Estamos procurando um autor para escrever sobre saúde do homem no PdH! Topa? Mais informações aqui.

Os perigos de ficar preso na sua zona de conforto (e como tentar sair dela)

A vida começa onde termina essa inércia!

A zona de conforto pode ser sedutora, irresistível, “familiar” e igualmente desastrosa. Essa condição na qual tantas vezes nos prendemos pode ser definida como a nossa tendência a fazer o que é fácil, cômodo e conhecido, sem intenção de interromper ciclos viciosos e improdutivos ou de começar algo novo ou desafiador, que demande autodisciplina, motivação e comprometimento e que cause dispêndio extra de energia e nos tire da inércia.

A origem da palavra conforto vem do latim, cumfortare, e significa aliviar a dor ou a fadiga. Está associado a “um estado prazeroso de harmonia fisiológica, física e psicológica entre o ser humano e o ambiente”. É a nossa tendência de evitar os medos, a ansiedade ou algum tipo de desgaste. Sendo assim, tendemos a ficar num território onde podemos predizer e controlar os acontecimentos. Que pode garantir um desempenho constante, porém limitado e com uma pseudo sensação de segurança. É a famosa inércia, já explicada por Newton.

Daqui não saio, daqui ninguém me tira.

Causas

As causas mais frequentes que nos fazem ficar na zona de conforto são:

  • Preguiça: Quando o indivíduo sente cansaço, falta de energia, apatia, desinteresse, depressão, ansiedade, culpa, desmotivação ou tudo ao mesmo tempo…
  • Soberba: Quando ele não sente necessidade de aprender nada ou de aprimorar-se, por achar-se pronto, “brilhante” e perfeito (“síndrome do copo cheio”).
  • Medo: Quando tem receio de enfrentar os próprios medos: medo do desconhecido, dos riscos, das incertezas, do que pode acontecer, de perder controle ou do que os outros possam pensar.
  • Miopia: Quando não se têm claros os impactos e as consequências de algumas atitudes e comportamentos em nossas vidas, no médio e longo prazos.
Em time que está ganhando, não se mexe.

Consequências

O maior problema é que esse estado letárgico, reativo e confortável traz várias consequências. A maioria delas, você vai precisar aprender a evitar se quiser realizar seus projetos:

  • Desperdício do próprio talento: que é um processo de auto-sabotagem… Apesar da pessoa ter muito potencial, não consegue otimizá-lo nem transformá-lo em performance (como uma mina de diamantes lacrada, inexplorada e improdutiva).
  • Impactos negativos na carreira, na imagem e na empregabilidade: ao invés da pessoa ter uma carreira ascendente e bem sucedida, fica estagnada ou até involui profissionalmente.
  • Pode acarretar prejuízos à saúde (sedentarismo, obesidade ou dependência química), ao intelecto (perda de memória, de raciocínio e de agilidade mental), à psique (imaturidade, dependência, insegurança e áreas cegas) e à dimensão espiritual (falta de altruísmo, de senso de propósito e da capacidade de ajudar as outras pessoas).
  • Pode fazer com que invistamos pouco no nosso autodesenvolvimento, que está ligado a aprender, a mudar nossos comportamentos, a evoluir e a buscar nosso sucesso.
Eu até posso, só não quero.

Dicas

Por isso, aqui vão algumas dicas para não ficarmos na nossa zona de conforto e sermos pessoas realizadas, equilibradas e bem-sucedidas :

Sonhem grande!

Sejam muito competentes e comprometidos em tudo que fizerem.

Sejam muito curiosos, nunca parem de estudar e aproveitem ao máximo os cursos que fizerem;

  • Leia muito;

Ler nos traz novas ideias e nos tira da prisão da realidade em que vivemos.

  • Façam intercâmbio no exterior;

Se tiver condições, viajar tem um impacto ainda maior do que ler porque te coloca de fato em novas situações.

  • Faça parte de alguma entidade na sua área/faculdade/sociedade;

O trabalho coletivo gera uma responsabilidade maior, já que você assumiu o compromisso com com os outros e sabe que eles dependem de você. Isso vai acabar te beneficiando em outras áreas da vida.

  • Fiquem completamente fluentes em inglês e espanhol;

Se o idioma molda nossa maneira de ver o mundo, aprender um novo idioma vai te fazer enxergar as coisas de maneira diferente. De quebra, você está se qualificando.

  • Preocupe-se com a imagem que projeta para os chefes, clientes, fornecedores, colegas, professores, etc;

É claro que a paranoia deve ser evitada, mas se preocupar com a imagem que você projeta pode ser a motivação que você precisava pra mudar, caso o compromisso com você mesmo não esteja funcionando.

  • Pratiquem esportes coletivos/aventura;

A mesma ideia do fazer parte de uma entidade vale para a prática de esportes, com o bônus de liberar hormônios e outras substâncias no seu corpo que vão fazê-lo querer continuar em movimento. 

  • Façam trabalhos voluntários;

Quando cortamos a motivação financeira por trás de um trabalho, descobrimos a verdadeira motivação pela qual fazemos as coisas e nisso o trabalho voluntário é imbatível.

  • Administrem seu tempo e sua energia com sabedoria (prazer + dever);

Parte importante de sair da zona de conforto é ter certeza com o que vale a pena gastar sua energia, caso contrário você vai tentar atacar em muitas frentes, acabar se frustrando por não alcançar o objetivo em nenhuma delas e voltar para a zona de conforto num estádio bem mais preocupante.

  • Tenham lazer muito saudável e gratificante.

Lembra quando falei sobre as substâncias que praticar esportes libera no nosso corpo? Então, o princípio do lazer é o mesmo, você vai estar ensinando o seu corpo que se mexer traz sensações muito boas.

Eu recomendo que você faça dessas dicas uma lista e vá acrescentando item por item na sua vida. Com sorte, antes de chegar na metade você nem vai mais saber o que é zona de conforto.

***

Nota da Edição: Este texto é fruto da parceria de conteúdo entre o PapodeHomem e a Endeavor Brasil. Desde julho, estamos republicando quinzenalmente às terças-feiras artigos sobre trabalho e negócios que interessem ao nosso público com a assinatura do portal com mais autoridades no assunto no país. O artigo de hoje é pode ser lido originalmente aqui.


publicado em 01 de Novembro de 2017, 00:05
Sandra betti png

Sandra Betti

Psicóloga com Mestrado em Psicologia Social pela PUC-SP, com especialização em Harvard e Michigan, e com certificação como Master Coach pelo Behavioral Coaching Institute de NY. É professora no MBA da Fundação Dom Cabral e do Grupo Positivo e Sócia-diretora da MBA Empresarial.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura