A conversa sobre paternidade é uma das mais importantes do nosso tempo. Venha para o PAI: Os desafios da paternidade atual, discutir e colocar em prática o tema.
Compre já o seu ingresso!

Playboy fodeu até 3,5 milhões de casamentos

No ano passado, Hugh Hefner, fundador o império Playboy, externou todo o seu orgulho por ter colaborado nas mudanças sexuais dos Estados Unidos. Em entrevista ao New York Times, Hefner disse:

Acho que a coisa mais importante que eu consegui fazer foi atuar de alguma forma na mudança de nossos valores sociais e sexuais, e eu tenho muito orgulho nisso. Quando eu estava na faculdade, os jovens de classe média não podiam viver juntos antes de se casarem. (...) Nos anos 1950, o bom senso era encontrar a garota certa, se casar, mudar para o subúrbio e sair para curtir com os caras enquanto a mulher ficava em casa com os filhos. Eu achava isso meio triste.

Hefner achava isso triste. E o que ele fez? Fodeu com o casamento. Pelo menos é o que dizem os cientistas.

Um estudo de Robert M. Daines e Tyler Shumway, da Universidade de Michigan, afirma que a Playboy foi a causa de 10% a 25% de todos os divórcios nos EUA entre os anos de 1962 e 1979. Isso significa que, dos 14 milhões de divórcios no período, as coelhinhas e estrelas da capa foram responsáveis por até 3,5 milhões deles.

A modelo Monica Tidwell, coelhinha de novembro de 1973 (aos 19 anos de idade), provavelmente destruiu meio milhão de lares.

A pergunta que eu deixo para os machos é:

Em qual das últimas capas da Playboy brasileira você, com um sorriso sacana nos lábios e sem um pingo de remorso, colocaria a culpa pelo fim do seu casamento?


publicado em 27 de Dezembro de 2011, 07:10
File

Rodolfo Viana

É jornalista. Torce para o Marília Atlético Clube. Gosta quando tira a carta “Conquiste 24 territórios à sua escolha, com pelo menos dois exércitos em cada”. Curte tocar Kenny G fazendo sons com a boca. Já fez brotar um pé de feijão de um pote com algodão. Tem 1,75 de miopia. Bebe para passar o tempo. [Twitter | Facebook]


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura