Paulo Von Poser: "Desenhar muda o lugar e as pessoas que estão ali"

Conversamos com o artista sobre a arte, urbanismo e a ocupação do espaço público


O desenho é mais do que uma forma de arte e expressão. Por meio dele podemos aguçar nossa capacidade observar, aprender a lidar com os erros, transformar espaços, nos apropriar da cidade e nos tornarmos mais presentes e focados.

Paulo Von Poser é artista plástico, arquiteto, desenhista, ceramista, ilustrador e professor. Iniciou a carreira nas artes plásticas, desenhando retratos e paisagens. Além do desenho, dedicou-se também à cerâmica e à ilustração. Ficou conhecido por seus desenhos de rosas em 1989, quando ilustrou o calendário do MAC-SP e, também, pelos desenhos retratando museus, praças e espaços públicos da cidade de São Paulo. Participou também de mostras nacionais e internacionais. Suas obras integram acervos da Pinacoteca, MASP e MCB. Está envolvido em causas sociais e urbanas, como o Parque Minhocão e o projeto Rios e Ruas.

A The School Of Life é um daqueles lugares que a gente gostaria de ter conhecido antes. Eles oferecem ideias, sugestões, desafios e questionamentos para vivermos uma vida melhor.

Admiramos bastante o trabalho deles e ficamos bastante lisonjeados quando, por ocasião do curso Intensivo que eles estão oferecendo em São Paulo, entre os dias 23 a 27 de janeiro, pudemos falar com alguns dos professores da Escola.

Formulamos perguntas específicas para cada um deles e também mais quatro para todos responderem. Esse é o último dessa semana.

Vamos ao papo.

1. O tema de seu workshop, "Desenho para não desenhantes", nos soa fascinante. Qual o papel do desenho na educação e formação de uma pessoa, a seu ver? Como alguém sem facilidade ou experiência com o desenho pode se relacionar com ele?

O desenho é uma linguagem universal, todo ser humano desenha naturalmente e especialmente na sua infância, em geral, esta atividade fica bloqueada a partir da alfabetização. O desenho possibilita outras maneiras de ver e de se conhecer, um olhar mais livre e despreocupado. O foco do workshop está no processo de descoberta do próprio traço, no prazer do movimento gestual. Desenhar desenvolve a atenção, a curiosidade e a confiança no seu processo criativo.

2. No livro Antifrágil, de Nassim Taleb, ele nos apresenta o conceito de turistificação:

"Turistificação castra sistemas e organismos que apreciam a incerteza ao sugar deles toda a aleatoriedade enquanto gera a ilusão de benefício. (...) Esse é o meu termo para um aspecto da vida moderna que trata humanos como máquinas de lavar, com respostas mecânicas simplificadas e um manual do usuário detalhado.

É a remoção sistemática de incerteza e acaso das coisas, tentando torná-las cada vez mais previsíveis em seus menores detalhes. Tudo em prol do conforto, conveniência e eficiência."

Isso parece acontecer conosco cada vez mais nas cidades. Como evitar esse processo?

Interessante nesta ideia é que detesto viajar como turista, realmente prefiro o imprevisível de cada percurso, de cada conversa. Neste sentido, o desenho pode ser uma alegre surpresa no contato com a cidade. Desenhar muda o lugar e as pessoas que estão ali. Conversar com desconhecidos que nunca mais veremos pode ser uma bela dica, a cidade nos educa.

Como fazer com que a luta para combater essa desumanização não se restrinja aos locais elitizados de uma cidade e sim seja algo democrático?

Ampliando a dimensão pública dos espaços. Os movimentos contemporâneos de "tomada" e ocupação das ruas, praças e parques apresentam várias e novas maneiras de se propor a cidade. Como professor, uso a cidade como sala de aula aberta .

3. Como podemos despertar nas pessoas mais interesse em se apropriar por causas urbanas? Por que é tão comum o espaço público ainda ser tratado como terra de ninguém, ao invés de um local que é vivo e de todos?

Valorizando o pedestre e o ciclista, desenvolvendo o transporte público e coletivo para uma mobilidade que traga qualidade de vida. A cidade é o lugar dos encontros e dos conflitos, por isto mesmo é tão desejada e desejável. É o lugar para a arte e os artistas.

4. O que você demorou anos para aprender sobre seu trabalho e agora pode resumir em poucas palavras?

O erro é fundamental. Faço arte como se estivesse num cardume de peixes dançando no mar.

5. O que você demorou anos para aprender sobre a vida e gostaria que alguém tivesse te contado décadas atrás?

Ser jovem é cada vez mais chato, é ótimo envelhecer brincado sem medo.

6. Em sua visão, qual tema específico temos negligenciado e deveríamos dedicar mais de nossas conversas e atenção, como sociedade?

A Igualdade.

7. Se pudesse recomendar uma só produção cultural (livro, filme, site…) para que a comunidade do Papo de Homem conheça em 2015, qual seria?

Estou na maior expectativa e curioso com as mudanças no Masp, vale a pena conferir.


publicado em 22 de Janeiro de 2015, 09:00
Avatar01

Luciano Ribeiro

Cantor, guitarrista, compositor e editor do PapodeHomem nas horas vagas. Você pode ouvir no Spotify. Também escreve no Medium e em seu blog pessoal. Quer ser seu amigo no Instagram.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura