Os perigos da paternidade distraída

Quando se trata do desenvolvimento infantil, os pais deveriam se preocupar menos com o tempo online das crianças - e mais com o seus próprio tempo online.

Este artigo foi escrito por Erika Christakis, a autora do livro The Importance of Being Little: What Young Children Really Need From Grownups. [“A importância de ser pequeno: o que as crianças pequenas realmente precisam dos adultos” ainda inédito no Brasil]. Foi originalmente publicado na The Atlantic, você pode ver o link original aqui.

A tradução foi feita por Marcos Bauch, autor na casa e parceiro de longa data do PdH.

Achamos a discussão importante e decidimos disponibilizar pra vocês por aqui. Esperamos que gostem.

Os perigos da paternidade distraída, por Erika Christakis

Os smartphones já foram implicados em tantos resultados desastrosos - fatalidades no trânsito, distúrbios do sono, perda de empatia, problemas de relacionamento, falha em perceber um palhaço em um monociclo - que parece ser mais fácil listar as coisas que eles não estragam do que coisas que eles efetivamente estragam. Nossa sociedade pode estar chegando a um pico nas críticas aos dispositivos digitais.

Mesmo assim, pesquisas recentes sugerem que um problema-chave continua sendo pouco explorado. Envolve o desenvolvimento das crianças, mas provavelmente não é o que você pensa. Mais do que crianças pequenas obcecadas pelas telas, deveríamos nos preocupar com pais desconectados.

Sim, os pais têm, agora, mais tempo com seus filhos do que quase todos os pais na história. Apesar de um aumento dramático no percentual de mulheres no mercado de trabalho, as mães hoje gastam mais tempo cuidando de seus filhos do que as mães na década de 1960. Mas o engajamento entre pais e filhos é cada vez mais de baixa qualidade e até mesmo artificial. Os pais estão constantemente presentes fisicamente nas vidas de seus filhos, mas estão cada vez menos sintonizados emocionalmente. Para ser claro, não sou antipática aos pais nessa situação. Meus próprios filhos adultos gostam de brincar que eles não teriam sobrevivido à infância se eu tivesse um smartphone nas minhas mãos há 25 anos.

Argumentar que o uso de gadgets pelos pais é um problema subestimado não é descontar os riscos diretos que as telas representam para as crianças: evidências substanciais sugerem que muitos tipos de tempo em frente às telas (especialmente aqueles que envolvem imagens em ritmo acelerado ou violentas) são prejudiciais aos cérebros jovens. Os pré-escolares de hoje passam mais de quatro horas por dia diante de uma tela. E, desde 1970, a idade média de início do uso “regular” passou de 4 anos para apenas quatro meses.

Alguns dos jogos interativos mais recentes que as crianças usam em celulares ou tablets podem ser mais benignos do que assistir à TV (ou YouTube), pois imitam melhor os comportamentos naturais de brincar das crianças. E, é claro, muitos adultos plenamente funcionais sobreviveram a uma infância entorpecente, gasta vendo muito lixo cognitivo. (Minha mãe - incomumente para o seu tempo - proibiu Speed ​​Racer e Gilligan's Island alegando falta de coisas interessantes e instigantes nesses programas. O fato de que eu, de alguma forma, consegui assistir a cada episódio de cada show dezenas de vezes nunca foi explicado.) Ainda assim, ninguém realmente discute os tremendos custos de oportunidade para crianças pequenas que estão conectadas a uma tela: o tempo gasto em dispositivos é tempo não gasto explorando ativamente o mundo e se relacionando com outros seres humanos.

No entanto, apesar de toda a conversa sobre o tempo de tela das crianças, surpreendentemente pouca atenção é dada ao seu uso pelos pais, que agora sofrem com o que a especialista em tecnologia Linda Stone, há mais de 20 anos, chamou de “atenção parcial contínua”. Essa condição está prejudicando não apenas a nós, como Stone argumentou; está prejudicando nossos filhos. O novo estilo de interação dos pais pode interromper um antigo sistema de pistas emocionais, cuja marca registrada é a comunicação responsiva, a base da maioria das aprendizagens humanas. Estamos em território desconhecido.

Especialistas em desenvolvimento infantil têm nomes diferentes para o sistema de sinalização diádica entre adulto e criança, que constrói a arquitetura básica do cérebro. Jack P. Shonkoff, um pediatra e diretor do Centro para o Desenvolvimento da Criança de Harvard, chama isso de estilo de comunicação “servir e retornar”; os psicólogos Kathy Hirsh-Pasek e Roberta Michnick Golinkoff descrevem um "dueto de conversação".

Os padrões vocais que os pais adotam durante as trocas com bebês e crianças pequenas são marcados por um tom de voz mais agudo, gramática simplificada e entusiasmo engajado e exagerado. Embora essas conversas sejam enjoativas para observadores adultos, os bebês não se cansam disso. Não só isso: um estudo mostrou que as crianças expostas a este estilo de fala interativo e emocionalmente responsivo aos 11 meses e 14 meses sabiam o dobro de palavras aos 2 anos do que as que não estavam expostas a ele.

O desenvolvimento infantil é relacional, e é por isso que, em um experimento, bebês de nove meses que receberam algumas horas de instrução em Mandarim de um humano vivo, conseguiram isolar elementos fonéticos específicos na língua, enquanto que um outro grupo de bebês que recebeu exatamente a mesma instrução, via vídeo, não conseguia. De acordo com Hirsh-Pasek, professor da Temple University e membro sênior da Brookings Institution, mais e mais estudos estão confirmando a importância da conversação. “A língua é o melhor prognostico do desempenho escolar”, ela me disse, “e a chave para habilidades linguísticas fortes são aquelas conversas fluentes de ida-e-vinda entre crianças e adultos.”

Surge, portanto, um problema quando o sistema de pistas emocionais ressonantes entre adulto-criança, tão essencial para a aprendizagem precoce, é interrompido - por um texto, por exemplo, ou um rápido check-in no Instagram. Qualquer pessoa que tenha sido atropelada por um operador de carrinho desatento no smartphone pode atestar a onipresença do fenômeno. Uma consequência de tais cenários tem sido notada por um economista que acompanhou o aumento dos machucados em crianças à medida que os smartphones se tornaram predominantes. (A AT&T lançou o serviço de smartphone em diferentes momentos em diferentes lugares, criando um intrigante experimento natural.

Área por área, à medida que a adoção de smartphones aumentava, visitas de crianças às emergências dos hospitais aumentaram.) Essas descobertas atraíram um tanto da atenção da mídia alertando sobre perigos físicos impostos por pais distraídos, mas temos sido mais lentos em calcular seu impacto no desenvolvimento cognitivo das crianças. "As crianças não conseguem aprender quando interrompemos o fluxo de conversas, pegando nossos celulares ou olhando para o texto que passa pelas nossas telas", disse Hirsh-Pasek.

No início de 2010, pesquisadores de Boston observaram, discretamente, 55 cuidadores comendo com uma ou mais crianças em restaurantes fast-food. Quarenta dos adultos estavam absortos em seus celulares em graus variados, alguns quase totalmente ignorando as crianças (os pesquisadores descobriram que digitar e rolar as telas representa maiores problemas a esse respeito do que receber uma ligação). Sem surpresa, muitas das crianças começaram a fazer pedidos de atenção, que eram freqüentemente ignorados.

Um estudo subsequente trouxe 225 mães e seus filhos de aproximadamente 6 anos para um ambiente familiar e filmou suas interações enquanto cada pai e filho recebiam alimentos para experimentar. Durante o período de observação, um quarto das mães usou espontaneamente o celular, e estas promoveram substancialmente menos interações verbais e não verbais com os filhos.

No entanto, outro experimento rigorosamente desenhado, este conduzido na Filadélfia por Hirsh-Pasek, Golinkoff e Jessa Reed, da Temple University, testou o impacto do uso de celulares pelos pais no aprendizado de idiomas das crianças. Trinta e oito mães e suas crianças de 2 anos foram levadas para uma sala. As mães foram então informadas de que precisariam ensinar duas novas palavras a seus filhos (blicking, que significava “saltar” e frepping, que significava “tremer”) e receberam um celular para que os pesquisadores pudessem contatá-las a partir outra sala.

Quando as mães eram interrompidas por um telefonema, as crianças não aprendiam a palavra, e o oposto também se confirmou. Em um resultado colateral irônico no estudo, os pesquisadores tiveram que excluir sete mães da análise porque elas não atenderam o telefone, “não seguindo o protocolo”. Bom para elas!.

Nunca foi fácil equilibrar as necessidades de adultos e crianças, muito menos seus desejos, e é ingênuo imaginar que as crianças possam ser o centro inabalável da atenção dos pais. Os pais sempre deixaram as crianças para se entreterem sozinhas por vezes - “brincando nos barcos”, em uma frase memorável do The Wind in the Willows [O Vento nos Salgueiros, na versão em português], ou simplesmente brincando nos cercadinhos. Em alguns aspectos, o tempo em frente às telas, das crianças do século XXI, não é muito diferente das diferentes coisas em que toda geração de adultos confiou para manter as crianças ocupadas. Quando os pais não têm chiqueirinhos, literais ou figurados, o caos raramente demora a chegar. A recente biografia de Caroline Fraser sobre Laura Ingalls Wilder, autora de Little House on the Prairie [série de TV, ‘Os pioneiros’ em português], descreve o estilo parental excepcionalmente diferente dos pais da fronteira no século 19, que colocavam os bebês nas portas abertas dos fornos para aquecê-los e os deixavam vulneráveis ​​a “todos os tipos de acidentes, uma vez que que suas mães tinham que lidar com responsabilidades concorrentes.” A própria Wilder relatou uma variedade de quase calamidades com sua filha, Rose; uma vez, ela olhou por cima de suas tarefas para ver um par de pôneis de equitação saltando sobre a cabeça da criança.

A desatenção ocasional dos pais não é catastrófica (e pode até mesmo aumentar a resiliência), mas a distração crônica é outra história. O uso de smartphones tem sido associado a sinais claros de dependência: adultos distraídos ficam irritados quando o uso do celular é interrompido; eles não apenas perdem sinais emocionais, mas os interpretam mal. Um pai dessintonizado pode se irritar mais rapidamente do que um pai engajado, e ainda supor que uma criança esteja tentando ser manipuladora quando, na realidade, ela só quer atenção.

Separações curtas e deliberadas podem, naturalmente, ser inofensivas, até mesmo saudáveis, tanto para pais quanto para crianças (especialmente quando as crianças ficam mais velhas e exigem mais independência). Mas esse tipo de separação é diferente da desatenção que ocorre quando um pai está com um filho, mas comunica, através de seu não-compromisso, que o filho é menos valioso do que um e-mail. Uma mãe dizendo às crianças para sair e brincar, um pai dizendo que precisa se concentrar em uma tarefa pela próxima meia hora - essas são respostas inteiramente razoáveis ​​para as exigências conflitantes da vida adulta.

O que está acontecendo hoje, no entanto, é o aumento da imprevisibilidade do cuidado, regido pelos bips e incentivos dos smartphones. Parece que nos deparamos com o pior modelo de criação de filhos que se pode imaginar - sempre presente fisicamente, bloqueando, assim, a autonomia das crianças, mas apenas intermitentemente presentes emocionalmente.

Corrigir o problema não será fácil, especialmente porque é composto por mudanças drásticas na educação. Mais crianças pequenas do que nunca (cerca de dois terços das crianças de 4 anos de idade) estão em alguma forma de cuidado institucional, e as tendências recentes na educação infantil encheram muitas das salas de aula com aulas altamente roteirizadas, sem brilho e com monólogos do professor. Nesses ambientes, as crianças têm poucas oportunidades de conversas espontâneas.

Uma boa notícia é que as crianças pequenas são pré-preparadas para conseguir o que precisam dos adultos, como a maioria de nós descobre na primeira vez em que nosso olhar perdido é puxado de volta por um par de mãos rechonchudas nos repreendendo. As crianças pequenas farão de tudo para chamar a atenção de um adulto distraído e, se não mudarmos nosso comportamento, elas tentarão fazer isso por nós; podemos esperar muito mais birras, conforme os bebês forem envelhecendo e indo pras escolas. Mas, eventualmente, as crianças podem desistir. São necessários dois para dançar, e estudos de orfanatos romenos mostraram ao mundo que há limites para o que um cérebro de bebê pode fazer sem um parceiro de dança disposto. A verdade é que nós não sabemos realmente o quanto nossos filhos sofrerão quando não nos envolvemos.

Naturalmente, os adultos também estão sofrendo com o arranjo atual. Muitos construíram sua vida cotidiana em torno da infeliz premissa de que podem estar sempre ligados - sempre trabalhando, sempre cuidando dos filhos, sempre disponíveis para o cônjuge e seus próprios pais e qualquer um que precise deles, ao mesmo tempo em que ficam em dia com as notícias, enquanto lembram, na caminhada até o carro, de encomendar mais papel higiênico na Amazon. Eles estão presos no equivalente digital de um ciclo vicioso.

Nestas circunstâncias, é mais fácil concentrar nossas preocupações no tempo em frente às telas dos nossos filhos do que guardar nossos próprios dispositivos. Eu entendo esta tendência muito bem. Além de meus papéis como mãe e mãe adotiva, sou a guardiã de um Basset de meia-idade e acima do peso. Sendo eu mesma de meia-idade e com excesso de peso, prefiro ficar obcecada com a ingestão calórica do meu cão, restringindo-o a uma dieta austera de ração fibrosa, em vez de tratar do meu próprio regime alimentar e abdicar (Deus me livre) do meu bolo matinal de canela. Psicologicamente falando, trata-se de um caso clássico de projeção - o deslocamento defensivo de seus defeitos para outros, relativamente inocentes. No que diz respeito ao tempo em frente às telas, a maioria de nós deveria projetar muito menos.

Se conseguirmos colocar as mãos em nossa “tecnointerferência”, como alguns psicólogos a estão chamando, provavelmente descobriremos que podemos fazer muito mais por nossos filhos simplesmente fazendo menos - independentemente da qualidade de sua educação e independentemente da número de horas que dedicamos a eles. Os pais deveriam se dar permissão para se afastarem da pressão sufocante de serem tudo para todos. Pode colocar seu filho em um cercadinho. Deixe de ir àquele jogo de futebol se você quiser. Seu filho vai ficar bem. Mas quando você estiver com seu filho, guarde seu maldito celular.


publicado em 21 de Junho de 2018, 00:00
Avatar01

Luciano Andolini

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Facebook e Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura