gente tem que fazer isso antes da meia noite’ —, porque eles pensam que sua vagina vai se transformar num caranguejo—eremita de uma hora para outra. (Tina)

— Bem… tem alguma coisa que você pode fazer para atrasar isso? (Amy)

— Bem, você pode tentar, mas isso só torna as coisas piores. Tipo aquelas "Real Housewifes". Elas tentam parecer mais novas, mas acabam parecendo uma uma bolsa que derreteu num acidente de carro. (Julia)

— É. Elas parecem aquilo quando uma criança tenta desenhar um rosto na palma da mão. (Tina)

— Mas e os homens, quando é o ultimo dia comível dos homens? (Amy)

* Risos * 

— Querida, homens não tem isso. (Patricia)

— Nunca. (Julia)

— Bem, eles são comíveis para sempre. Eles podem ter sei lá, 100 e nada além de aranhas brancas saindo, que eles ainda serão comíveis. (Tina)

— Semana passada eu não consegui um comercial da AARP porque o diretor disse que eu era velha demais para ser a esposa de Larry King. (Patricia)

— Ouvi dizer outra dia que Bruce Willis ficou noivo de uma garota 24 anos mais nova que ele, e eu fiquei sabendo que ela na verdade é um filhote de cabra. (Tina)

— O quê? Sério? (Julia)

— Vou procurar no Google. (Tina)

— Espera aí, vocês então estão tipo, desapontadas? (Amy)

— O quê? Nãão. Você tá brincando? Estou em êxtase. Maravilhada. Quer dizer, eu não preciso mais lidar com isso, manter esse corpo. É uma benção. Eu posso deixar meus pelos pubianos crescerem… veja isso, tá vendo esse sorvete? Ele está aqui descansando por uma hora. Quer saber por quê? Veja isso, meu bem… (Julia) 

— Vira, vira, vira, vira! Ai meu Deus… (Patricia, Tina e Amy)

* Julia arrota e peida * 

— Vocês sabem o que vem agora. Vamos lá. (Julia) 

— Onde vamos? (Amy)

— Fazer o ritual. (Tina)

— … e colocamos ela no barco, depois empurramos ela na água, fazemos um brinde com o champagne, para o quão comível ela foi durante todos esse anos. É bem legal. (Tina)

— Muito legal. (Julia)

* Sally Field esteve aqui* (escrito no barco)

— Saúde! (Todas)

— E para onde ela está indo? (Amy)

— Casa. (Patricia)

— O quê? Tina NÃO! (Amy)

— Relaxa, sério. Ela está apenas indo pra casa. (Patricia)

— Eu tenho roupas para tirar da secadora. (Julia)

— Okay, eu estava certa. Ela é um filhotinho de cabra. 

— Onn. (Patricia e Amy)

— Posso ver? Onn, que bom para eles. (Julia)

— Tô indo. (Patricia)

— Okay, tchau, a gente se vê. (Tina)

— O que você vai fazer? (Amy)

— Vou para casa depilar minha barba. (Tina)

— Quando isso começa? (Amy)

* * *

Só queria dizer que foi impossível não lembrar de dois nomes, quando elas falam que os homens nunca deixam de ser comíveis, Francisco Cuoco e José Mayer. 


publicado em 05 de Maio de 2015, 00:00
28d2dc073d6cdf08302c0ed5fa15db8a?s=130

Pedro Turambar

Pedro tinha 25 anos e já foi publicitário. Ganha a vida fazendo layouts, sonha em poder continuar escrevendo e, quem sabe, ganhar algum dinheiro com isso. Fundou o blog O Crepúsculo e tem que aguentar as piadinhas até hoje. No Twitter, atende por @pedroturambar.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura