Os males da sinceridade

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Asm selo png
  • 130x50 jpg

Sejamos honestos: a gente não consegue ser honesto todo o tempo. A mentira faz parte do ciclo de vida do ser humano – a gente nasce, cresce, mente durante o crescimento para poder ir às baladas, mente para tentar se reproduzir, se reproduz, mente sobre o estado de saúde para o médico e morre.

Não é exagero, leitor. E se você disser que estou panfletando o apocalipse e quero transformar a sinceridade em uma de suas bestas estará mentindo para si mesmo. A verdade é que exigimos honestidade e não imaginamos que:

1) não conseguimos lidar com ela, e

2) não conseguimos sustentá-la todo o tempo.

Link YouTube |

Imagine se pudéssemos ser realmente sinceros quando a mulher pergunta:

— Benhê, este vestido me deixa gorda?

— O vestido não, mas o que você come...

Em uma relação a dois, a sinceridade deve ser aplicada tal qual um remédio – em excesso, pode matar. Por exemplo, é muito provável que a sua mulher já tenha tido noites mais quentes com outros homens, o que não significa que você queira ouvir este fato. E nem que ela finge orgasmos com frequência. E por aí vai.

Ouvir verdades é ver seu próprio ego sendo rasgado. E sal sendo jogado nas feridas.

Por isso contamos com as pequenas falsidades do cotidiano, mecanismos fundamentais para a manutenção da ordem e do convívio social. Diga ao seu chefe que a ideia dele de cortar funcionários para reduzir custos é idiota e vai entender o que quero dizer.

A medida da mentira

Oscar Wilde mandou avisar:

"Um pouco de sinceridade pode ser bem perigoso, muita sinceridade é absolutamente fatal."

Pois eu conheci um cara que chegou bem perto do precipício criado pela honestidade.

Schmieder encarou a sinceridade por muito tempo. Quase não saiu vivo

Jürgen Schmieder, jornalista esportivo alemão, ficou 40 dias vivendo a base de sinceridade. No fim da saga, colocou tudo no papel e fez o livro Sincero. Nele, Schmieder narra como sua mulher ficou brava quando ele se negou a sonegar o imposto de renda – e, assim, perdeu 2 mil dólares de restituição – e o soco que tomou do melhor amigo quando contou à namorada do cara que ele a traía.

“As pessoas estão acostumadas a pequenas mentiras”, comentou Schmieder quando conversei com ele. “Dizemos ‘bom dia’ a quem não gostamos, por exemplo. Não é possível ser 100% sincero hoje em dia porque mentir toma grande parte do nosso convívio social.”

Ele notou que faltamos com a sinceridade 200 vezes por dia. Descontando oito horas de sono, mentimos uma vez a cada 4m47s. São pequenas inverdades – como elogiar um trabalho medíocre de um colega – e grandes mentiras – como dizer à mulher que “Imagina, amor, ela é só uma amiga do tempo de faculdade”.

A única verdade é que continuaremos a mentir. E, demagogos que somos, continuaremos a exigir honestidade do mundo.


publicado em 22 de Agosto de 2011, 08:44
File

Rodolfo Viana

É jornalista. Torce para o Marília Atlético Clube. Gosta quando tira a carta “Conquiste 24 territórios à sua escolha, com pelo menos dois exércitos em cada”. Curte tocar Kenny G fazendo sons com a boca. Já fez brotar um pé de feijão de um pote com algodão. Tem 1,75 de miopia. Bebe para passar o tempo. [Twitter | Facebook]


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: