Quer dar um tapa no visual mas não sabe por onde começar? Fizemos um curso online de estilo pra isso, o “Mas você vai de chinelo?”. Inscreva-se agora! É gratuito!

Onde estão os homens na educação infantil?

Dos professores que educam crianças de até 5 anos, 96,6% são mulheres.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Logo havaianas 130x50 png
  • 47 nh 1 png

 

Eu não havia reparado nisso até o começo deste ano quando a minha filha entrou para uma creche que recebe crianças de 1 a 4 anos.

Fui à reunião e a coordenadora comentou sobre o preconceito que um novo professor estava sofrendo por parte dos pais — e até mesmo das colegas de trabalho — pelo fato dele ser homem.

A coordenadora contou que muitos o confundiam pensando que ele era motorista, porteiro ou diretor da escola, e que se assustavam quando descobriam que ele era professor da educação infantil.

Cena do filme "Um tira no jardim da infância" (1990).

Esse episódio me levou à refletir sobre os porquês deste estranhamento.

Embora, num mundo ideal, não devesse existir regras limitando os cargos que homens ou mulheres podem ocupar, na prática, as pessoas ainda carregam ideias de que certos trabalhos são próprios das mulheres e outros, dos homens.

Espera-se que os homens ocupem cargos que exijam força física ou aptidões técnicas ou trabalho altamente intelectual. O cuidado não entra nessa lista. Historicamente, o cuidado com crianças, que também se relaciona muito com os trabalhos domésticos, foi largamente atribuído às mulheres.

A mãe, a avó, a babá, a tia... São elas que ficam (na maioria das vezes) responsáveis por trocar fraldas, colocar para dormir, alimentar, dar banho, aconchegar, dar colo, coisas que são parte da rotina escolar das crianças pequenas. Então, será que apenas as mulheres podem desenvolver os cuidados e as atividades pedagógicas? 

Daí, dessa tradição histórica, vem parte das razões pelas quais os professores de educação infantil sofrem rejeição. Ainda está intrínseco que são as mulheres quem deve cuidar dos bebês e crianças. Para muitos o contrário chega a parecer, "anti-natural".

Na educação infantil, as mulheres são maioria absoluta nesta etapa do ensino, representando 96,6% dos educadores que atuam com bebês e crianças de até 5 anos de idade. Segundo dados do Censo Escolar de 2017, apenas 3,4% dos professores do segmento são homens.

A grande diferença na quantidade de homens e mulheres que ocupam determinados trabalhos, acaba por reforçar os estereótipos e preconceitos.

Há um estranhamento em deixar um homem cuidando de crianças, não só porque esta função é vista como feminina, mas porque, culturalmente no Brasil, o homem tende a ser visto como menos cuidadoso ou  menos confiável, mais impulsivos, mais violentos e, até mesmo, como abusadores em potencial. 

Considerando todo este cenário, o panorama é que pouquíssimos homens são atuantes na educação infantil em creches e pré-escolas. E que, quando se interessam por atuar nesta área, eles enfrentam barreiras. 

A presença masculina nas escolas vai crescendo à medida que aumenta a idade das crianças. Quando passam a ser “alunos”, quando se precisa de menos cuidados e mais de conteúdo teórico, notamos uma porcentagem maior de homens atuando da área. Enquanto apenas 3,4% dos homens atuam na educação infantil, no ensino médio este número salta para 40,4% de professores homens.

É como se a estrutura escolar entendesse que cuidado e educação são instâncias separadas. Os cuidados - dedicados principalmente às crianças pequenas - estão mais relacionados às mulheres e conforme a função da educação se torna mais técnica e especializada, abre-se espaço para a presença masculina. 

O ambiente escolar é um dos principais lugares para observar o preconceito de gênero.  Na estrutura escolar encontramos duas características sobre o como a sociedade vê o trabalho do professor: notamos que a educação infantil é associada apenas a cuidados básicos (alimentação, higiene, etc), sendo desvalorizada como profissão e classificada como uma tarefa exclusivamente feminina.

No entanto, o papel da educação infantil vai muito além de simplesmente prover cuidado. Desde a Constituição Federal de 1988 e a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional (LDB), consolidou-se que tanto as ações de cuidado (alimentar, trocar fralda, proteger) quanto atividades pedagógicas são fundamentais para o processo de educação infantil.

Felizmente, aos poucos, a nossa sociedade vem mudando e observamos mais homens se envolvendo nas rotinas da família, na educação integral das crianças e nas instituições de ensino infantil. Como a escola é espelho da sociedade e vice-versa, é importante repensar a estrutura da educação incluindo a sociedade nesta conversa.

Pensando na presença masculina na educação dos pequeninos e no desenvolvimento das crianças, entendemos que tanto a presença masculina quanto a feminina são importantes.

A falta da figura masculina nas escolas é uma perda, uma vez que são nos primeiros anos de vida da criança que ela começa a desenvolver a sua base psicológica, afetiva, social e cognitiva.

A participação masculina na educação infantil é importante porque traz a presença de figuras masculinas cuidadoras no desenvolvimento das crianças o que, além de ajudar na superação de possíveis traumas gerados por relacionamentos conturbados com a figura masculina dentro do próprio lar, evita também que sejam criados estereótipos limitadores sobre o comportamento dos homens.

Por exemplo, crianças que enfrentam a ausência, a violência ou o distanciamento poderiam vir a reestruturar um novo olhar para o masculino, a partir desta relação escolar, e as que já possuem exemplos sadios, teriam mais um modelo positivo.

Pensando em tudo isso, podemos pensar em algumas ações que ajudariam a quebrar esse estereótipo:

  • Palestras que informem e desmistifiquem a presença do homem na educação infantil.
  • Estreitamento na relação entre pais e os profissionais que atuam na educação infantil.
  • Valorização dos homens que atualmente já estão trabalhando com isso.

Citamos apenas algumas entre outras medidas possíveis.

Cada vez mais é preciso considerar uma nova forma de ver a masculinidade, principalmente mostrando que são possíveis relações saudáveis de afeto, de brincadeira e de aprendizagem, nas escolas e fora dela, entre crianças e seus cuidadores homens. 


publicado em 22 de Agosto de 2019, 16:06
Carol caetano jpg

Carolina Caetano

Psicóloga clínica, mestre em análise da cognição em homens. Interessada em contribuir para que cada um conheça as suas potencialidades. Instagram: @psicologa_carolinacaetano


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: