A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Parar de fumar: eu sei como

Sei tanto de parar de fumar quanto sei de contar mentiras. Mas a vida é mesmo assim, cheia de dúvidas e duas intenções em uma mesma ação.

A minha ação de hoje é te ajudar a parar de fumar. Eu sei como. Assim como eu sei mentir.

Meu primeiro cigarro eu acendi com treze anos, logo depois de estourar todo o peito com uma tragada de charuto que me ofereceram antes. Eu estava numa casa de fliperamas (sim, isso existia na minha época), daquelas que a tua mãe vivia dizendo pra não entrar. Entre uma ficha e outra, rolou um charuto na roda de amigos. Porra, imagina só a cabeça de um fedelho de em 15 anos, dentro de um lugar recriminado por todos, com um charuto na mão! Ah... eu era o dono do mundo. Puxei aquela fumaça pesada e mandei pra dentro do pulmão. Os próximos dez minutos eu passei tossindo e fingindo sorrir.

O moleque dos cigarrinhos de chocolate fumava e morreu

Depois disso, eu dividi um cigarro com a molecada. Um daqueles de gosto, sabe? Canela, menta, chocolate, umas paradas assim. Foi provavelmente a primeira de, no máximo, quatro ou cinco vezes que fumei esses cigarros "amanteigados". Depois disso foi só farra. Comprava maço escondido, fumava na entrada e saída da escola, etc etc etc. Se você é fumante, essa é só mais uma história.

Parar e voltar a fumar

Todo fumante descobre, em determinado momento, que o cigarro faz mal. Parece bobo dizer, mas é foda como aquela fumaça no peito é deliciosa. E daí, depois de um belo tempo, o viciado se descobre menos ativo, mais cansado, com sono menos gostoso. A gente descobre isso, mas acha que é só se acostumar. Depois descobre que tá todo fodido, sem jogar uma bolinha há meses, fodendo sua pequena em 20 minutos e não mais 40, 45 como gosta de contar pra todo mundo.

E aí começa a vontade de parar de fumar. Mas, claro, o cigarro vai ser o último a ser largado. Digo isso porque, primeiro, tem que parar de tomar café (café dá vontade de fumar). Depois, corta a brejinha de semana (cerveja dá vontade de fumar). Aí desiste de almoçar fora (depois de comer, dea uma baita vontade de fumar). Parar de fumar depois der dar umazinha ninguém quer parar, afinal, pra que isso aconteça rapidamente, o negócio seria parar de dar umazinha. Mas, amigo lenhador e queimador de tabaco, ninguém vai parar de foder. E daí, ninguém para de fumar.

Chega um momento em que o fumante para de fumar. "Acabou. Cigarro, nunca mais!". Mas aí a gente volta a fumar. Dias depois, semanas depois. Eu mesmo parei de fumar por um ano e alguns meses e, depois de alguma sem-vergonhice qualquer, acendi um danado e comprei outro maço.

Nesse sentido, o negócio é não achar que não tem mais jeito. Muitos fumantes, quando têm recaídas, voltam a fumar porque acham que não tem mais salvação, que agora que voltou não vai largar de novo. Balela. Fácil não vai ser não, mas dá pra parar de fumar de novo sim. Esse pragmatismo que acaba com as esperanças de um fumante.

Não se pode, de maneira alguma, largar de lado a vontade de parar de fumar. Isso serve pra você e para todos os seus amigos cuzões.

O amigo que não serve pra nada

Largar o cigarro é uma batalha solitária, amigo fumante que não recebe panfletos antitabagismo aí nos confins do Oregon. Portanto, não use seus amigos como bengala e não use seus amigos como muralha. Esse negócio todo de o amigo não fumar perto de ti de nada vale. Toda pessoa que quer largar o cigarro tem que ter culhão e peito o suficiente pra ficar perto de alguém que está fumando. Vale sentir saudades da fumaça, dar aquela tossidinha gostosa de quando tu tinha só pigarro no pulmão e vale até segurar um cigarro apagado no meio dos dedos, só pra lembrar de como você era foda quando fumava. Só não vale, claro, colocar a chupeta do capeta na boca e dar aquela tragada deliciosa.

Humphrey Bogart era um baita ator. Fez Casablanca, ganhou Oscar de melhor ator, fumava pra cacete e morreu de câncer por conta do cigarro

E muito cuidado com os teus amigos não fumantes. Ô raça do cacete pra desestimular um cabra que tá largando o vício.

Falo porque a recaída é parte da rotina que quem tá largando o vício do cigarro. Você avisa que parou de fumar e a primeira reação daquele que nunca fumou é "pfffff... duvido. Quero ver se vai parar mesmo". Cacete, ô saudavelzinho: parar de fumar é foda demais. Não é como parar de dar tapas na pópria cara. O mané que não fuma vê a coisa toda desse jeito, como se fumar fosse dar tapas na própria cara, mas esquece do vício químico que faz com que o fumante acenda um cigarro sem nem ver que acendeu.

Amigo lenhador do nosso amigo lenhador fumante: não foda a porra toda do processo de largar o vício do coleguinha. Se o seu amigo fumar um cigarro na sua frente, deixa o cara. Mais que observar a derrota dele, pense no esforço que ele fez para acender aquele cigarro e do caminho que ele vai ter que continuar percorrendo pra que não haja outros cigarros. Consagrar a derrota de alguém que teve uma recaída é consagrar a própria derrota de não ajudar um amigo.

Parar de fumar, efetivamente

Eu brinquei ali em cima sobre cortar tudo (café, cerveja), menos o cigarro, mas essa é uma estratégia muito boa. Porque quase 100% dos viciados em cigarro não conseguem parar de vez. Se corta o cigarro, fica transtornado, bate o mau humor e a fissura e engorda comendo e, depois de duas semanas, manda tudo às favas e volta a fumar. Tempo gasto à toa.

O esquema mesmo é se programar. Pensar em algum momento da vida como o "divisor de águas" para parar de fumar ajuda muito. Porque, com o tempo, você vai diminuindo, vai cortando aquele cigarro da manhã (o pior de todos pra quem quer largar o vício), começa a não ficar doido de vontade de fumar no bar e, quando esse momento dividor chega, você tá com a cabeça boa pra cortar de vez o tabaco.

Eu, depois de quase seis meses trabalhando no PapodeHomem, fui morar com a minha pequena. Esse foi o meu divisor. Foi muito tempo pra diminuir, parar de comprar maços, parar de cerrar dos amigos, parar de juntar bituca na rua pra fumar (mentira) e, finalmente, parar de fumar.

Estou desde o final do ano passado sem fumar. Se eu fumei alguma vez desde aquela época? Se você está me perguntando isso, não entendeu nada.

Voltando.

Datas são ruins para quem parou de fumar. Ficar com esse negócio de "estou há três dias sem fumar" só vai te fazer pensar "bom, como jea estou há dois meses sem fumar, um cigarrinho não vai me matar". Não digo nem pela recaída (se você pensou nisso, não entendeu nada mesmo), mas pela sensação ruim de ficar se corroendo de contar horas e minutos. Cada dia que passa, mais distante fica o vício e mais perto fica a recaída.

Keith Richards fumava e... bom, o Keith Richards não conta

Deixa os dias de lado. Você parou de fumar e ponto. E se alguém perguntar desde quando você está sem fumar, você responder "ah...alguns dias" ou" umas semanas aí" e receber um "pffff", acenda um cigarro, não trague e apague a mamadeira do demônio nos olhos do gozador. Você vai se sentir bem melhor.

Resumindo a papagaiada toda:


  • Você tem que ter plena convicção de que quer e/ou deve parar de fumar;

  • Tenha um "divisor de águas" bem importante para nortear o dia em que vai parar de fumar;

  • Comece a cortar o cigarro, sem se importar com as outras pessoas;

  • Não foda o seu amigo fumante e não seja fodido pelos seus amigos não fumantes;

  • Se você não fuma. não foda a porra toda;

  • Quando estiver perto do dia de parar de fumar, fique esperto e não fume mais pra compensar. Não existe esse último adeus;

  • Quando parar de fumar, as recaídas são normais. O esquema é não sucumbir e voltar a se entupir de alcatrão e etc;

  • Na recaída, lembre-se o quanto você caminha melhor, dorme melhor e fode melhor;

  • Não conte datas. Parou de fumar, parou de fumar e acabou;

  • Se você não fuma. não foda a porra toda.

Fumei por quase 15 anos. Tive recaídas. Não uma, não duas. Mas tô aqui: Firme, forte e fodendo melhor.

Amém.


publicado em 04 de Março de 2012, 21:02
13350456 1045223532179521 7682935491994185264 o

Jader Pires

É escritor e colunista do Papo de Homem. Escreve, a cada quinze dias, a coluna Do Amor. Tem dois livros publicados, o livro Do Amor e o Ela Prefere as Uvas Verdes, além de escrever histórias de verdade no Cartas de Amor, em que ele escreve um conto exclusivo pra você.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura