Você é pai recente ou está prestes a se tornar um, lidando com todos os desafios dessa fase? Então corre pra se inscrever no curso online de nosso querido amigo Homem Paterno — hoje é o último dia de inscrições. ;-)

Por que chamo os pais de "marujo"? (e mais algumas coisas que ninguém te contou sobre sexo após o parto)

Conduzo cursos preparando os futuros pais para o processo de gravidez, parto e puerpério há mais de 2 anos. Chamo esses pais de marujos. Essa é a história por trás desse carinhoso apelido.

Aproximadamente dois anos atrás, quando o projeto Homem Paterno era somente um impulso, um chamado, li um texto que me impactou profundamente.

 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 
 

A post shared by Homem Paterno ⚓ (@homempaterno) on

(acima, cenas dos cursos e imersões que conduzo)

Era como se as palavras, mesmo que metaforicamente, estivessem descrevendo exatamente o que eu vivia e sentia. Foi nele que me reconheci enquanto um marujo, navegando pelos oceanos incrivelmente belos, mas assustadoramente revoltos e profundos, da paternidade.

Nas palavras de Isabela Nicastro:

"Sabe aquele velho ditado de que mar calmo nunca fez bom marinheiro?

Pois é, é em meio às ondas gigantes que aprendemos, de fato, a navegar. Isso serve tanto para os dias de mar agitado ou para os dias em que a vida insiste em nos balançar na travessia. De repente, de um dia para o outro, o caos se estabelece. Nossas certezas vão por água abaixo, levando, por vezes, nossa confiança e estabilidade.

Sucumbimos. Desesperamos. Entristecemos.

Diante de alguns problemas, parece que o achado de “terra à vista” jamais irá acontecer. A sensação é de estarmos condenados ao mar de águas turbulentas, buscando, incansavelmente por um porto seguro. Mas aí, enquanto estamos tentando resistir a tanta instabilidade, acabamos por descobrir um novo jeito de navegar.

Resgatamos forças que nem imaginávamos ter. Recebemos o apoio de quem não imaginávamos poder contar. E, sobretudo, descobrimos em nós mesmos, uma capacidade de resiliência que parecia inexistir.

Em algum momento, passamos a nos adaptar às mudanças, entender os problemas e correr atrás para modificá-los."

Um ano depois de ler esse texto, me deparo com um post com o título "Paradoxo da Âncora" escrito pelo meu amigo inspirador Fred Mattos, que me trouxe definitivamente esse símbolo:

"Marinheiros devem adorar aquele momento de baixar âncora e permanecer usufruindo de certa estabilidade e constância. Mas diante de uma agitação maior talvez a âncora possa retardar uma ação mais ágil, que exija flexibilidade e mudança.

Nessa hora ela vira um peso, um suplício.

Então nossas certezas devem ser como as âncoras, firmes o suficiente para nos manter nos dias tranquilos, mas flexíveis e adaptáveis em situações de grande complexidade emocional."

Um dos cursos, retratado no documentário "O silêncio dos homens"

Enfim, por isso te chamo de marujo e que também trago a âncora como símbolo da Paternidade Integral

Afinal de contas, mar calmo nunca fez bom marinheiro. Quer dizer, nunca fez um bom marujo.

* * *

Baixe gratuitamente meu ebook "3 coisas que ninguém te contou sobre sexo depois do parto"

Resultado de muita escuta, pesquisa, vivências pessoais e experiência acompanhando dezenas de casais ao longo dos anos

É só acessar o novo site do Homem Paterno, orgulhosamente lançado ontem! Tenho dedicado todo meu coração a esse trabalho de transformação da paternidade. Vai ser uma alegria saber o que acharam do material.


publicado em 24 de Abril de 2020, 13:06
Img 20180508 112758 jpg

Tiago Koch

Idealizador do Instagram @homempaterno, homem, pai e marido. Formado em Naturologia, desenvolve trabalhos individuais e em grupos oferecendo suporte e acompanhamento para homens durante o período gestacional e puerpério.


Puxe uma cadeira e comente, a casa é sua. Cultivamos diálogos não-violentos, significativos e bem humorados há mais de dez anos. Para saber como fazemos, leianossa política de comentários.

Sugestões de leitura