Papo de homem não é papo de hétero

  • Nossos atuais Mecenas:
  • Selo dorel jpg
  • Vivara130x50 jpg

Não bastasse a homofobia ser um pavor de gays fundado na ameaça imaginária que eles representam(?) e a percentagem de gays enrustidos entre homofóbicos ser algo digno de nota, seguimos recebendo comentários assustadores.

dialogo2

Diálogos assim são ótimos para ilustrar confusões comuns.

Masculino não significa hétero.

É possível ser gay, masculino e, por exemplo, lutar MMA. O que você chupa ou deixa de chupar não define, por si só, o quão masculino ou feminino você é.

Vivemos um tempo em que a identidade heterossexual é sinônimo de masculinidade. Mas não foi sempre assim.

Em muitas civilizações e durante grande parte da história, a homossexualidade foi considerada apenas uma prática. Algo que se fazia e ponto.

A palavra "homossexual” foi cunhada apenas em 1869 pelo austro-húngaro Karoly Maria Kertbeny. O ensaio "As sensações sexuais contrárias", de 1870, definiu a prática como um desvio, como algo degenerativo. O termo "homossexualidade" surge no dicionário Webster em 1909, significando "paixão sexual mórbida por pessoa do mesmo sexo".

O termo heterossexualidade surge no mesmo dicionário Webster somente em 1923, mas guarda a repulsa ao sexo. É definida como "paixão sexual mórbida por alguém do sexo oposto”. Só Em 1934, durante a recessão e como parte da construção da família nuclear, a interpretação muda. “Heterossexualidade" é redefinido como "manifestação de paixão sexual por alguém do sexo oposto; sexualidade normal”.

A homossexualidade como identidade desviante é, portanto, um conceito recente.

Ler a resposta do Bruno Miné me deixa feliz, indica estarmos avançando na construção de uma masculinidade mais lúcida, livre de preconceitos e estereótipos. Não à toa nos apresentamos como um espaço exploratório do masculino.

Diria apenas ao Bruno para evitar chamar o outro de babaca. A comunicação violenta cria rixas e abre um abismo quase impossível de atravessar. O xingamento trava a razão. Ao invés da pessoa homofóbica refletir sobre as bases de seu preconceito, ela entra em modo de auto-defesa: devolve o xingamento ou se retira da conversa, certo de que o outro não tinha ponto algum.

A todos nós, deixo cinco sugestões:

 

* * *

Nota dos editores: esse é um post despretensioso, um formato rápido com o qual pretendemos experimentar para compartilhar com vocês ideias e recomendações que valem sua atenção.


publicado em 09 de Junho de 2014, 10:45
File

Guilherme Nascimento Valadares

Editor-chefe do PapodeHomem, co-fundador d'o lugar. Membro do Comitê #ElesporElas, da ONU Mulheres. Professor do programa CEB (Cultivating Emotional Balance). Oferece cursos de equilíbrio emocional e escreve pequenas ficções no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Nossos atuais Mecenas: