Pornochanchada, pessoas gordas e anos 70 | Os textos mais lidos de outubro

Rolou de tudo, inclusive panetone nos mercadinhos.

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Essa é mais uma daquelas listas que não seguiram nenhuma linha temática; os mais lidos abarcaram várias . Mas também não era pra menos, e com um resumo rápido do que foi o mês de outubro dá pra entender o porquê: tudo acontecendo ao mesmo tempo.

Teve eleição com resultado que (quase) ninguém esperava, os 53 melhores games  de Mega Drive/Genesis, calor, frio, suruba, calor, frio, ejaculação precoce, lançamento de um documentário do PdH com a ONU Mulheres, panetones nas prateleiras em pleno mês 10 e, pra terminar em grande estilo, até um pedaço do teto caiu, na parte de fora da nossa casa, num dos piores dias de chuva (mas tá tudo bem, fiquem tranquilos).

E o outubro de vocês, como é que foi? 

 

1. Livros, vídeos e filmes para conhecer melhor a pornochanchada, por Fred Fagundes (29.736)

2.Um ano sem a timeline do Facebook, por Alberto Brandão (27.913)

3. O que você anda fazendo com a sua vida?, por Marcelo Marchiori (23.669)

4. 10 fatos que provam que os anos 70 foram incríveis, por Danilo Gonçalves (22.042)

5. Curiosidades sobre o sexo que você não vai ouvir na mesa de bar , por Luciano Andolini (21.860)

6. Como é ser a pessoa gorda ao seu lado?, por Breno França (19.052)

7. 3 conceitos básicos para começar a investir em algum lugar melhor que a poupança, por Eduardo Amuri(15.569)

8. 11 dicas para uma rotina lúcida e de alta performance, por Felipe Ramos (15.244)

9. 10 músicas do Bob Dylan que valem um Nobel, por Luciano Andolini– 11.740

10. Carta a alguém em depressão, por Leonardo Collares (11.231)

 


publicado em 03 de Novembro de 2016, 18:00
Foto jpg

Carol Rocha

Leonina não praticante. Produziu a série Nossa História Invisível , é uma das idealizadoras do Papo de Mulher, coleciona memes no Facebook e horas perdidas no Instagram. Faz parte da equipe de conteúdo do Papo de Homem, odeia azeitona e adora lugares com sinuca (mesmo sem saber jogar).


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: